Star Wars Wiki em Português
Advertisement
Star Wars Wiki em Português

Este artigo detalha um assunto considerado cânon.

O assunto deste artigo existe ou é relevante no mundo real.

"Ahsoka tem uma longa história, e há muito mais sobre ela do que os fãs sabem."
―Dave Filoni[fonte]

Ahsoka é um romance para jovens adultos da Disney–Lucasfilm Press. O romance, escrito por E. K. Johnston, foca na personagem Ahsoka Tano durante o período posterior à sua saída da Ordem Jedi e antes de ela se tornar parte da rebelião. O romance foi lançado em 11 de Outubro de 2016 nos Estados Unidos e 28 de Julho de 2020 pela Universo Geek.

Sinopse da Editora

Aba Interna

Havia talvez vinte Stormtroopers no estaleiro. Antes, quando ela podia usar abertamente A Força, isso não seria um problema. Agora, com apenas seu blaster, Ahsoka demorou um instante para considerar suas opções.

Anakin teria entrado de sola, independentemente do risco pessoal. Mesmo sem o Sabre de luz, teria sido rápido o suficiente e forte o bastante para fazê-lo. Chamaria muita atenção, no entanto. Explosões tendiam a acompanhar de perto seu antigo mestre. Ela sentia falta da emoção, mas agora não era o momento para isso. O mestre Obi-Wan Kenobi teria tentado uma abordagem mais elegante e acabaria, ainda assim, causando tanto estaralhaço quando Anakin, invariavelmente.

- Quando é que você vai admitir para si mesma que está por conta própria? - Ahsoka murmurou a si mesma. - Eles se foram. Estão mortos e você está sozinha agora.

Contracapa

Ela pensou que sua guerra havia terminado, mas uma nova batalha está apenas começando...

Ahsoka Tano, leal aprendiz Jedi de Anakin Skywalker, planejou passar o resto de sua vida servindo à Ordem Jedi. Mas, após uma dolorosa traição, deixou a Ordem e seguiu seu próprio caminho, imaginando que Anakin e os outros Jedi ainda estariam lá sempre que precisasse deles - ou eles precisassem dela.

Então o Imperador assumiu a galáxia, e os Jedi foram cruelmente assassinados. Agora Ahsoka está de fato sozinha, sentindo-se incapaz de fazer parte de algo maior novamente.

Refugiada em um remoto planeta agrícola, começa a criar uma vida simples para si. Mas Ahsoka não pode escapar de seu passado ou do alcance do Império. Quando as forças imperiais ocupam o planeta, ela precisa decidir se deve se envolver - mesmo que isso exponha sua identidade. Suas escolhas terão efeitos devastadores para quem a rodeia... e poderão levá-la a uma nova esperança para a galáxia.

Enredo

A vida em Thabeska

Depois de fugir de Mandalore, Tano entrou na Orla Exterior para se esconder do Império. Ela viajou para Thabeska, um planeta no controle do clã Fardi, uma poderosa família de contrabandistas que escondia suas operações dos Imperiais, também executando vários negócios legais para cobrir os ilegais. Ao chegar em Thabeska, Tano foi recebida por várias jovens que lhe mostraram onde ela poderia encontrar comida e um lugar para ficar, e a apresentou a Fardi, que comprou sua nave por um preço inferior ao razoável. Mais tarde, ela descobriu que essas meninas eram filhas e sobrinhas de Fardi e que Fardi era o nome da família delas. As garotas a colocaram sob suas asas e Tano conseguiu um emprego de Fardi quando as meninas souberam que ela era uma boa mecânica. Sob o nome falso de Ashla, Tano trabalhou para a família Fardi por vários meses, ganhando algum dinheiro enquanto continuava a lamentar a perda da República, dos clones e da Ordem Jedi.

Dois meses antes do Dia do Império, o primeiro aniversário da ascensão do Imperador Palpatine ao poder, Tano estava trabalhando em alguns droides no estaleiro de Thabeska, quando ela notou algumas das crianças Fardi brincando com alguns caixotes. Quando um dos caixotes caiu para esmagar as crianças, Tano usou a Força para impedir que as caixas caíssem sobre elas. Tano manteve seus poderes Jedi em segredo desde que deixou Mandalore, e temia que ela tivesse se revelado para as crianças. Ela os lembrou que eles não deveriam estar brincando perto dos caixotes, e imploraram para que ela não contasse a Fardi, ignorando o incidente sobrenatural que acabaram de testemunhar. Apenas a jovem Hedala Fardi olhou para Tano com fascinação, para depois descobrir Hedala levantando algumas pequenas pedras usando a Força, revelando-se sensível à Força.

No Dia do Império, Tano foi informada pelas garotas Fardi que seu pai estava tendo importantes convidados imperiais para jantar e que queriam conhecer alguém que fosse novo no planeta. As garotas se ofereceram para Tano vir e sentar-se com elas no desfile do Dia do Império e passar por ele e contar a ela como a segurança foi um desastre devido à grande quantidade de naves no estaleiro. Tano aceitou esse convite como uma advertência sutil e uma oportunidade de escapar do planeta, e Tano aproveitou essa oportunidade para sua vantagem. Ela reuniu os pertences que possuía e escapou da cidade, roubando uma das naves de Fardi e deixando o planeta. Uma vez em órbita, Tano lembrou-se de Hedala Fardi e do perigo que ela estava tendo, sendo uma criança sensível à Força que provavelmente seria procurada pelo Império, mas Tano sabia que ela estava atrasada, então ela foi embora.

Radda

Um Refugio pastoral

Tano se viu na remota lua agreste de Raada na Orla Exterior. Ela pousou então a nave Fardi no assentamento principal do planeta. Sob o apelido de Ashla, Ahsoka fez amizade com uma garota local chamada Kaeden Larte, que fazia parte de uma comunidade agrícola. Kaeden permitiu que Tano se mudasse para a casa abandonada de sua irmã mais velha, Cietra. Tano concordou em trabalhar como mecânica, consertando droides e outras máquinas em troca de pacotes de ração. Enquanto se ajustava ao novo ambiente, Tano relembrou seu amigo droide R2-D2 e teve que esconder seus poderes da Força. No dia seguinte, Kaeden contratou Tano para consertar sua debulhadora. Enquanto consertava o maquinário, Tano aprendeu mais sobre a vida de Kaeden, trabalhou como fazendeira e pensou em se instalar na lua remota devido à falta de uma presença imperial. Depois de consertar a debulhadora de Kaeden, Tano explorou a cidade e avistou várias colinas e cavernas próximas, que ela identificou como um possível esconderijo.

Em seu terceiro dia em Raada, Tano aproveitou a oportunidade para explorar as colinas e cavernas que cercavam o assentamento. Ela depois se encontrou com Kaeden, sua irmã Miara Larte e vários amigos locais, incluindo o fazendeiro Tibbola, o líder da equipe de trabalho Vartan, e os gêmeos Hoban e Neera da cantina de Selda, que tinham a melhor comida no assentamento. A cantina era de propriedade do barista Togruta, Selda, e dirigida pela mulher Sullustana, Malat, que lembrou a Tano o Mestre Jedi Plo Koon. Enquanto socializava com seus anfitriões, Tano soube que Kaeden e Miara eram órfãs que haviam perdido seus pais em um acidente. Vartan adotou as duas garotas. Quando Kaeden perguntou a "Ashla" sobre sua família, Ahsoka alegou que ela foi adotada. Quando Selda perguntou a Tano se ela fazia parte do influxo de alienígenas que haviam migrado dos Núcleos Mundiais, Tano alegou que ela não estava fugindo de nada, mas apenas ansiava por sossego. Selda aconselhou-a a falar com ele ou com Vartan se ela encontrasse alguma mudança.

Com o passar do tempo, Tano tornou-se a mecânica do assentamento e consertou vários debulhadores quebrados e outros equipamentos agrícolas. Kaeden e Miara passaram a considerar "Ashla" como um membro adotivo da família e visitavam Tano regularmente para conversar e entregar presentes, incluindo uma fechadura. Apesar da amizade das irmãs Larte, Tano decidiu que ela estava entediada com a sua nova casa rústica e adotada. Um dia livre, ela empacotou alguns suprimentos e foi meditar nas cavernas sozinha. Tano sentiu uma perturbação na Força e testemunhou a chegada de um Destróier Estelar Imperial acima do povoado. A oficial imperial Jenneth Pilar decidiu explorar Raada como fonte de plantações para as Forças Armadas Imperiais. Apesar de estar em pânico, Tano decidiu que o Império não veio para caçá-la.

Tano viajou para a cantina de Selda e discutiu a chegada do Império com Kaeden e seus amigos. Miara especulou que o Império tinha vindo explorar a possibilidade de cultivar em Raada. A chegada do governo imperial levou à introdução de novas medidas restritivas, incluindo toque de recolher noturno, regras proibindo reuniões de grupos grandes e restringindo as horas de operação, alimentação e álcool das cantinas. Em resposta, Tano aconselhou seus amigos a começar a estocar rações. Enquanto vários funcionários do Império visitaram a cantina, Tano e seus amigos evitaram o contato com os imperiais jogando um jogo de crokin.

Semeando sementes de rebelião

No dia seguinte, Tano foi visitada por uma dupla de stormtroopers que tentaram recrutá-la para a produção de alimentos. No entanto, Tano usou um truque mental para convencer os stormtroopers a não transferi-la. Depois de fugir dos stormtroopers, Tano foi para as cavernas para esconder suas rações. Tano então se dirigiu ao espaçoporto para recuperar sua nave. Depois de pechinchar com um oficial imperial, ela conseguiu esconder seu cargueiro em um barranco próximo. Para garantir uma fuga rápida, ela posicionou o nariz da nave para cima em direção ao céu.

Mais tarde, Tano se encontrou com Kaeden, Miara e os outros fazendeiros na cantina de Selda, onde souberam que Malat e seu marido haviam migrado para Sullust. Tano também aprendeu que o Império havia acrescentado duas horas a cada turno, muito para o ressentimento dos fazendeiros. Tano e suas amigas estavam presentes quando um bêbado Tibbola entrou em uma briga com um oficial imperial. O oficial imperial dominou Tibbola e ordenou que um stormtrooper atirasse no fazendeiro, matando Tibbola. Após o incidente, Tano aconselhou os agricultores a resistir ao Império, diminuindo a produção agrícola, uma vez que não dispunham das armas para expulsar os ocupantes. Ela também incentivou os agricultores a formar um movimento de resistência entre as equipes de trabalho.

Nas duas semanas seguintes, Tano passou seus dias contrabandeando comida, suprimentos médicos e recicladores de água para as cavernas. Tano foi ajudada por Selda e vários vendedores locais. Em resposta à produção lenta, os Imperiais aumentaram os turnos de trabalho dos agricultores sem aumentar as rações de comida, a água e os intervalos. Vartan descobriu que o Império estava cultivando uma nova plantação artificial em Raada que lixiviava os solos do planeta, impedindo que as fazendas cultivassem mais plantações. Isso alimentou o ressentimento local contra o Império, já que Raada tinha pouca terra arável. Tano convenceu Vartan a emprestar-lhe Miara e Kaeden, a quem ela recrutou para a montagem de bombas que seriam usadas para atacar as forças imperiais. Depois de vários dias, Vartan recrutou quarenta fazendeiros, incluindo Hoban, para o movimento de resistência.

Mais tarde, Tano liderou uma equipe formada por Miara, Neera e o Rodiano Kolvin em uma missão para plantar as cargas corrosivas nos caminhantes imperiais armazenados no estaleiro Raadianos. Devido à fraca segurança dos stormtroopers, Tano e sua equipe se infiltraram facilmente no espaçoporto. Enquanto plantava as cargas, Tano descobriu que Miara tinha contrabandeado uma bomba real. Depois de fugir das sentinelas dos stormtroopers, Tano e sua equipe voltaram para a cantina de Selda. Lá, ela descobriu que Vartan tinha enviado Hoban e Kaeden em uma missão não sancionada para atacar o prédio da administração Imperial. Como a revolta foi prematura, Tano instou os fazendeiros a voltar para casa e repudiar qualquer conhecimento do que aconteceu naquela noite. No entanto, Miara se recusou a abandonar sua irmã mais velha. Tano, relutante, concordou em resgatar Kaeden e os outros, mas advertiu Miara a seguir suas ordens e trazer os explosivos.

Uma revolta abortada

Enquanto se dirigiam para o prédio administrativo do governo, Neera revelou que Hoban havia dividido os combatentes da resistência em três grupos e que eles haviam tomado a maior parte dos explosivos e engenheiras. Tano ordenou que Miara se escondesse nas cavernas e que Neera trouxesse os restantes combatentes da resistência para as cavernas. Tano decidiu desativar os tanques imperiais. Quando Miara perguntou a "Ashla" o que ela ia fazer, Tano respondeu que iria para a parte mais densa da luta e evacuar o máximo de pessoas que pudesse. Tano também confidenciou que ela era uma veterana das Guerras Clônicas.

Depois de se separar de Miara, Tano e Neera dirigiram-se ao complexo imperial. Os camponeses mal equipados de Hoban tinham sido repelidos pela artilharia pesada da guarnição e os cinco sobreviventes restantes, incluindo Hoban e Kaeden, foram imobilizados pelo fogo inimigo. Enquanto Neera reunia os agricultores sobreviventes, Tano plantou explosivos atrás dos tanques imperiais. Esses explosivos não destruíram os tanques, mas os imobilizaram. Com o avanço do Imperial parado, Tano aproveitou a oportunidade para levar os cinco sobreviventes para a segurança. Tano conseguiu derrubar um stormtrooper e roubar seu blaster. Enquanto fugiam dos combates, Tano e os agricultores foram bloqueados por uma linha de stormtroopers. Hoban se rendeu, mas foi morto pelos stormtroopers.

Antes que os stormtroopers pudessem executar os sobreviventes remanescentes, Tano usou a Força para arremessar os projéteis dos stormtroopers no chão. Tano e os fazendeiros raadianos então fugiram para as cavernas. Com pouca escolha, Tano revelou sua identidade como ex-aprendiz Jedi para Kaeden e os outros fazendeiros. Kaeden estava zangada com Tano por não revelar sua identidade Jedi desde que ela poderia ter salvado a vida de Hoban. Após a insurreição fracassada, Tano considerou deixar de atrair mais atenção do Império. Enquanto meditava, Tano foi interrompida por Miara, que informou que sua irmã Kaeden havia deixado as cavernas e voltou para a cidade. Tano instruiu Miara a ficar nas cavernas enquanto ela ia encontrar Kaeden.

Enquanto isso, Kaeden voltou para sua casa apenas para ser capturada por oito stormtroopers. Apesar de ser torturada, Kaeden se recusou a revelar o nome de Tano e a localização de seus companheiros rebeldes. Kaeden conseguiu se infiltrar no prédio da administração Imperial e recuperar Kaeden de sua cela. Usando seus poderes da Força, Tano conseguiu levar Kaeden para fora de uma janela alta. Depois de fugir para os arredores, Kaeden disse a Tano que o comandante imperial havia se interessado por ela e aconselhado a deixar o mundo. Kaeden agradeceu a ela por ajudá-los e Tano prometeu que ela voltaria.

Voltando para os Fardi

A presença de Tano em Raada chamou a atenção do Império Galáctico e do senador Bail Organa, um velho amigo dos Jedi. O Império enviou um Inquisidor conhecido como o Sexto Irmão a Raada para tirá-la do esconderijo. Enquanto isso, o senador Bail Organa se interessou pelos relatos da atividade da Jedi em Raada e contatou o capitão Raymus Antilles para recuperar R2-D2 para uma missão secreta, encontrar Tano. Depois de recuperar R2-D2, Organa contratou os pilotos Chardri Tage e Tamsin para encontrar Tano e entrar em contato com ele para marcar um encontro. Organa acreditava que a ex-Jedi seria uma aliada digna no movimento rebelde que ele estava construindo.

Depois de viajar por sete sistemas e ouvir relatos sobre a opressão imperial no mundo natal dos Wookiees, Kashyyyk, Tano decidiu retornar a Thabeska para checar a sensitiva Hedala Fardi. Ao aterrissar no estaleiro Fardi, Tano foi recebida pelo patriarca Fardi, que lhe disse que ela sempre era bem-vinda para trabalhar como mecânica para sua família. O patriarca Fardi também disse a Tano que suas filhas sentiam falta dela e a convidaram para jantar. Tano foi saudada pelo agora cinco anos de idade de Hedala, que confidenciou que ela sentiu uma "sombra" enquanto Tano estava fora. Enquanto jantava, Tano conversou com as velhas irmãs Fardi, Chenna e Makala, sobre a vida, tomando o cuidado de não divulgar suas aventuras em Raada. "Ashla" alegou que ela tinha visto pessoas sofrendo na galáxia, mas não havia nada que ela pudesse fazer sobre isso. Tano também comentou que era difícil para ela se esconder desde que ela se destacou como uma Togruta.

Nos cinco dias seguintes, Tano passou seu tempo trabalhando em um grande transporte Fardi, ligando o motor e instalando um novo compressor. Quando ela conseguiu encontrar tempo sozinha com Hedala, Tano perguntou à menina sobre a sombra. Hedala explicou que nunca viu a entidade, mas podia sentir sua presença. Hedala também mencionou que a sombra desapareceu misteriosamente um dia. Tano acreditava que essa sombra era uma criatura do lado negro, lembrando rumores de um lorde das trevas que servia ao imperador. Essa "sombra" era na verdade o Sexto Irmão, que estava caçando Hedala, mas foi transferida para Raada em resposta às atividades de Tano. Tano cumprimentou Hedala por ficar fora do caminho da sombra e disse-lhe para não mencionar a sombra de suas irmãs. Tano decidiu ficar com os Fardi, já que ela estava segura com eles.

Uma semana depois, Tano solicitou um novo emprego ao patriarca Fardi. Fardi enviou-a para transportar suprimentos para os outros ramos da família Fardi nas outras cidades de Thabeska. Durante seus voos, Tano chegou a suspeitar que os Fardi a estavam usando para contrabandear mercadorias. Mais tarde, Fardi designou suas missões de transporte para o exterior. Enquanto em um voo de rotina, ela resgatou um grupo de seres humanos de uma cápsula de escape. Sua nave havia sido atacado por piratas, que haviam tomado vários reféns. Os humanos faziam parte de uma empresa que havia sido alvo de uma empresa rival competindo por um grande projeto. Tano suspeitava que a empresa rival havia conspirado com os piratas para sequestrar reféns em uma tentativa de levar a empresa à falência. Tano concordou em ajudar os humanos e resgatou seus companheiros dos piratas.

Enredos criminais e rebeldes

Mais tarde, Tano retornou à casa dos Fardi e descobriu que os stormtroopers estavam fazendo uma busca de rotina na casa. Para evitar chamar a atenção do Imperial, Tano alegou que ela havia consertado a nave dos Fardi e o levou para dar uma volta pelo sistema. O patriarca Fardi garantiu a "Ashla" e afirmou que ela era sua mecânica. Tano também falou com Hedala e descobriu que ela não sentiu "sombras" naquele dia. Quando os stormtroopers e seu oficial comandante perguntaram sobre as peças de metal que encontraram em seu quarto, Tano alegou que eles eram apenas "pedaços de lixo" que ela havia pego em vários trabalhos. Os imperiais aceitaram sua história, mas "aconselharam" Fardi a ter cuidado com a associação com elementos criminosos.

Depois que os stormtroopers foram embora, Fardi pediu desculpas por ter Tano envolvida nas atividades de sua família. Fardi confidenciou que estava ciente de que ela estava usando as naves para executar suas próprias missões de misericórdia. Enquanto apreciava seus serviços como mecânica e piloto, Fardi aconselhou Tano a sair para evitar mais complicações com o Império. Sem dizer a Fardi que sua filha mais nova, Hedala, era sensível à Força, Tano disse a ele que ela era especial e que deveria ser cuidadosa com ela. Pensando que Hedala tinha potencial para ser mecânica, Fardi prometeu proteger sua filha mais nova. Antes de sair, Tano abraçou Hedala e disse a ela para evitar as "sombras". Os Fardi permitiram que ela saísse em sua nave.

Tano levou a nave Fardi para um mundo pequeno e escassamente povoado no sistema Thabeska. No entanto, ela foi seguida por uma nave de um agente do Sol Negro, que tinha vindo para extorquir créditos dela pelos danos que suas atividades de contrabando com os Fardi infligiram em suas operações. Para pagar essas "dívidas", o agente do Sol Negro ofereceu-lhe um emprego, mas ameaçou matá-la se ela não aceitasse sua oferta. Tano rejeitou a oferta do agente do Sol Negro e fugiu de volta para sua nave sob fogo. O agente do Sol Negro perseguiu sua nave. Durante o duelo, Tano decidiu colocá-la de lado seu pseudônimo como "Ashla" para o bem e abraçar sua identidade como Ahsoka Tano.

A nave do agente conseguiu danificar o motor de estibordo de seu cargueiro. Antes que o navio de Tano pudesse sofrer mais danos, uma nave maior apareceu na atmosfera e afastou a nave do Sol Negro. Tano conseguiu levar seu cargueiro ao espaço, mas queimou o motor da sua porta. Antes que ela pudesse envolver o hiperdrive, ela foi pega no raio trator da nave misteriosa que ela havia encontrado. Esta nave pertencia a Tage e Tamsin, que haviam sido enviados pelo senador Organa para encontrar Tano. Acreditando que a segunda nave fosse hostil também, Tano se armou com cassetetes. Quando Tage e Tamsin entraram no navio pela escotilha, ela os derrubou.

Enquanto caminhava até a ponte para desativar o raio trator, Tano encontrou seu velho amigo R2-D2 na sala de máquinas. R2 disse a ela que agora ele trabalhava para um senador e que Tage e Tamsin tinham sido enviados em uma missão para levá-la para conhecer alguém. O droide também confirmou que o senador era o simpatizante dos Jedi, Bail Organa, e que ele de fato enviara os pilotos para buscá-la. Tano convenceu R2 a liberar o raio trator de sua nave e dizer a todos que ele nunca a viu. No entanto, ela instruiu-o para se certificar de que ela poderia rastrear a nave onde R2 estava. Depois de consertar sua nave, Tano deixou a nave de Tage e se escondeu em uma das pequenas luas que orbitavam o planeta onde ela havia encontrado o agente do Sol Negro. Depois que R2-D2 transmitiu as coordenadas da nave de Tage, ela dormiu a bordo de seu cargueiro.

Um novo aliado

Depois que o senador Organa chegou em sua corveta CR90, Tantive IV, Tano vestiu uma roupa de pressão e embarcou na nave do Senador através de uma escotilha que R2-D2 havia deixado aberta. Tano surpreendeu o senador Organa em seu escritório temporário. Depois de trocar gentilezas sobre R2-D2, Tano explicou que ela não veio com Tage porque ela desconfiava de qualquer um que empregasse um raio trator antes de dizer um oi. Organa admitiu não contar aos seus pilotos quem ela era para proteger sua verdadeira identidade. Dirigindo-se a ela como "Padawan Tano", Organa disse a Tano que ele estava recrutando pessoas para uma rebelião contra o Imperador, o Império e tudo o que ele representava.

Tano respondeu que ela não era mais uma Padawan e contou os eventos anteriores de Raada a Organa. O senador Organa disse a ela que ela não poderia lutar contra o Império sozinha e lhe ofereceu um lugar na rebelião emergente. No entanto, Tano afirmou que ela não poderia se tornar um comandante novamente devido a suas experiências durante as Guerras Clônicas. Organa respondeu que ele poderia encontrar outro cargo para ela. Tano então disse a Organa que "alguma coisa" estava caçando crianças sensíveis à Força em toda a galáxia. Ela concordou em se juntar à rebelião se Organa concordasse em ajudá-la a proteger as crianças. Organa aceitou sua barganha e disse a Tano que ele precisava de sua ajuda para uma missão em Raada.

Tano concordou com a missão, mas pediu uma refeição desde que ela estava exausta de suas aventuras anteriores. Bail informou que seus contatos no setor de Raada haviam relatado a presença de um novo agente imperial que tinha pele cinza e estava armado com um sabre de luz. Este agente acabou por ser o Inquisidor Sexto Irmão, que estava perseguindo Hedala e agora estava encarregado de erradicar Tano. O Sexto Irmão havia lançado um ataque contra os insurgentes raadianos que se retiraram para as cavernas. Ele recapturou Kaeden, mas matou os outros agricultores, incluindo Kolvin e Neera. Apenas a irmã mais nova de Kaeden, Miara, sobreviveu ao massacre.

Tano opinou que o novo agente imperial era um portador da Força que havia sido enviado pelo Império para caçar Jedi. Ela traçou a chegada do Inquisidor ao interesse imperial em seus "atos de bondade" no setor local. O senador Organa advertiu Tano que o Império poderia estar preparando uma armadilha para ela. Enquanto estudava filmagens do agente imperial no datapad de Organa, Tano descobriu que sua amiga Kaeden havia sido capturada e era obrigada a presidir. Tano entrou em pânico, mas Organa disse a ela para se acalmar. Ele enfatizou que ela precisava descansar e planejar. Organa também assegurou que o Império não machucaria Kaeden porque eles queriam tirá-la do esconderijo. No hangar do Tantive IV, Tano refletiu sobre sua missão com R2.

Quando o Capitão Antilles entrou no escritório para investigar a intrusão de Tano, Organa assegurou-lhe que ela era uma amiga. Tano então descansou em uma sala que o senador Organa havia providenciado para ela. Enquanto dormia, Tano teve uma visão dela adquirindo seu cristal Kyber como um Jedi iniciado no mundo cristalino de Ilum. Depois de descansar, Tano montou dois cabos de sabre de luz das peças de metal que ela havia adquirido em Raada. Tano então se encontrou com o senador Organa e lhe contou sobre seu plano para a missão raadiana.

Evacuação de Raada

Antes da missão em Raada, Tano recusou a oferta de Organa de fornecer apoio, uma vez que preferia trabalhar sozinha. Quando Organa lembrou que muitos dos Jedi que ele encontrou preferiam trabalhar sozinhos, Tano reiterou que ela não era um Jedi. Organa então perguntou o que Tano era, afirmando que ela ainda soava e agia como um Jedi. Tano respondeu que ela iria deixá-lo saber uma vez que ela descobrisse quem ela era. Depois de terminar as modificações em sua nave, Tano descansou antes de partir em sua missão. A caminho de Raada, Tano viajou pelo planeta Ilum. Lá, ela descobriu que o Império estava minando o planeta extensivamente. Tano pensou em voltar ao túmulo falso de Rex para recuperar seus sabres de luz, mas decidiu não fazer.

Depois de chegar em Raada, Tano estacionou sua nave no lado oposto da lua do assentamento principal. Depois de carregar suas armas em uma pequena bolsa de transporte, Tano caminhou por duas horas até o assentamento de Raada. No caminho, encontrou Miara sentada ao lado de uma pequena fogueira. Tano soube que Miara era a única sobrevivente dos fazendeiros que haviam fugido para as cavernas e que o misterioso Inquisidor havia tomado Kaeden como prisioneiro. Tano convenceu Miara a procurar o fogo e vigiar enquanto meditava na Força. Enquanto meditava, Tano decidiu que, embora ela não fosse mais um Jedi, ela ainda usaria seu treinamento Jedi para ajudar as pessoas a lutar contra o Império. Ao se aproximarem do assentamento, Tano descobriu que as plantações imperiais tinham drenado a vida do solo do planeta. Ela disse a Miara para lembrá-la de queimar os campos moribundos se eles tivessem uma chance. Miara também informou a Tano que o Império não estava forçando os agricultores a trabalhar durante todo o dia. Enquanto Tano se dirigia para o complexo Imperial, ela instruiu Miara a encontrar Selda ou Vartan e dar-lhes o holo que ela havia gravado no hiperespaço.

Enquanto se aproximava do complexo do Império, Tano encontrou o Sexto Irmão, que a insultou sobre sua amizade com Kaeden, zombando de Tano por violar o Código Jedi formando apegos. O Inquisidor a atacou com seu sabre de luz giratório de duas lâminas, mas Tano se esquivou dele usando a Força. O sexto Irmão tentou desconectar sua arma e lutar contra ela com duas lâminas. Apesar de não ter seus sabres de luz, Tano usou a Força para revigorar sua mão enquanto tocava o cabo de seu sabre de luz. O punho de espada se quebrou e o Inquisidor foi morto pela explosão que se seguiu. Tano sentiu pena do inimigo caído e fechou o capacete como um sinal de compaixão. Ela então pegou os cristais de kyber do seu sabre de luz do Inquisidor e usou a Força para curá-los da presença do lado negro, fazendo com que eles ficassem brancos.

Armada com seu novo par de sabres de luz brancos, Tano deu um pulo usando a Força para o complexo do Império e abriu caminho até as sentinelas da tropa de assalto até a cela de Kaeden. Tano também conseguiu libertar os outros prisioneiros no processo. Depois de se reunirem, Tano e Kaeden foram para a cantina de Selda. Quando Kaeden perguntou sobre o plano de Tano, Selda assegurou-lhes que Miara havia transmitido a mensagem de Tano e que Vartan estava evacuando os fazendeiros. Tano disse aos fazendeiros que ela havia contatado um "velho amigo". Em resposta, Kaeden disse que entendia que Tano havia mentido para mantê-los seguros enquanto o Inquisidor mentia porque gostava de sofrer. Depois de tratar os ferimentos de Kaeden, Tano saiu da cantina para encontrar vários A-Wings de Organa bombardeando o complexo imperial.

Pouco tempo depois, Organa desembarcou em vários transportes e navios de carga, que procederam à evacuação dos agricultores. Tano levou Kaeden, Selda e Miara para o Tantive IV. Quando o Capitão Antilles disse que precisavam evacuar logo, Tano respondeu que as A-Wings de Organa estavam cuidando dos combatentes imperiais. Depois de assistir à evacuação das irmãs Larte, Tano ajudou na evacuação dos agricultores remanescentes, que contavam com menos de cem. Três tanques imperiais apareceram e começaram a bombardear as naves e civis. Usando seus poderes da Força, Tano pulou no tanque de ataque e cortou seu canhão com seu sabre de luz. Ela então abriu a incubação e puxou o piloto para fora. Tano então destruiu os controles do tanque e sobrecarregou o canhão.

A explosão resultante derrubou o tanque nas proximidades, desativando o mecanismo de flutuação. Tano cortou a arma e deixou que ela batesse em uma casa. Tano então foi para o terceiro tanque, mas foi incapaz de impedir que ele explodisse Vartan e um grupo de refugiados. Enfurecida, Tano usou a Força para fazer com que a torre do tanque implodisse. Ela então cuidou do Vartan ferido e levou-o para o Tantive IV. Depois de evacuar o último dos refugiados, Tano e seus aliados rebeldes partiram em suas naves. Uma vez a bordo, Tano consolou Kaeden, ferido. Quando Kaeden gemeu que ela não deveria ter ouvido seus sentimentos, Tano a assegurou que Jedi cometera aquele erro. Tano expressou confiança de que ela seria capaz de lidar com a galáxia e prometeu se encontrar com Kaeden novamente.

Se juntando a Rebelião

Após a evacuação de Raada, Tano entrou clandestinamente a bordo do Tantive IV para marcar uma reunião com o senador Bail Organa. Ela ouviu uma conversa entre o senador e sua jovem filha adotiva, a Princesa Leia Organa. Depois de trocar gentilezas, Organa confidenciou que o Império esperava usar sua imagem como um homem de família para garantir sua conformidade. Quando Tano perguntou se ele se preocupava com sua filha, Organa respondeu que ela tomou conta de sua mãe. Quando Tano perguntou o que Organa estava fazendo para lutar contra o Império, ele informou a ela sobre o relatório brilhante do Capitão Antilles sobre a evacuação de Raada. Houve quinze baixas, incluindo quatorze evacuados e um piloto de A-Wing. No entanto, a equipe médica de Antilles conseguiu salvar o Vartan.

Tano também confidenciou que o Inquisidor que ela encontrou não era o último que existia. Enquanto o Inquisidor tinha algum treinamento, ela observou que ele confiava principalmente na força bruta e não tinha as habilidades de um Jedi. Organa prometeu fazer o que pudesse e depois perguntou sobre Raada. Tano explicou que os fazendeiros não poderiam voltar porque o Império acabaria com a superfície da lua. Organa concordou em reassentar os refugiados raadianos em Alderaan. No entanto, Tano respondeu que os agricultores queriam se juntar à rebelião. Bail concordou em reinstalar os agricultores em um planeta agrícola e treinar pilotos e soldados.

A pedido de Organa, Tano mostrou-lhe os seus novos sabres de luz. Ela disse a Organa que havia adquirido os cristais de sabre kyber do Inquisidor. Ela explicou que os cristais haviam sido anteriormente vermelhos porque haviam sido corrompidos pelo lado negro quando aqueles que os empunhavam os curvaram à vontade, fazendo com que os cristais "sangrassem". Tano especulou que os cristais de kyber haviam sido saqueados do antigo Templo Jedi. Tano também comentou que sua ex-amigo Barriss Offee, apesar de toda sua traição e atrocidades, estava certa de que os Jedi e a República haviam adotado a abordagem errada das Guerras Clônicas. Organa comentou que o ex-chanceler Palpatine tinha sido um manipulador habilidoso.

Aparições

Por tipo [Esconder]
Personagens Criaturas Modelos de droides Eventos Lugares
Organizações e títulos Espécies sencientes Veículos e naves Armas e tecnologia Miscelânea

Personagens

Modelos de droides

Eventos

Lugares

Organizações e títulos

Espécies sencientes

Veículos e naves

Armas e tecnologia



Advertisement