Este artigo detalha um assunto considerado cânon.

Clique aqui para ir ao artigo da Star Wars Wiki sobre a versão Legends desta página.

Vader's revelation.png
Não. Eu sou o seu pai!
Este artigo ou seção contém spoilers de The Clone Wars: Sétima Temporada
A Star Wars Wiki pode se basear em fontes internacionais para este artigo.
Star Wars The Rise of Skywalker.png
Ninguém realmente se vai.
Aviso! Essa página contém SPOILERS de Star Wars Episódio IX: A Ascensão Skywalker. Se você não quer ver spoilers, deixe esta página agora!

"Você é o Escolhido. Você restaurou o equilíbrio deste mundo. Continue neste caminho e você fará isso de novo... para a galáxia. Mas siga... o seu... coração..."
―Últimas palavras do Pai, para Anakin Skywalker[fonte]

Anakin Skywalker foi um Humano sensível à Força, que logo se tornou um Cavaleiro Jedi da República Galáctica ao ser considerado o Escolhido da Força. Durante as Guerras Clônicas, suas realizações como comandante no campo de batalha lhe proporcionaram o apelido de Herói Sem Medo. Depois de se voltar para o lado sombrio da Força, ele ficou conhecido como Darth VaderLorde Sombrio dos Sith e aprendiz do Imperador Darth Sidious. Como um Lorde Sith, Vader se voltou contra seus antigos companheiros e perseguiu os sobreviventes Jedi da Ordem 66 que quase extinguiu a ordem. Ele se tornou um executor do Império Galáctico, que trabalhou para esmagar a Aliança pela Restauração da República por se opor ao governo de seu Mestre Sith. No entanto, apesar de suas ações como Darth Vader, um vislumbre do lado luminoso da Força permaneceu no antigo Anakin Skywalker.

Skywalker nasceu no ano 41 ABY antes de se mudar para o planeta da Orla Exterior Tatooine durante a Era da República. Embora ele tivesse uma mãe, a escrava Shmi Skywalker, a verdade sobre seu parentesco era que Anakin não tinha pai—levando o Mestre Jedi Qui-Gon Jinn a suspeitar que o nascimento de Skywalker era o trabalho dos midi-chlorians. Reconhecendo a conexão sem precedentes do menino com a Força, Qui-Gon estava determinado a ver Anakin sendo treinado como um membro da Ordem Jedi, cuja tarefa acabou sendo atribuída a seu Padawan Obi-Wan Kenobi após a morte de Qui-Gon em 32 ABY. Na década seguinte, Anakin se tornou um dos mais fortes Jedi da história galáctica. Enquanto ele era atencioso e compassivo, seu medo da perda foi, em última análise, o catalisador de sua queda. Ele eventualmente se apaixonou pela Senadora Padmé Amidala, com quem casou em segredo logo após o início da guerra, mas em contra-partida, perdeu sua mãe em Tatooine—logo após a mesma se casar com Cliegg Lars—o que o deixou abalado emocionalmente. Durante as Guerras Clônicas, Anakin treinou uma Padawan, Ahsoka Tano, que finalmente deixou a Ordem Jedi depois que ela foi acusada de um ataque terrorista ao Templo Jedi. A perda de Ahsoka afetou Anakin em um nível pessoal, fazendo com que ele se sentisse mais isolado e amargo em relação ao Alto Conselho Jedi. Com as Guerras Clônicas chegando ao fim, Anakin sucumbiu às tentações do lado sombrio, acreditando que os Sith tinham o poder de salvar a vida de sua esposa Padmé, de uma possível morte no parto de seus filhos. Batizado de "Darth Vader" por seu novo Mestre Darth Sidious, o mais novo Lorde Sith atacou o Templo Jedi de Coruscant, matando vários Cavaleiros Jedi e iniciados da Ordem. Depois de assassinar os líderes da Confederação de Sistemas Independentes, Vader foi confrontado em Mustafar por seu antigo amigo e mentor, Obi-Wan Kenobi, resultando em um duelo de sabres de luz que deixou Vader queimado e mutilado. Como consequência de sua derrota, ele foi reconstruído como um ciborgue dependendo de uma armadura de sustentação da vida, distanciando ainda mais a personalidade de Vader da de Anakin. Além disso, a morte de Padmé no parto quebrou o coração do Cavaleiro Jedi, deixando-o mais mental e fisicamente.

Ao longo dos Tempos Sombrios, o ex-Anakin Skywalker trouxe medo à galáxia como o executor do Imperador Darth Sidious. No entanto, apesar de sua profunda imersão na escuridão, Vader nunca conseguiu matar completamente o lado de si mesmo que era Skywalker. Seu confronto com seu filho, o aspirante a Cavaleiro Jedi Luke Skywalker, durante a Guerra Civil Galáctica, despertou a compaixão dentro do Lorde Sith, fazendo com que Vader renunciasse sua lealdade aos Sith, a fim de salvar Luke da ira do Imperador. Ao matar seu mestre, Vader sofreu danos críticos em sua armadura, tornando sua morte inevitável. Resignado a seu destino, seu desejo de morrer era ver seu filho com seus próprios olhos pela primeira e última vez. No final, ele morreu não como Darth Vader, mas como Anakin Skywalker, o Escolhido que trouxe equilíbrio para a Força destruindo os Sith. Seu destino cumprido, a consciência de Anakin foi capaz de continuar além da morte devido ao seu sacrifício e redenção, permitindo-lhe viver em espírito ao lado de seus falecidos mentores Jedi, Obi-Wan Kenobi e Yoda. No entanto, o legado de Vader também sobreviveu através de Kylo Ren, seu neto pela Princesa Leia Organa—irmã gêmea de Luke e também filha de Anakin. Como descendente de Vader, Ren acreditava que era seu destino completar o legado de seu avô: a aniquilação da Ordem Jedi, se tornando mestre dos Cavaleiros de Ren, e aprendiz de Snoke, o Líder Supremo do grupo sucessor do Império, a Primeira Ordem.

Índice

Biografia

Juventude

"Se ele tivesse nascido na República, seria identificado mais cedo. A Força nele é incomum e poderosa, isso é evidente. Quem é o pai dele?"
"Não houve pai. Eu o gerei, dei a luz e o criei. Eu não sei como explicar."
―Qui-Gon Jinn e Shmi Skywalker sobre Anakin — (audio)Ouça (arquivo)[fonte]

Anakin enquanto criança.

Acreditava-se que foi concebido pelas midi-chlorians[16], Anakin Skywalker nasceu da escrava Shmi Skywalker. Anakin e sua mãe eram originalmente de Gardulla a Hutt até que ela os perdeu para o Toydariano Watto em uma aposta de corrida de pods quando Anakin tinha 3 anos. Os dois se mudaram então para o mundo desértico de Tatooine. Carinhosamente apelidado de "Ani", ele trabalhou na loja de Watto em Mos Espa.[6]

Mesmo quando jovem, o Skywalker mostrou ter habilidades de pilotagem excepcionais e construiu o protocolo droide C-3PO, criado especialmente para resistir à areia e ao calor de Tatooine, sendo feito para ajudar sua mãe em casa.[17][6]

As peças que Anakin encontrou.

Uma vez, enquanto ele estava trabalhando no quintal de Watto, Anakin encontrou um servomotor quebrado que ele pensou que poderia reparar e usar no droide que ele estava construindo, e pediu a seu mestre a permissão para fazê-lo. Com um olhar duvidoso, Watto viu que aquilo inútil e com um grunhido ele disse que poderia, mas quando Skywalker se afastou, Watto lhe avisou que nada era de graça e que ele trabalharia mais no dia seguinte.[16] Ele teve alguns amigos como seus companheiros escravos Kitster Banai e Wald, bem como alguns idosos, como Jira. Ele também construiu seu próprio podracer.[6]

Em algum momento, Watto disse a Anakin para ir e jogar fora algumas sucatas fora. Ao olhar para aquilo, Anakin encontrou uma célula ultra poderosa, exatamente o que ele precisava para seu pod. De repente, um grupo com um membro Devaroniano atacaram as ruas e atiraram no gerador do centro médico. Quando Anakin examinou para ver se ele conseguia reparar, viu que precisava de uma célula de poder. Então, ele pegou a dele e salvou o centro médico. Uma semana depois, Anakin participou de uma corrida de pod com Sebulba, que o fez perder por trapaça. Anakin afirmou que, se ele tivesse usado a célula de poder em seu próprio pod, ele teria ganho, mas que era mais importante para o centro médico recebê-la.[18]

Descoberta

"Anakin, a oportunidade está diante de você. A decisão é só sua."
―Shmi Skywalker — (audio)Ouça (arquivo)[fonte]

Anakin e Padmé se conhecem.

Um dia, aos 9 anos, Watto o chamou na loja para ser apresentado a um grupo de compradores, um homem alto, uma jovem mulher, um Gungan chamado Jar Jar Binks e um droide astromecânico chamado R2-D2. Watto pediu para Skywalker cuidar da loja enquanto ele levava o homem, Qui-Gon Jinn, até a peça que ele necessitava para o reparo de sua nave. Skywalker ficou fascinado com a beleza da jovem mulher, Padmé Naberrie, tanto que ele perguntou se ela era um anjo das luas de Iego. Watoo e Jinn voltam, e para a infelicidade do comprador, ele não tinha dinheiro para comprar a peça que precisava, e iria voltar a sua nave. Skywalker se dirigiu ao caminho de casa após limpar a bagunça que Jar Jar Binks deixou na loja, até que ele encontra o próprio Binks, que estava sendo atacado por Sebulba depois que o desajeitado Gungan havia interrompido a refeição do piloto. Conseguindo interromper a briga, Skywalker cumprimentou Naberrie e o resto do grupo quando chegaram para ver o que estava acontecendo, e ele convenceu o grupo a segui-lo até o carrinho de frutas de Jira nas proximidades. No caminho, Skywalker alertou que uma tempestade de areia muito forte estava chegando, e insistiu que o grupo despreparado fosse com ele para sua casa até a tempestade passar.[6]

Quando eles chegaram na casa de Anakin, ele apresentou o grupo a sua mãe e explicou sobre a tempestade de areia, então, ele levou Naberrie para o seu quarto para mostrar seu projeto. Ela ficou realmente impressionada com o trabalho de Skywalker em um droide modelo 3PO, que o próprio Anakin fez e apelidou de "C-3PO". Então, ele ligou o droide e mostrou que ele funcionava, e também contou sobre as corridas de pod que ele participava, e sobre o pod que estava construindo. O grupo ficou com os Skywalkers enquanto a tempestade de areia continuava, e durante o jantar, Anakin começou a explicar a vida como um escravo, embora uma breve conversa entre Naberrie e Shmi sobre a escravidão levou Anakin ao tema da corrida de pods. Skywalker também perguntou a Jinn sobre seu sabre de luz e o que ele estaria fazendo ali, e ele se recusou a acreditar na declaração do Jedi de que ele não estava lá para libertar os escravos. À medida em que conversavam, o grupo revelou sobre a Espaçonave Real de Naboo e seu estado danificado, Skywalker se ofereceu para correr na corrida de Clássico de Boonta Eve para que Jinn pudesse receber o prêmio em dinheiro. Quando sua mãe se opôs, Anakin lembrou a Shmi de sua crença de que as pessoas precisavam se ajudar um ao outro, convencendo-a para permitir que Anakin corresse para Jinn. Na manhã seguinte, Jinn e os outros acompanharam Skywalker até a loja de Watto, e o menino começou a contar ao seu dono sobre a proposta de Jinn, o que não deixou Watto muito feliz. Para acalmá-lo, Jinn colocou sua nave como a taxa de inscrição e convenceu o Toydariano a considerá-la como garantia da entrada da Skywalker na corrida, em troca de dividiriam os ganhos cinquenta e cinquenta. Watto aceitou o acordo e Skywalker foi enviado imediatamente com instruções para verificar o pod de Jinn. Enquanto Skywalker trabalhava em seu pod, seus amigos Banai e Wald e mais alguns outros chegaram, mas Wald, e os outros ficaram céticos com as chances do Skywalker vencer e deixaram Anakin e Banai de lado. Anakin usou um pacote de energia que Jinn pegou da loja de Watto para completar o pod, e o grupo ficou animado para testemunhar os motores ativando e funcionando perfeitamente. Naquela tarde, Skywalker sofreu um corte em seu braço, embora ele não tenha notado isso até mais tarde naquela noite, quando Jinn tentou cuidar do ferimento, ele tomou uma amostra de seu sangue. Antes que o Skywalker pudesse fazer com que Jinn lhe dissesse o que estava fazendo com o sangue dele, sua mãe o chamou dentro de sua casa para dormir.[6]

A corrida de Boonta Eve

"Lembra-se, concentre-se no agora. Sinta, não pense. Use seus instintos."
"Vou usar."
"Que a Força esteja com você."
―Qui-Gon Jinn para Anakin Skywalker antes da corrida — (audio)Ouça (arquivo)[fonte]

Anakin correndo com seu pod.

Na manhã seguinte, Anakin e o grupo de Jinn foram para a corrida de pods, onde encontraram Watto, que revelou ter apostado em Sebulba. Qui-Gon o questionou sobre sua confiança em Skywalker, e Watto disse que apesar de confiar nele, acredita que o menino não venceria, e então eles resolvem fazer uma aposta. Enquanto isso, Skywalker se preparava com Banai, onde ele revelou a Padmé que nunca havia ganhado uma corrida antes, mas que sente que desta vez iria conseguir.[6]

A corrida estava prestes a começar, e antes de dar início, Sebulba tentou sabotar o pod de Anakin enquanto ele estava distraído. Quando a corrida tem início, Skywalker teve problemas em ligar o pod, mas quando conseguiu, recuperou várias posições. A corrida continuou e aos poucos, os concorrentes de Anakin foram sendo eliminados graças as trapaças de Sebulba e dos obstáculos o circuito oferecia. Perto do fim, Anakin teve problemas com o pod graças a trapaça de Subulba antes da corrida começar, mas o jovem Skywalker conseguiu recuperar o controle e passar Sebulba, vencendo a corrida.[6]

Shmi se separando de seu filho.

Anakin cumpriu a promessa de dar o dinheiro a Qui-Gon e seu grupo, possibilitando que eles comprassem a peça necessária. Mais tarde, Jinn revelou que a aposta que fez com Watto liberasse o jovem Skywalker da escravidão, e que ele era livre para vir com eles e tentar ser um Jedi na República. Qui-Gon já havia conversado na noite anterior com Shmi sobre o fato de Anakin ter um número grandioso de midi-chlorians e que ele poderia ser facilmente reconhecido como um futuro Jedi se tivesse nascido lá. Anakin aceitou ir, mas teve uma difícil despedida com sua mãe, já que Jinn não tinha conseguido negociá-la com Watto.[6]

Quando estavam prestes a partir com a nave, o Sith Darth Maul os atacou. Ele estava os espionando a um certo tempo e Qui-Gon foi forçado a lutar contra ele, mas a luta não durou muito, pois Jinn conseguiu fugir rapidamente.[6]

De frente ao Conselho Jedi

"Medo é o caminho para o lado sombrio. O medo leva a raiva, a raiva leva ao ódio, o ódio leva ao sofrimento... muito medo eu sinto em você."
―Yoda, para Anakin Skywalker — (audio)Ouça (arquivo)[fonte]

Skywalker na frente do conselho Jedi.

Mais tarde naquela noite, a bordo da nave que Skywalker logo soube que era a espaçonave pessoal da Rainha do planeta Naboo, ele tentou dormir na câmara central, já que a temperatura da nave era muito diferente do calor constante de Tatooine que ele estava acostumado. Enquanto ele se aconchegava em silêncio, Anakin viu Naberrie entrar em uma sala e assistir uma gravação de um pedido de ajuda do oficial de Naboo, Sio Bibble. Ela logo lhe notou e o cobriu. Os dois conversaram sobre a invasão da Federação de Comércio e Padmé disse que esperava que o Senado Galáctico da República pudesse resolver a crise. Skywalker deu-lhe um pingente de madeira de marfim que ele havia esculpido para ela, para que Padmé se lembrasse dele, e ao se lembrar de sua mãe, a mulher o consolou.[6]

Quando finalmente chegaram à capital da República de Coruscant, Skywalker ficou surpreso quando se aproximaram do planeta-cidade, e a nave foi recebida quando desembarcou pelo Supremo Chanceler Finis Valorum, o Senador Palpatine de Naboo e um contingente do Senado. Guardas da rainha e suas servas—incluindo Naberrie—foram com Palpatine, mas levaram Skywalker e Binks junto com eles até o escritório de Palpatine, onde os deixaram do lado de fora enquanto discutiam a situação.[6]

Antes de ir ao Templo Jedi, Skywalker foi até os aposentos da rainha em busca de Padmé, mas a rainha disse que ela havia saído, e o garoto afirma que apenas queria se despedir, a rainha então promete dizer a Padmé que ele esteve ali. Sem o conhecimento de Skywalker, a rainha era de fato a própria Padmé. Com base no que ele viu em Tatooine, Qui-Gon Jinn acreditava que Anakin Skywalker era o Escolhido da profecia que, como se previa, traria "equilíbrio à Força"; Jinn revelou sua crença e os resultados do teste midi-chlorian de Anakin para os membros do Alto Conselho Jedi antes de trazer o menino para a consideração da aptidão dele para a vida como um Jedi. No Templo Jedi, Skywalker conheceu os doze Mestres Jedi do Conselho. Mace Windu então começou a testar as habilidades de Skywalker, pedindo-lhe para determinar quais imagens estavam aparecendo em uma tela que o Jedi estava segurando, mas que o garoto não podia vê-las. Anakin foi capaz de nomeá-los todos com precisão perfeita, no entanto, quando Windu e Mestre Yoda começaram a questioná-lo sobre seus sentimentos e sua mãe, Skywalker perguntou se isso era realmente relevante. Yoda explicou que o medo era o ponto de entrada no caminho para o lado sombrio. O velho mestre Jedi disse que sentiu muito medo em Skywalker.[6]

No fim da noite, Qui-Gon e Obi-Wan Kenobi foram chamados ao Templo Jedi. Lá, todos concordaram que Skywalker tinha muito potencial, mas devido a sua idade, eles se recusaram a dar treinamento a ele, e Qui-Gon diz que ele pessoalmente o treinaria. Yoda o questiona já que ele já tinha Kenobi como aprendiz, mas o Jedi diz que Kenobi, em breve, não vai mais precisar de um mestre. Windu no entanto alega que os problemas em Naboo são maiores, e que eles precisam resolvê-los antes de tomar qualquer decisão dessas. O Conselho por fim, permitiu que Skywalker acompanhasse Qui-Gon, e os três voltaram para a nave da Rainha, onde Skywalker questionou Jinn sobre midi-chlorian. A rainha e sua comitiva partiram pouco depois, deixando Coruscant e voltando para Naboo, na esperança de libertar o mundo da Federação de Comércio.[6]

Primeira Batalha de Naboo

"Isso sim é uma corrida de pods."
―Anakin Skywalker, após destruir a nave que controlava os droides de Naboo[fonte]

Quando saíram do hiperespaço e se aproximaram do sistema de Naboo, Skywalker sentou-se na cadeira do segundo-piloto onde Olié estava controlando a nave, e descobriu mais sobre os controles dela. Enquanto isso, a Rainha Amidala se reunia com os Jedi e sua equipe afirmando sobre suas intenções de se aliar aos Gungans para expulsarem a Federação de Comércio de Naboo. O grupo pousou nos pântanos de Naboo e enviou Binks para a cidade de Otoh Gunga, capital de Gungan. Quando Binks finalmente retornou, ele contou que Otoh Gunga estava vazia, mas levou o grupo para o lugar sagrado de Gungan, onde os Gungans haviam fugido após a invasão da Federação de Comércio.[6]

Quando o grupo foi levado perante ao Chefe Rugor Nass, o líder dos Gungans, Skywalker ficou surpreso ao saber que Naberrie era de fato Padmé Amidala, a Rainha, e que ela estava fingindo ser uma serva apenas como uma precaução de segurança. As aldeões Skywalker, Jedi e Amidala juntaram-se à rainha, ajoelhando-se diante do Chefe Nass, em uma demonstração de confiança para os Gungans. Nass riu e concordou em emprestar seu exército à causa da rainha. Nas horas que se seguiram à reunião, Amidala e os Jedi começaram a criar estratégias com os generais Gungan, deixando Skywalker passando no lugar até os sentinelas Gungan que estavam vigiando o retorno do capitão Panaka.[6]

Anakin na Batalha.

Anakin foi um dos membros do grupo que, liderado por Amidala, conseguiram recapturar o Palácio Real de Theed. Quando o grupo entrou na baía do hangar Theed, Skywalker obedeceu Jinn ao mandá-lo ficar escondido dentro de um dos caças N-1 que estavam no hangar, junto a R2-D2. Quando vários Droidekas encurralaram o grupo de Naboo, começando um tiroteio, Skywalker tentou ajudá-los com os canhões blaster do N-1, embora acidentalmente tenha ativado a nave para ir ao espaço no processo. Após acidentalmente se juntar à batalha em órbita, Skywalker destruiu a nave de controle dos droide com a ajuda de R2-D2, tornando assim as forças terrestres da Federação de Comércio inativas e salvando o Grande Exército Gungan da destruição. A celebração seguinte, no entanto, foi marcada pela morte de Qui-Gon pelas mãos de Darth Maul.[6]

Anakin durante a celebração em Naboo.

No entanto, durante o funeral do Mestre, Obi-Wan lhe garantiu que iria cumprir o último desejo de Qui-Gon: treiná-lo para ser um Jedi. Os Naboo e os Gungans mais tarde se reuniram em Theed para celebrar sua mais recente aliança, e Anakin participou já como Padawan de Kenobi.[6]

Padawan de Kenobi

"Sua educação é... complicada. Ele veio a nós mais tarde do que normalmente gostaríamos. Obi-Wan começou uma tarefa muito difícil quando aceitou que Anakin fosse seu Padawan."
―Mace Windu para Sheev Palpatine, sobre o treinamento de Skywalker[fonte]

Enquanto ele crescia, as habilidades excepcionais de Skywalker o tornaram arrogante,[7] mas mesmo assim ele idolatrava Kenobi,[19][8] pensando que não havia ninguém melhor que seu mestre.[20] Durante uma de suas muitas aventuras, Anakin salvou seu mestre depois que este caiu em um ninho de gundarks.[7] Durante seu tempo como aprendiz de Kenobi, Skywalker desconfiava dos Mestres que o corrigiam, se questionando se eles estavam ajudando-o ou simplesmente colocando-o em seu lugar, sabendo que muitos deles não o queriam treinando desde o começo. Ele achou difícil fazer amigos, já que seus companheiros Padawans estavam cientes dos rumores de ele ser o Escolhido. Muitas vezes solitário, ele geralmente passava seu tempo livre em seus aposentos mexendo com máquinas que encontrava em viagens fora do Templo Jedi. Ele também nutria um ressentimento persistente em relação ao destino de sua mãe.[21]

Missão para Dallenor

Algum tempo depois de sua chegada na Ordem, Anakin estava meditando com seu mestre enquanto também mantinha peças unidas usando a Força. No entanto, quando o Mestre Tosan informou seu mestre que ele tinha uma missão do Conselho, a concentração de Anakin se rompeu devido à surpresa de sua partida novamente. A missão era ir a Dallenor para que ele pudesse coletar um antigo holocron Jedi de um local de escavação. Obi-Wan disse Anakin que ele estaria de volta em breve enquanto o mesmo treinaria com Yoda, entretanto, Anakin ficou descontente com a decisão de ser deixado para trás, reclamando que ele teria que estar na classe com as 'criancinhas' e que ele estava muito à frente delas em seu treinamento. No entanto, ele obedeceu e passou seu tempo com os Jedi iniciado, embora não se divertisse. No entanto, após algum incentivo de Yoda, Kenobi levou Skywalker junto com ele na missão em uma nave espacial T-6.[22]

Anakin ficou feliz por finalmente estar no espaço novamente e perguntou se poderia pilotar a nave, no entanto, Obi-Wan disse que ele poderia quando eles se aproximassem de Dallenor. Skywalker perguntou como era a vida de Obi-Wan antes de se juntar à Ordem Jedi. Kenobi disse a ele que não se lembrava já havia sido levado muito jovem. Anakin, infelizmente, expressou que ele sempre foi um Jedi e nada mais. Kenobi tentou tranquilizá-lo dizendo que ele ainda precisava treinar e era um Padawan quando os dois se conheceram. No entanto, Anakin não estava convencido e afirmou que sua vida já estava definida para seu Mestre e que ele não era outra coisa, ao contrário dele próprio que era um escravo. Skywalker concluiu que este deve ser o motivo pelo qual o Conselho Jedi disse que ele era velho demais para ser treinado. Obi-Wan tentou tranquilizá-lo novamente dizendo que o Conselho não era perfeito e que Qui-Gon Jinn o escolheu como ele escolheu Obi-Wan. Anakin, irritado, levantou-se e proclamou que o mestre de Kenobi estava morto e que agora era Obi-Wan quem estava preso com ele. Antes que Kenobi pudesse tranquilizar Anakin, o mesmo se afastou.[22]

Ao chegar em Dallenor, Obi-Wan e Anakin encontraram uma arqueóloga Togruta chamada Clatriffe. Ela estava feliz que eles chegaram para que pudessem levar o holocron embora devido ao fato de que estava causando problemas. Ela explicou que os piratas locais queriam obtê-lo e ela teve que contratar guardas locais para mantê-los afastados. Obi-Wan ordenou a Anakin que ficasse do lado de fora para vigiar enquanto ele e Clatriffe entravam nas instalações para obter o holocron. Depois que eles entraram, Skywalker notou que os piratas haviam chegado.[22]

Anakin e Obi-Wan em Dallenor.

Kenobi, Skywalker e Clatriffe saíram para encontrá-los e foram apresentados aos Krypder Riders e seu líder Hudso Shaku, que sabiam que o holocron era algo importante devido a pessoas de fora que queriam obtê-lo. Kenobi afirmou que eles vieram em paz, mas estavam dispostos a se defender. Ele ativou seu sabre de luz ao qual Shaku ordenou que seus piratas o atacassem por ter achado a espada laser mais valiosa do que as coisas que eles desenterraram. Obi-Wan rapidamente desarmou os piratas, mas, enquanto Skywalker congelou devido à rapidez do ataque, Shaku o capturou colocando sua espada sob o queixo. Ele ordenou uma troca, o menino pelo sabre de luz, mas foi derrubado por Anakin usando a força para atacar Shaku com pedrinhas. Com Shaku inconsciente e as armas piratas destruídas, eles se renderam aos Jedi.[22]

Na viagem de volta para casa, Obi-Wan elogiou Anakin por seu grande trabalho em sua primeira missão. Skywalker, no entanto, exclamou que ele congelou e não estava pronto para uma missão, embora acreditasse no contrário. Kenobi o assegurou que era ele quem não estava pronto. Ele admitiu que como não pôde salvar seu mestre da morte, como ele poderia salvar seu Padawan. Anakin, com confiança renovada, afirmou que eles salvariam um ao outro e é isso que Qui-Gon queria. Obi-Wan concordou e depois lembrou do pedido de Anakin sobre pilotar a nave.[22]

Treinamento no Templo

Aos 12 anos em 29 ABY, Anakin construiu seu primeiro sabre de luz no planeta Ilum;[9] depois de sua construção, Kenobi disse a ele: "Anakin, esta arma é sua vida".[23][24]Três anos depois da Batalha de Naboo, Anakin quis impressionar seus colegas no Templo Jedi. Durante uma sessão de treinamento, ele derrotou um droide de treinamento que ele havia programado para imitar a aparência do Sith de Naboo. Enquanto isso, Mace Windu, Kenobi e o Supremo Chanceler Sheev Palpatine assistiam—o último ficou bastante impressionado.[25] Algum tempo depois, Skywalker sofria para aprender a habilidade de domar animais quando Kenobi o informou que o Chanceler queria vê-lo. Os dois chegaram ao seu escritório, onde Palpatine pediu que Skywalker o acompanhasse em uma tarefa, recusando a companhia de Kenobi. Sozinho, Anakin escortou Palpatine para o Clube Kasakar no Nível 2685, enquanto escutava Palpatine expressar preocupação com a situação nos níveis sub-superfície de Coruscant,[20] a inabilidade dos Jedi de responder eficientemente,[26] e a corrupção que afligia o Senado, como Colandrus—sutilmente marcando o começo de sua influência sobre Skywalker, que não se apercebia.[19] Ao fim de seu passeio, Palpatine perguntou se Anakin estava feliz do jeito que estava. Embora o garoto tenha respondido que sim, e que "treinar para [se] tornar um Jedi [era] tudo o que queria", o questionamento plantou a semente da dúvida em sua mente.[26]

Depois, no Templo Jedi, Anakin confessou a Obi-Wan que queria deixar a Ordem, se sentindo desconfortável com a perspectiva de que sua vida inteira havia sido decidida quando ele tinha apenas nove anos de idade, e deu seu sabre de luz para seu mestre. Apesar de ter aceitado a arma, Obi-Wan implorou que o jovem reconsiderasse sua escolha.[26]

Missão em Carnelion IV

"A estrada está a sua frente, Anakin Skywalker. Você irá trilhá-la sozinho?"
"Não, Mestre. Como um Jedi, se você me mostrar o caminho."
―Obi-Wan Kenobi e Anakin Skywalker, após a missão em Carnelion IV[fonte]

Antes que Skywalker pudesse dar sua resposta final sobre deixar a ordem, a pedido de Yoda, tanto o aluno quanto o mestre responderam a um misterioso pedido de socorro em um mundo supostamente morto, Carnelion IV, que especificamente pedia a intercessão dos Jedi. Eles começaram sua jornada indo até as coordenadas, mas sua nave foi danificado devido ao campo de detritos atmosféricos do planeta e os dois tiveram que ejetar, caindo abaixo do Mar Celadon. Não muito tempo depois, eles perceberam que existia vida no planeta enquanto uma batalha de algumas naves ocorria em cima deles. Kenobi então decidiu devolver seu sabre de luz para que Skywalker pudesse se defender. Quando um dos dirigíveis combatentes começou a cair, ele e Kenobi salvaram duas pessoas de sua tripulação.[25]

Skywalker impede que os "Aberto" e "Fechado" se matem.

Os dois sobreviventes, Kolara e Mãe Pran, que se identificaram como "Aberto", não sabiam nada sobre o que era um Jedi.[25] De repente, eles tiveram que se mover quando um dirigível dos "Fechado" caiu em cima deles; Skywalker salvou seu piloto, Grecker, da morte. Mas devido à rivalidade histórica entre suas facções, Grecker e Pran tentaram matar uns aos outros, forçando Skywalker e Kenobi a destruírem suas armas e escoltá-los até a segurança. Para facilitar sua jornada, eles usaram as partes intactas de cada um de seus dirigíveis para formar um novo, a fim de voar até seus destinos. Durante as conversas que se seguiram, Skywalker mencionou seu objetivo e o de Kenobi no planeta: encontrar a pessoa que enviara o sinal de socorro dos Jedi,[20] que fizeram Pran e Grecker deduzir que eles estavam indo para a localização do "Catador".[19]

Durante a viajem, Kolara disse a Skywalker sobre as pipas misteriosas que sempre traziam algo "bonito", mas sem utilidade, e logo percebeu que Anakin era bom em consertar as coisas, enquanto fazia um ajuste em seu sabre de luz. Kolara e Pran, em seguida, convenceram Skywalker a reparar um saco de chips droide e, vendo sua utilidade, jogaram fora seu sabre de luz e o sequestraram quando uma horda de "pescadores" atacaram o navio, deixando Kenobi sozinho com Grecker enquanto a nave caia abaixo do Mar Celadon. Skywalker foi levado para uma das fortalezas dos Aberto, onde ele viu Pran usando os chips que ele havia consertado para ativar alguns droides de batalha. Quando saíram para fazer continuar a guerra ao seguir os rastros de Grecker e Kenobi, Skywalker permaneceu com os Aberto mais jovens. Eles o contaram sobre o "Catador", que lançava as pipas cheias de "coisas bonitas", e Anakin, ao perceber as intenções do Catador de resgatar o passado de seu povo e acabar com a guerra, convenceu os jovens Aberto a proteger seu passado e antigas tradições se aliando ao Catador, além de ajudá-lo a retornar para Kenobi que já estava a caminho de onde o sinal foi enviado.[27]

Usando a ajuda dos jovens, Skywalker consertou os droides que estavam por lá e interveio na batalha que ocorria entre os Aberto e Fechado ao lado da fortaleza de Sera, a "Catadora". Ele salvou seu mestre da Mãe Pran e se encontrou com Kolara e Sera logo em seguida, mas ao invés de tentar parar a luta, Kenobi fez com que Skywalker consertasse uma unidade de comunicações que Sera possuía para que ele pudesse chamar a República para ajudá-los. Logo, uma força-tarefa chegou e forçou os nativos a cessarem fogo. Após isso, seu mestre ofereceu a Skywalker seu sabre de luz, perguntando se ele ainda queria deixar a Ordem, mas Skywalker decidiu permanecer como membro.[27]

Protegendo Padmé Amidala

"Ani? Olha só como você cresceu!"
―Padmé Amidala para Anakin[fonte]

Anakin e Padmé se re-encontram.

Dez anos após a Batalha de Naboo em 22 ABY, quando a Crise Separatista ameaçou destruir a República Galáctica, Skywalker, agora com 19 anos, e Kenobi foram enviados para resolver uma disputa de fronteira em Ansion. Após seu retorno a Coruscant, uma tentativa de assassinato de Padmé Amidala, agora senadora de Naboo, levou o Conselho Jedi—a pedido do chanceler Palpatine—a enviar Skywalker e Kenobi para proteger Amidala de futuros ataques. Anakin ficou encantado em vê-la depois de tantos anos; ele pensava nela todos os dias desde a separação. Quando Padmé disse que queria saber quem quer vê-la morta, Obi-Wan a explicou que eles estavam lá apenas para proteger sua vida, não para investigar, enquanto Anakin prometeu a Padmé achar o responsável, deixando Obi-Wan aborrecido. Quando Padmé se retirou para seus aposentos, Anakin ficou desapontado, alegando que Padmé mal o reconheceu—no entanto, Jar Jar Binks, que agora era representante do Senado, disse que Padmé estava muito feliz em vê-lo.[7]

Mais tarde a noite, Anakin e Padmé concordaram em um plano para ela se usar de isca para pegar o assassino, Obi-Wan porém, discordou de tal atitude. Anakin disse a ele que Padmé tinha coberto as câmeras em seu quarto, e tinha certeza de que ele sentiria se algo acontecesse lá dentro, no entanto, Kenobi tinha dúvidas sobre o poder de seu Padawan. Pouco depois, quando seu mestre notou que Skywalker estava cansado, o Padawan admitiu que tinha pesadelos constantes sobre sua mãe - ele também revelou seu apego por Padmé. Obi-Wan o advertiu sobre o controle de suas emoções, afirmando que, Padmé é uma política, ou seja, não é confiável. Isso levou os dois a um debate sobre os políticos e sua honestidade, envolvendo Amidala e Palpatine. Enquanto Skywalker expressava sua fé na benevolência de Palpatine, ele sentiu algo no quarto de Padmé. Ele chegou a tempo de cortar dois kouhuns venenosos ao meio, a poucos centímetros do rosto da senadora. Obi-Wan notou o droide do assassino na janela e se jogou para agarrá-lo.[7]

Skywalker e Kenobi perseguindo Zam Wessel.

Anakin foi até os speeders estacionados perto do apartamento de Padmé. Quando o caçador de recompensas, Zam Wesell, derrubou o droide de Obi-Wan, Skywalker salvou seu Mestre em queda livre. Com Kenobi em segurança, o Padawan continuou a perseguição. Ao avistar os Jedi, Wesell desceu seu speeder para os níveis mais baixos de Coruscant. Com os Jedi a perseguindo implacavelmente, Wesell voou através das chamas de exaustão da usina de reciclagem da Companhia Kerdos, esperando que as chamas queimassem seus adversários. Vendo que a dupla sobreviveu a usina e continuou a perseguição, Wesell disparou contra os acoplamentos de uma usina elétrica próxima, fazendo com que o speeder dos Jedi fosse coberto por choques elétricos.[7]

Apesar disso tudo, Skywalker rapidamente alcançou Wesell. O caçador de recompensas levou sua nave para uma rede de skytunnels, tentando despistar os Jedi novamente. No entanto, Skywalker não a seguiu diretamente no túnel, e sim optou por uma rota alternativa. Obi-Wan questionou Anakin sobre esse tal "atalho", afirmando que ele a perderam, mas apenas alguns minutos depois, Skywalker notou o aerossol do caçador de recompensas abaixo deles, e saltou, segurando-se firme na parte traseira alça do speeder. Skywalker, no entanto, largou o speeder após Wesell abrir fogo nele, embora não antes de dar uma boa olhada nela, onde ele deduziu que Zam não era apenas uma mulher, mas também um transmorfo (ele brevemente viu a verdadeira forma de Wesell quando ela se assustou com o Jedi). O Jedi acendeu seu sabre de luz e cortou o pára-brisa, desligando os sistemas de direção. Durante essa breve luta, Wesell disparou no sabre de luz fazendo-o cair da mão de Anakin, mas o recuperou. O airspeeder começou a despencar em direção à superfície, colidindo perto do Outlander Club. Wesell saiu do local do acidente e entrou no clube.[7]

Antes de entrarem no Outlander Club, Obi-Wan devolveu o sabre para Anakin, o adivertindo que deveria ter mais cuidado. Lá dentro, eles se separaram e, logo em seguida, a transmorfo tentou atacar Obi-Wan pelas costas, sendo derrotada pelo mesmo. Quando eles a levaram para fora, Anakin foi mais agressivo no interrogatório que seu Mestre. Wesell revelou que foi contratada por um outro caçador de recompensas porém, antes que pudesse revelar seu nome, ela levou um tiro de dardo tóxico no pescoço, a matando.[7]

Posteriormente, a dupla foi enviada em missões separadas pelo Conselho—Skywalker, em sua primeira missão solo, protegeria Amidala em Naboo, enquanto Kenobi continuaria uma investigação sobre os agressores de Amidala que, mais tarde, o levaram a Kamino.[7]

Retorno a Naboo

"Eu entendo, mas... não tem que ser desse jeito. Poderíamos manter em segredo."
"Viveríamos uma mentira. E não resistiríamos, mesmo que quiséssemos. Não posso fazer isso. Você pode, Ani? Conseguiria viver assim?"
"Não. Tem razão, nos destruiria."
―Anakin Skywalker e Padmé Amidala, sobre manterem um relacionamento amoroso em segredo — (audio)Ouça (arquivo)[fonte]

Durante seu tempo em Naboo, Anakin e Padmé declararam seu amor um pelo outro, apesar de entenderem seus deveres com a República.

Padmé achou mais seguro ficarem em Naboo, sua casa. Enquanto esteve com ela, Skywalker enfrentou conflitos internos onde teve que escolher entre seu comprometimento com a ordem Jedi e seu amor por Amidala.[7]

Ele acabou por se declara a Padmé, que negou querer se envolver de tal forma com Anakin, mesmo que sentisse o mesmo, para o bem de seu futuro como Jedi. Durante suas noites em Naboo, Skywalker também foi atormentado por pesadelos com sua mãe sofrendo. Quando Padmé soube, ela quis levá-lo a Tatooine para garantir que sua mãe estivesse bem.[7]

Chegando lá, Skywalker e Amidala se re-encontraram com Watto, que revelou ter vendido Shmi a uma fazendeiro chamado Cliegg Lars. Ele também disse que o fazendeiro acabou se apaixonando e libertando a mãe de Anakin, se casando com ela em seguida. Os dois foram até a casa dos Lars, e Skywalker conheceu seu meio-irmão Owen Lars, seu padrasto Cliegg, além de se re-encontrar com C-3PO, o antigo droide que o próprio Skywalker construiu para ajudar sua mãe em casa. Eles revelaram a Anakin que Shmi havia sido raptada pelo Povo da Areia a cerca de mês, e provavelmente estaria morta naquele instante. Frustrado, Anakin pegou a moto de seu irmão e foi atrás de Shmi. Após passar a noite em busca de informações, Skywalker encontrou a aldeia do Povo da Areia, e sua mãe presa em uma das cabanas. Ela já estava gravemente ferida e prestes a falecer, mas antes, conseguiu reconhecer seu filho e dar-lhe adeus. Enfurecido, Anakin matou todos, incluindo as mulheres e crianças da aldeia.[7]

Na manhã seguinte, um funeral foi feito para Shmi, e Anakin revelou a Padmé sua raiva e o que fez naquela noite, culpando Obi-Wan e os Jedi por terem o reprimido, acreditando que poderia salvar sua mãe se não o fizessem. Amidala tentou acalmá-lo, alegando que ele era apenas um humano, e que estava com raiva. De volta a nave, agora com C-3PO, RD-D2 revelou um vídeo que Obi-Wan havia enviado para que Anakin retransmitisse ao Conselho. Este vídeo mostrava o Jedi afirmando ter uma grande conspiração entre os Separatistas e vários clãs e sistemas importantes da galáxia. A mensagem foi seguida de um ataque de droides e com Obi-Wan desaparecendo.[7]

Geonosis

"Você chama isso de solução diplomática?"
"Não, eu chamo isso de negociações agressivas."
―Anakin Skywalker e Padmé Amidala[fonte]

Anakin e Padmé na primeira Batalha de Geonosis.

Com Amidala insistindo em salvar Obi-Wan, ela e Skywalker partiram para o planeta Geonosis, onde eles entraram em uma das fábricas—onde o sabre de luz de Anakin foi destruído—mas foram capturados e colocados junto com Obi-Wan na arena Petranaki para serem executados por bestas. Entretanto, o trio conseguiu derrotar as criaturas, mas foram logos cercados por droidekas sob as ordens de Conde Dookan.[7]

Porém, uma equipe de ataque de Jedi, liderada por Mace Windu, chegou para resgatá-los. Mesmo assim, eles acabaram perdendo o combate contra os droide de batalha B2, até que Mestre Yoda chegou com o recém-criado Grande Exército da República e conseguiu resgatar com segurança os sobreviventes—icluindo Skywalker, Kenobi e Amidala—nas LAAT/i. Enquanto uma batalha acontecia entre o exército clone e o Exército Droide Separatista, o trio seguia Dookan em uma speeder. Entretanto, a nave que os transportava foi atingida, o que fez com que Amidala e um soldado fossem derrubados. Anakin ordenou que a nave pousasse para que eles resgatassem os dois, mas Obi-Wan negou o pedido, dizendo que seu aprendiz deveria deixar os sentimentos de lado e seguir com a missão. Inicialmente, Skywalker não daria ouvidos, mas Kenobi fez o jovem se colocar no lugar de Padmé, que, de acordo com eles, seguiria a missão. Assim, os dois chegaram a um hangar secrete, onde eles engajaram o Conde em um duelo.[7]

Anakin e Padmé se casaram secretamente em Naboo.

Anakin e Obi-Wan foram derrotados por Dookan; Kenobi sofreu ferimentos pequenos, Skywalker teve seu braço direito decepado. Então, Yoda chegou ao hangar e lutou contra o Conde, até que Dookan conseguiu escapar em seu veleiro solar. Skywalker recebeu um braço cibernético para substituir seu braço perdido e, enquanto Obi-Wan retornava a Coruscant, Anakin escoltou Amidala para Naboo, onde eles secretamente se casaram, com as únicas testemunhas sendo os droides R2-D2 e C-3PO.[7]

As Guerras Clônicas

"Você lutou nas Guerras Clônicas?"
"Sim. Eu era um dos Cavaleiros Jedi, assim como seu pai. [...] Ele era o melhor piloto estelar dessa galáxia, e um guerreiro astucioso. [...] E era um bom amigo."
―Luke Skywalker e Obi-Wan Kenobi sobre Anakin Skywalker[fonte]

Depois de sua ascensão ao ranque de Cavaleiro Jedi, Anakin se tornou um General no Grande Exército da República durante as devastadoras Guerras Clônicas. A 501ª Legião foi colocada sobre seu comando durante grande parte da guerra, com Capitão Rex[28] sendo seu primeiro em comando e o Destróier Estelar classe Venator Resoluta como sua nave de comando pessoal, sobre o comando do Almirante Wullf Yularen.[10][29] Ele também construíra um novo sabre de luz para substituir aquele que ele perdera em Geonosis.[8][10]

Batalha de Arantara

"Um verdadeiro líder sempre lidera da frente."
―Anakin Skywalker, para o Capitão Rex[fonte]

Anakin Skywalker participou da Batalha de Arantara. Em algum momento da batalha, o Capitão Rex ficou ferido e inconsciente. Depois de ser encontrado por Anakin, Rex ficou surpreso ao ver que ele havia voltado por ele. Skywalker respondeu que se fosse em seu lugar faria o mesmo, e que um verdadeiro líder sempre liderava de frente.[30]

Batalhas no setor Corvair e Kudo III

Predefinição:Cotar

Anakin se tornou um respeitado Cavaleiro e General Jedi durante as Guerras Clônicas.

Anakin liderou vários de seus bombardeiros e combatentes contra os Separatistas no setor Corvair. Depois de derrotar os combatentes Separatistas, Skywalker conversou com o Almirante Yularen a bordo da Resoluta. Yularen confirmou que o contingente Separatista veio da fundição dos droides em Kudo III. Anakin concordou em atacar a fundição rapidamente antes da chegada dos reforços Separatistas. No entanto, ele não aprovou as altas baixas do ataque que incluíam os Kudon locais. Yularen sugeriu que eles fizessem um ataque cirúrgico no gerador da fundição.[31]

Anakin conversou com o agora Mestre Jedi Obi-Wan sobre seu plano de ataque, que lembrou seu antigo Padawan de confiar em seus sentimentos e na Força. ANakin levou R2 com ele a bordo de seu interceptador e foi para Kudo III. Depois de pousar, ele entrou na fundição e viu o Kudon sendo usado por trabalhadores escravos. Anakin lutou contra os droides de batalha e libertou a fábrica. Ele então foi capaz de convencer os Kudon a se armarem e lutar contra os droides de batalha. A missão foi um sucesso, e Anakin retornou a bordo da Resoluta.[31]

Batalha de Christophsis

"Você é imprudente, pequenina. Jamais poderia ser Padawan de Mestre Kenobi… mas talvez possa ser a minha."
―Anakin Skywalker para Ahsoka Tano, após a Batalha de Christophsis — (audio)Ouça (arquivo)[fonte]

Anakin pilota a nave furtiva contra a Invencível.

Anakin e seu antigo mestre, Obi-Wan Kenobi, receberam a tarefa do Conselho Jedi de romper o bloqueio Separatista em Christophsis e ajuda o Senador Alderaaniano Bail Organa em sua ação filantrópica no planeta. Com suas forças inferiores ao bloqueido, Obi-Wan apresentou a Anakin uma nave furtiva com um dispositivo de camuflagem que permitia que a nave passasse pelo bloqueio despercebida, e ordenou que Anakin a usasse para entregar suprimentos para Organa. Acompanhado por Almirante Wullf Yularen, Skywalker decidiu por batalhar a Invencível diretamente, a nave capital do Almirante do bloqueio, Trench, para direcionar sua atenção para ele ao invés de Organa na superfície.[32]

Desativando a camuflagem, Anakin lançou torpedos contra a Invencível, mas o ataque foi repelido pelos escudos termais. Depois de conseguir com sucesso evadir do fogo de retorno de Trench, o Almirante enviou uma mensagem em frequência aberta, avisando Skywalker que ele já havia enfrentado esse tipo de nave antes, e que ele deveria recuar antes que fosse destruído. Usando informações fornecidas por Obi-Wan, Skywalker concluiu que Trench usaria a assinatura magnética da nave para rastreá-la e destruí-la, então ele desativou a camuflagem mais uma vez e disparou outra rajada de mísseis. Então Trench travou a mira no sinal magnético da nave e disparou torpedos seguidores. Conforme planejado por Anakin, ele então deu potência máxima aos motores da nave e voou em direção à ponte de comando da Invencível, com os mísseis teleguiados logo atrás, o que levou à destruição da nave capital Separatista. Depois de derrotar Trench, Skywalker levou os suprimentos a Organa e Obi-Wan e o restante da frota da República batalharam o bloqueio Separatista.[32]

Depois de furar o bloqueio, Kenobi se juntou a Skywalker e o resto das forças da República na superfície de Christophsis, onde eles, juntos, planejaram uma armadilha no exército droide, mas foram emboscados antes pelos droides, e foram forçados a recuar. Cientes da possibilidade da existência de um traidor entre eles, a dupla Jedi decidiu ir atrás das linhas a fim de obter informação, deixando para o Capitão CT-7567 e para o Comandante Cody descobrirem o traidor. Ao chegar na base Separatista, os Jedi encontraram Asajj Ventress, e eles duelaram até usarem STAPs para voltar para a base da República. Ao chegarem, Cody e Rex haviam aprendido Sargento Slick como o agente duplo.[33]

Ahsoka se apresenta a Anakin e Obi-Wan durante a Batalha de Christophsis.

Enquanto a batalha ocorria, as forças da República conseguiram forçar os Separatistas a uma recuada temporária, mas a necessidade de reforços era evidente. Ao invés de reforços, porém, uma jovam Togruta chamada Ahsoka Tano chegou com uma mensagem do Mestre Yoda dizendo para eles retornarem a Coruscant para uma nova missão e se apresentou como Padawan de Anakin Skywalker, o que surpreendeu o Cavaleiro Jedi. A ameaça iminente Separatista tornou impossível eles deixarem o posto deles naquele momento, então Skywalker e Tano (que ele logo apelidou de "Abusada") se infiltraram atrás das linhas inimigas para destruir o gerador do escudo defletor enquanto Obi-Wan e as forças republicanas ganhavam o máximo de tempo possível. Embora tiverem de lutar contra alguns droides no caminho, a dupla conseguiu destruir o gerador, permitindo que a República conseguisse vencer definidamente a batalha. Apenas com o fim da batalha é que Anakin aceitou a responsabilidade de ensinar sua nova aprendiz.[34]

Batalha de Teth

"Então é aqui que a diversão começa."
"Quem chegar primeiro vence."
"Vou te dar uma vantagem."
"Azar o seu."
―Ahsoka Tano e Anakin Skywalker[fonte]

Assim que Yoda chegou com reforços, Anakin, Obi-Wan e Ahsoka foram informados de que o filho de Jabba Desilijic Tiure, Rotta, fora sequestrado, e Skywalker e Tano deveriam ir a Teth para procurar pelo pequeno Hutt, enquanto Kenobi iria conversar com Jabba em Tatooine.[34]

Anakin e Ahsoka lutam enquanto sobem o desfiladeiro para chegar ao mosteiro.

Com um tempo limitado por uma única rotação planetária para entregar Rotta a Jabba, Anakin e sua Padawan pousaram em Teth, onde eles foram atacados por droides de batalha. Lutando enquanto subiam um penhasco onde ficava o mosteiro. Uma vez lá dentro, eles descobriram que foi Asajj Ventress que havia raptado o Hutt. Com muito esforço, a dupla Jedi conseguiu capturar Rotta e escaparem abordo de uma fragata leve G9 classe Rigger, a Crepúsculo.[34]

Skywalker e Tano se dividem em Tatooine.

A dupla percebeu que ajuda havia chegado e eles planejavam chegar a um Destróier Estelar para ajuda, pois o pequeno Hutt estava adoecido. Infelizmente, a nave foi destruída, forçando Anakin e Ahsoka a levar Rotta ao pai por conta própria. Ao chegarem em Tatooine, eles foram atacados por MagnaGuarda IG-100s e, embora eles derrotaram os droides, a Crepúsculo foi abatida, o que os forçou a andar pelo deserto. Optando por se dividir no Mar de Dunas, Tano levou Rotta para o Palácio de Jabba, enquanto Anakin foi confrontado por Conde Dookan. Depois de um breve duelo, Anakin pegou a speeder de Dookan para resgatar sua Padawan, sabendo que ela estava em perigo, mas ele chegou no Palácio antes de Ahsoka, e Jabba disse a ele que Rotta não foi entregue e que ele seria morto. Nesse momento, a Senadora Amidala contactou o Hutt e o informou de que seu tio Ziro estava envolvido na trama do sequestro, bem a tempo de Ahsoka chegar com Rotta, resolvendo a questão para Jabba.[34]

A Malevolência

Quando as notícias sobre a destruição da frota do Mestre Jedi Plo Koon no sistema Abregado chegaram até eles, Skywalker e sua Padawan partiram para resgatar ele e qualquer outro sobrevivente, apesar de suas ordens de se encontrar com a frota de Kenobi. Embora ele tenha sido enviado em um comboio com outras naves, o próprio Anakin e a Ahsoka usaram uma pequena nave Crepúsculo para ir aos destroços da frota de Koon, resgatando ele e três outros clones, que lhes informaram sobre uma nova super arma Separatista, um canhão de íons que era controlado por um cruzador classe Subjugador chamado Malevolência, comandado pelo próprio General Grievous. Eles logo foram descobertos no meio dos destroços e tiverem que correr por suas vidas com a pequena nave Crepúsculo quando Grievous tentou destruí-los usando o mesmo canhão de íons que destruiu a tropa de Koon. Com a ajuda de R2-D2, Anakin conseguiu salvá-los antes que a nave recebesse algum dano, e retornaram a frota de Kenobi.[35]

Enquanto preparava um contra-ataque, Skywalker soube de um ataque Separatista a um comboio médico se dirigindo ao centro médico Republicano perto de Naboo. Ele, junto ao Mestre Plo Koon, lideraram o Esquadrão Sombrio em direção a base, acreditando ser o próximo alvo da Malevolência. Para pegar um atalho, Skywalker recomendou passarem por uma enorme nebulosa que antigos contrabandistas falavam sobre em Tatooine. Ao contar a Ahsoka e Koon o nome dela, Fuga de Balmorra, Plo Koon pediu para o Jedi voltar, já que era onde os mantídeos gigantes de Neebray viviam. Logo, os monstros passaram pelo Esquadrão, que teve problemas em se esquivar. Assim que saíram da nebulosa, a Malevolência também chegou do hiper-espaço quase ao mesmo tempo, lançando um forte ataque ao Esquadrão Sombrio e eliminando quase metade dele. Skywalker então pediu para concentrarem os ataques no canhão de íons do inimigo. O ataque foi bem-sucedido, não só destruindo o canhão de íons, como o hiperpropulsor da Malevolência. Após isso, Obi-Wan apareceu no sistema com naves de apoio enquanto Skywalker escoltava seus homens ao centro médico, levando Grievous a tentar bater em retirada. Dentro do centro médico, Nala Se agradeceu Anakin pelas vidas que salvou, mas o Jedi se preocupava mais com as vidas que se perderam.[36]

Anakin e Padmé contra frotas de droides na Malevolência.

Enquanto tentava fugir da frota de Obi-Wan, Grievous capturou a senadora Amidala, que entrou no sistema com a crença de que foi enviada para negociar com o Executivo Supremo do Clã Bancário InterGaláctico, sendo que na verdade era uma armadilha. Ordenando que suas naves cessassem fogo, Skywalker e Kenobi embarcaram na Malevolência para resgatá-la. Enquanto estava lá dentro, Anakin sabotou o sistema de navegação de nave para fazer com que colidisse com a Lua se o hiperpropulsor fosse consertado e ativado, antes de escapar da Malevolência ao lado de Amidala e Kenobi.[37]

Após a batalha em que um grupo de clones da Estação Rishi impediu um ataque surpresa contra Kamino, Skywalker e Kenobi deram medalhas a dois de seus sobreviventes, os recém-chegados Echo e Fives, com Skywalker os recebendo no 501ª Batalhão.[38]

R2-D2 perdido

"Então deixa eu entender direito, Anakin. Você arriscou sua missão, todos os seus homens, e até sua Padawan, para salvar um droide?"
"R2 encontrou o posto de escuta, e salvou nossas vidas. Não podíamos deixá-lo lá, Obi-Wan."
"Ah, Anakin, um dia desses..."
―Obi-Wan Kenobi e Anakin Skywalker[fonte]

Após uma das bem-sucedidas emboscadas de Grievous em Falleen, Skywalker tentou impedir o ciborgue de tomar seu setor e planejou uma emboscada para as forças separatistas enquanto passavam pelo campo de asteroides de Bothawui. Colocando os ET-TTs nos asteroides próximos, ele conseguiu destruir as fragatas separatistas e forçar Grievous a se retirar na Desalmada, resultando em uma perseguição com Skywalker. No entanto, fragmentos das fragatas separatistas destruídas danificaram a nave de Anakin, que foi salvo por Rex ao custo de perder R2-D2. Embora ele foi fornecido com um novo droide astromecânico, R3-S6, Skywalker ficou triste com a perda de seu amigo e não quis pegar o novo droide, sentindo algo suspeito em sua lealdade. Em vez disso, ele lançou uma busca, vasculhando o campo de batalha; incapazes de encontrar R2-D2, Anakin, Ahsoka e R3-S6 embarcaram em uma nave próxima, a Garra de Vulture, apenas para sair de mãos vazias já que Gha Nachkt, dono da nave, conseguiu enganar Skywalker fazendo-o acreditar que não estava com R2-D2, sendo que na verdade ele planejava dar o droide a Grievous.[39]

Skywalker contra um MagnaGuarda IG-100.

Após descobrirem que Grievous tinha um ponto de escuta onde ele interceptava suas conversas, Skywalker e Ahsoka procuraram o tal ponto quando receberam um estranho sinal enviado por R2-D2. Ele vinha da nave de Nachkt, que estava dentro do ponto de escuta que procuravam em uma estação Separatista. Skywalker contactou Obi-Wan e o atualizou, que pediu para Anakin entrar na estação e eliminar R2-D2, algo inaceitável para o Cavaleiro Jedi. Ao entrar no esconderijo de Grievous, Ahsoka e os clones cuidaram de sabotar a nave enquanto Anakin foi procurar por seu droide. Eventualmente ele achou R2-D2 com um grupo de droides Separatistas, Skywalker derrotou eles e o salvou. Com o ponto de encontro marcado no hangar da nave, eles se dirigiram para lá até perceberem que Ahsoka ficou para lutar contra Grievous. Quando Anakin tentou ir ajudá-la, R3-S6 se revelou como um espião e os prendeu no hangar, soltando droides contra ele e os clones.[40]

Após lidarem com os droides Separatistas e se re-encontrarem com Ahsoka, Anakin, Rex e R2-D2 fugiram da estação Skytop, explodindo-a. Ao se reportar a Obi-Wan, o Mestre Jedi ficou furioso com a atitude de seu antigo Padawan, arriscando vidas por um droide. Em uma conversa com Ahsoka onde ela questionou o mesmo que Obi-Wan, Skywalker assumiu que ele vê R2-D2 como um amigo, e não um simples droide.[40]

Capturado em Florrum

Skywalker: "Deve ter mais paciência, mestre. Afinal, o Conde já tem certa idade e não tem a mesma agilidade de antigamente."
Kenobi: "Acho que você tem razão."
Dookan: "Eu mataria os dois agora se depois não tivesse que arrastar seus corpos."
―Anakin e Obi-Wan brincam sobre Dookan durante a fuga[fonte]

A prisão de Dookan confirmada por Anakin e Obi-Wan.

Juntamente com Kenobi, Skywalker liderou uma tentativa perto de Vanqor para capturar o Conde Dookan, onde Anakin se deixou ser capturado pela fragata de classe Munificent do Conde. Logo, ele foi levado para uma cela de prisão, apenas para Kenobi o resgatá-lo. Os dois Jedi então perseguiram Dookan, que escapou em seu veleiro solar, com um ônibus de transporte da classe Sheathipede. Depois de receber golpes diretos em seu ônibus espacial, eles foram forçados a pousar no planeta. Em uma caverna próxima, os dois Jedi começaram a caçar Dookan, mas o Lorde Sith os emboscou causando um súbito colapso de pedras na entrada da caverna. Enquanto Dookan escapou de lá, os Jedi tentaram abrir uma saída, apenas para quase sucumbir ao gás venenoso liberado de um bolso preso na caverna. Eles foram salvos na hora certa, quando Ahsoka e um esquadrão de soldados clones apareceram por perto.[41]

Mais tarde, quando o Supremo Chanceler Palpatine e seus representantes foram contatados por Hondo Ohnaka sobre um troca de reféns após seus piratas terem capturados o Conde Dookan, Anakin e Obi-Wan foram designados a checarem se o Conde de fato estava vivo, na condição de irem desarmados. Os Jedi foram juntos de Ohnaka até o prisioneiro, onde eles zombaram de Dookan por ter sido pego, e o Lorde Sith os avisou para não subestimar os Weequay. Logo, Skywalker e Kenobi foram convidados para uma "festa" pelos piratas, apenas para acabarem dopados e presos junto a Dookan.[41] Apesar de várias tentativas de escapar por conta própria, o Representante Binks conseguiu resgatá-los, embora a missão veio à custa da vida do senador Kharrus e da fuga de Dookan.[42]

Quell e Maridun

"A batalha é inevitável."
―Anakin para Tee Watt Kaa[fonte]

Anakin gravemente ferido.

Enviados como reforços para a Amazona Jedi Aayla Secura e o Comandante Bly durante a batalha de Quell, Skywalker, Tano e Rex ajudaram na evacuação do cruzador de Secura quando ele caiu sob grande fogo Separatista. Ao se encontrar com Secura, uma explosão furiosa percorreu o cruzador, e Skywalker se sacrificou para salvar os outros, ferindo-se gravemente no processo. Tano e Secura arrastaram Skywalker para a fragata de evacuação, onde ele recebeu tratamento médico para seus ferimentos. Enquanto se preparavam para atracar com o Resoluta, uma emboscada de vários droides fez com que o hyperdrive da nave se ativasse, enviando-os para o espaço profundo. Depois de evitar uma estrela, eles caíram em Maridun, onde Skywalker ficou sob os cuidados de Rex, enquanto Secura, Tano e Bly pediram ajuda aos nativos. Rex defendeu Skywalker de vários mastiff phalone raivosos até que Tano chegou de volta com Bly e um Lurmen curador Wag Too.[43]

Logo após a sua chegada, as forças separatistas desembarcaram no planeta, e o líder dos Lurmen Tee Watt Kaa acusou os Jedi de trazer a guerra para o seu planeta pacífico, ordenando-lhes que partissem imediatamente. Embora o fizessem, os Jedi voltaram para a aldeia de Lurmen após descobrirem sobre o objetivo sinistro dos Separatistas—testar sua nova super arma, o desfolhador, nos Lurmen. O grupo montou um gerador de escudo para proteger a aldeia da explosão da arma, bem como das ondas de droides de batalha. Quando seu escudo foi destruído e o desfolhador foi recarregado para outro tiro, Skywalker conseguiu desarmar a arma antes de capturar o General Separatista Lok Durd. Os Jedi então deixaram o planeta, agora novamente pacífico, em vários cruzadores da República enviados por Yularen.[44]

Orto Plutonia

"...e esta é a zona tropical do planeta."
"Bem diferente de Tatooine, com certeza."
―Obi-Wan e Anakin em Orto Plutonia[fonte]

Anakin em Orto Plutonia.

Depois de perder o contato com um posto avançado da República em Orto Plutonia, Anakin Skywalker, seus droides C-3PO e R2-D2, e Obi-Wan Kenobi foram enviados para investigar a situação junto a um esquadrão de tropas de assalto sob o comando do Capitão Rex, além da companhia da Senadora de Pantora Riyo Chuchi e o Presidente Chi Cho. Skywalker e Kenobi investigaram o posto avançado após a misteriosa morte de todos os seus soldados clones, e os dois Jedi deduziram que todos os clones haviam sido assassinados, mas não por droides de batalha, uma vez que outra base separatista vizinha também havia sido atacada. A dupla seguiu suas pistas até um desfiladeiro próximo, onde encontraram uma aldeia habitada por Talz, que explicou que eles estavam apenas tentando proteger sua casa como traduzida por C-3PO. Atuando como mediador, Kenobi propôs uma reunião de paz entre os Talz e o Presidente Cho, mas este recusou-se a dividir a lua com os Talz e declarou guerra, apesar dos esforços dos Jedi para trazer a paz. Quando uma batalha entre os clones e os Talz ocorreu, a Senadora Chuchi se reuniu com a Assembléia de Pantora e pediu para a retirada de Cho. A batalha chegou ao fim quando Cho foi morto, e Chuchi ofereceu um acordo aos Talz para compartilhar a lua com eles.[45]

Vírus da Sombra Azul

"Você deve ter muita cautela se—"
"Não temos tempo pra cautela. Minha Padawan está presa lá, e Padmé também—quero dizer, a Senadora Amidala."
―Gregar Typho e Skywalker, com o olhar desaprovador de Kenobi em relação a Anakin[fonte]

Após a petição de Padmé para enviar Skywalker e Kenobi para ajudá-la a confirmar suas suspeitas da presença Separatista em Naboo, a dupla junto a Ahsoka Tano chegaram para descobrir que a Senadora e o Representante Binks foram investigar os pântanos orientais sozinhos. Enviando a jovem Padawan com Peppi Bow para encontrá-los, a dupla Jedi foi informada pelo Capitão Gregar Typho que antes de perder o contato com Amidala, ela os informara da localização do laboratório e das intenções do Dr. Nuvo Vindi de liberar o perigoso Vírus da Sombra Azul na galáxia. Enquanto Tano liderava um ataque na entrada sul, proporcionando uma distração para Kenobi e Skywalker entrarem através das escotilhas sem serem detectados, Anakin confrontou Vindi, que eletrocutou Amidala e Binks para escapar. Depois de salvar a Senadora, Skywalker perseguiu o cientista, capturando-o com a ajuda de Peppi Bow e Kenobi no pântano acima.[46]

Anakin e Obi-Wan com Vindi preso.

Preparados para transportar Vindi até Theed para seu julgamento, eles ouviram um alarme soar abaixo deles no laboratório do doutor. Anakin logo contactou Ahsoka, que lhe disse sobre um droide servo de Vindi ter detonado uma das bombas com o vírus, o liberando no laboratório, e que ela junto com os clones estavam presos em um quarto, assim como Amidala e Jar Jar Binks. Uma vez em Theed, o Capitão Typho disse aos dois Jedi que haviam encontrado um possível antídoto para o vírus, uma raiz de reeksa, mas que só poderia ser encontrado no planeta de Iego. Apesar dos avisos de Typho sobre o perigo da viagem, Skywalker partiu ao lado de Kenobi a bordo da Crepúsculo.[47]

Na chegada, Skywalker e Kenobi foram recebidos por um grupo de droides de batalha B1 inofensivos que haviam sido reprogramados para fazer a vontade de um menino local, Jaybo Hood; ele disse aos Jedi que o planeta estava protegido por uma divindade conhecida como Drol, que não deixaria ninguém que chegasse ao planeta partir novamente, mas ele também os instruiu sobre como recuperar as raízes de reeksa. Embora a planta os atacasse, eles obtiveram a raiz e se despediram de Hood antes de decolar, apenas para serem forçados a voltar atrás depois de encontrar uma rede de lasers—trabalho dos Separatistas. Em sua segunda tentativa, no entanto, eles usaram alguns droides abutre de Hood como distração, fazendo com que Kenobi conseguisse disparar o gerador de laser, liberando os habitantes de Iego. Skywalker e Kenobi então chegaram a tempo de resgatar seus amigos em Naboo.[47]

Batalha de Ryloth

"Foi uma armadilha, Abusada. Você não teve culpa."
"Mas eu perdi tantos pilotos."
"Faz parte, pequena. Esse é o fardo da liderança."
―Anakin Sywalker e Ahsoka Tano[fonte]

Anakin reconfortando Ahsoka.

Durante a batalha por Ryloth, Anakin deu a Ahsoka o comando de um esquadrão para afastar o bloqueio de Mar Tuuk para dar lugar ao ataque terrestre de Obi-Wan, encorajando a Padawan a superar seu nervosismo sobre liderar seu primeiro esquadrão. No entanto, durante a missão, ela desobedeceu as ordens do seu mestre e perdeu muitos homens, pelos quais Skywalker a repreendeu quando ela chegou a Resoluta, mas entendeu suas boas intenções. Anakin relatou suas perdas para Mace Windu e Obi-Wan Kenobi. Ele deu a ela algum tempo para se recuperar, mas informou a ela que eles precisavam prosseguir com o ataque ao bloqueio, o que irritou Ahsoka por ele estar apressando o plano, apesar de suas recentes perdas. Embora ele tenha dito a Padawan para se acalmar em algum lugar, Skywalker teve uma ideia—ele evacuou o Defensor danificado, que ele pilotava sozinho no sistema de Ryloth para distrair os Separatistas, enquanto ele dava total controle de Ahsoka à operação de ataque. No momento em que Turk percebeu o truque, já era tarde demais, pois Skywalker já havia escapado em uma cápsula de escape e deixado o Defensor colidir com a nave de controle de Tuuk; embora Tuuk tenha escapado, Ahsoka destruiu a frota confederada, e Skywalker foi resgatado de sua cápsula de fuga.[29]

Depois de Obi-Wan e seus homens tirarem os canhões de prótons dando espaço para os transportes aterrissem,[48] Windu se dirigia para Lessu com suas forças. Anakin e sua tropa asseguravam o espaço ao redor de Ryloth, forçando os cruzadores separatistas restantes a fugirem. Ele relatou isso em uma conferência holográfica com o Chanceler Palpatine, Yoda, o Almirante Yularen, o Senador Orn Free Taa e Mace Windu. No entanto, o General separatista Wat Tambor logo enviou bombardeiros de classe Hyena para destruir as aldeias de Ryloth e Skywalker os envolveu em seu interceptador, acompanhado por Ahsoka e alguns clones. Antes que Lessu fosse destruído pelas ordens do Conde Dookan, Anakin e Ahsoka os derrubaram. Posteriormente, Tambor foi capturado e a República foi vitoriosa: Ryloth finalmente ficou livre novamente.[49]

Roubo do holocron

Forças da República se retirando de Felucia.

Durante a primeira batalha de Felucia, Anakin Skywalker, Ahsoka Tano e Obi-Wan Kenobi foram recuados pelo Mestre Plo Koon; no entanto, Ahsoka se recusou a voltar, fazendo Obi-Wan e Anakin irem buscá-la, antes que suas forças fossem invadidas por droides. De volta ao Templo Jedi, Skywalker relatou sua desobediência ao Conselho, que a enviou para o dever de guarda dos Arquivos Jedi.[50]

Quando Yoda percebeu que os ladrões chegariam ao Templo, Anakin e Obi-Wan deduziram erroneamente que seus inimigos estavam atrás de seus códigos de transmissão e foram protegê-los, apenas para provar que estavam errados quando localizaram a posição dos intrusos no poço de ventilação. Eles foram direcionados erroneamente para o centro de comunicações, onde escaparam por pouco de uma explosão, e perceberam tarde demais que Cad Bane havia roubado um holocron do Cofre. Além disso, Cato Parasitti revelou que o próximo alvo de Bane era Bolla Ropal, guardião do cristal de memória Kyber, que continha uma lista de todas as crianças sensíveis à Força na República.[50] Anakin então se ofereceu junto a Ahsoka para se encontrar com Ropal. Chegando no sistema de Devaron, descobriram que a frota separatista que havia contratado Bane, já tinha capturado Ropal e o torturado até a morte em um campo de contenção depois que ele desafiadoramente se recusou a abrir o holocron.[51]

Anakin, Ahsoka e Rex embarcaram na fragata classe Muneth de Bane e invadiram sua ponte, onde R2-D2 acessou o computador da nave para localizar Ropal, ou melhor, o cadáver dele. Depois que uma explosão balançou a nave, os Jedi avistaram Bane e o perseguiram em uma armadilha. Depois de um duelo com Ahsoka, o caçador de recompensas a tomou como refém, e Anakin foi forçado a se curvar às exigências de Bane e abrir o holocron. Embora ele o tenha feito, Skywalker sacou seu sabre de luz e pegou o de Ahsoka do chão para atacar Bane. No entanto, o caçador de recompensas o distraiu abrindo a eclusa de ar na cela de Ahsoka e escapando em seguida enquanto Anakin salvava sua Padawan. Eles conseguiram, junto a uma tropa de clones, fugir em um ônibus espacial separatista, após um dos clones aparentemente matar Bane.[51] Depois de pousar na Resoluta, Rex notou sangue Duros no ônibus espacial que havia caído de um suposto clone. Ele se revelou como Bane que, apesar de ser perseguido, conseguiu escapar em um caça V-19. Anakin e Ahsoka retornaram ao Conselho Jedi para relatar seu fracasso.[52]

Anakin e Ahsoka escapando de Mustafar.

Anakin, junto com Obi-Wan, Mace Windu e Yoda, meditaram na esperança de encontrar as crianças que Bane buscava antes que ele as sequestrasse. Pressentindo o futuro, Anakin e Ahsoka foram designados para Naboo para preparar uma armadilha para Bane na cidade de Jan-gwa, capturando-o enquanto tentava sequestrar Roo-Roo Page. Com a verdadeira criança a salvo, a dupla levou Bane à Resoluta, onde Skywalker, Windu e Kenobi interrogaram o caçador de recompensas com um truque mental combinado; exausto, Bane deu-lhes as coordenadas que Kenobi e Windu deveriam seguir, enquanto Anakin relatou os detalhes para Palpatine em Coruscant. Logo, porém, ele se reuniu com sua Padawan e R2-D2 e começaram a examinar o caça de Bane, do qual deduziram das cinzas sobre ele e seu registro de reabastecimento que Bane tinha ido para Mustafar. Com mais nada para fazer, a dupla Jedi partiu na Crepúsculo para o planeta, onde encontraram as crianças. Embora um dos droides tenha levado o prédio a ser destruído na lava sob as ordens de Darth Sidious, Anakin e Ahsoka salvaram as crianças e retornaram a Coruscant. Anakin admitiu ao Conselho que eles foram incapazes de descobrir quem estava por trás dos sequestros, para os quais Yoda aconselhou cautela no caminho à frente.[52]

Batalha de Felucia

Anakin e Obi-Wan ajudando os caçadores de recompensa em Felucia.

Em uma missão para investigar o desaparecimento de uma estação médica em órbita sobre Felucia, o ônibus espacial de Anakin foi atacado por um droide abutre, obrigando ele a pousar no planeta junto de Ahsoka, Obi-Wan e um esquadrão de clones. Presos em Felucia, eles se depararam com uma aldeia agrícola nysillin depois de procurar por um tempo. Eles logo perceberam que os aldeões Felucianos estavam sendo protegidos por um grupo de caçadores de recompensas liderados por SugiEmbo, Rumi Paramita e Seripas. O ancião da aldeia, Casiss, explicou ao trio Jedi que eles tinham contratado os caçadores de recompensas porque os piratas estavam tomando suas colheitas. Depois de algum debate entre eles, Anakin, Obi-Wan e Ahsoka decidiram ajudar os agricultores a se defenderem.[53]

Naquela noite, eles foram visitados pelos piratas, a gangue de Hondo Onaka, que já era familiarizado com Anakin e Obi-Wan graças a captura de Conde Dookan. Ohnaka então disse ao grupo que ele voltaria, mas a essa altura Anakin havia ensinado os Felucianos a lutarem com cajados—embora com o progresso lento de início. Depois de alguns dias, a gangue Ohnaka retornou como prometido, e houve uma batalha entre as facções. Durante o confronto, Skywalker duelou contra Ohnaka, deixando-o pendurado em um penhasco e implorando por misericórdia. Por código, o Cavaleiro Jedi o puxou de lá e Ohnaka percebeu que seus esforços não eram mais lucrativos, deixando o lugar. Ao lado dos caçadores de recompensas, os próprios Jedi partiram logo depois, para chegar ao posto avançado da República mais próximo.[53]

A Fera Zillo

Anakin e R2-D2 fugindo da fera Zillo.

Durante a longa campanha em Malastare, Anakin discutiu com Palpatine (via holograma) e Mace Windu os efeitos da nova bomba de eletro-prótons, e sobre o exército droide Separatista ter preparado um novo ataque—fazendo a República precisar defender os Dugs para garantir um tratado pelo seu combustível. Apesar de extremamente eficaz, a bomba criou uma cratera, que Windu foi investigar, enquanto que Anakin garantiria o tratado com Doge Urus, apenas para Windu chamá-lo para assistência no buraco. Os dois logo descobriram uma criatura gigantesca cuja pele blindada era impermeável até mesmo para os sabres de luz, a Fera Zillo, da qual eles fugiram, apenas para serem informados por Urus que eles queriam a morte da criatura, mesmo que se pensasse que estivesse extinta. Com o uso dos tanques de assalto RX-200 Falchion, as forças da República colocaram a criatura para dormir, convencendo os Dugs que ela estava morta. Com o tratado assinado e Malastare agora um aliado da República, Palpatine ordenou que a besta fosse enviada para Coruscant para estudo, apesar das objeções de Windu.[54]

Depois que a Fera Zillo foi levada para a capital da República, Obi-Wan e Padmé pediram a Anakin para falar com Palpatine sobre o destino da criatura; relutantemente, ele concordou. Quando tanto ele quanto Amidala se encontraram com o Chanceler, Palpatine e o Vice-Presidente Mas Amedda tentaram justificar que matar a besta era para o bem maior—Padmé objetou a suas alegações, mas Anakin optou por permanecer neutro, em vez de se opor a sua esposa ou seu amigo. No entanto, a besta escapou do cativeiro no laboratório da Dra. Boll e atacou diretamente o próprio Chanceler por suas tentativas de matá-lo. Encurralados pela fera, Skywalker e os outros evacuaram seu escritório em seu ônibus executivo, apenas para a fera agarrá-los na decolagem. Eles foram libertados quando Anakin cortou o ônibus pela metade, fazendo com que todos caíssem de lá. A Fera foi finalmente morta quando as aeronaves lançaram gás em sua boca sob as ordens de Palpatine.[55]

Cato Neimoidia

"Espere. Agora devolva meu disco."
"Não se preocupe, Clovis. É bom saber que você tem coração. Eu queria poder devolver o disco, mas acho que você vai até conseguir sobreviver."
―Anakin e Rush Clovis[fonte]

Anakin segurando sua esposa envenenada, enquanto Rush Clovis pede o antídoto.

Depois de voltar ao apartamento de sua esposa para uma noite romântica, Anakin foi chamado de volta ao Templo pelo Conselho Jedi. Acreditando que o senador Rush Clovis fosse um apoiador Separatista, eles decidiram que precisavam de um espião—neste caso, a Senadora Amidala, de quem Clovis era um velho amigo. No dia seguinte, Anakin encontrou Padmé no Senado e a perguntou sobre Clovis, que inicialmente se recusou a dizer até saber se Clovis poderia ser um Separatista. Anakin a acompanhou ao Conselho Jedi, onde os Mestres a encorajaram a descobrir sobre sua possível traição. Depois de saber que ele estava planejando ir para Cato Neimoidia, Anakin se vestiu como o piloto da nave de Padmé e os levou para lá, o tempo todo frustrando as tentativas de Clovis de se aproximar de sua esposa.[56]

Durante a missão, Anakin e R2-D2 esperaram Padmé dar o sinal para quando encontrasse algo de útil envolvendo Clovis e os Separatistas. Quando ela o fez, Skywalker entrou em uma sala, onde viu Padmé e Clovis abraçados com algo na mão de sua esposa. Ela o lançou o disco que Anakin conseguiu pegar com a Força. Mais tarde, efeitos de um veneno dado por Lott Dod à Padmé começaram a ter efeito, o que a fez desmaiar. Mesmo depois de Lott revelar a Clovis que Padmé era uma espiã, ele ajudou Anakin à salvá-la, apesar de pedir o disco em troca—e o mesmo não o ter conseguido de Skywalker.[56]

Segunda Batalha de Geonosis

"Eu sabia que ainda estavam vivas. Eu disse pra não desistirmos delas."
"Não que eu tenha desistido, Skywalker, mas diferente de você, quando chegar a hora, estou preparada pra libertar minha aprendiz."
―Anakin Skywalker e Luminara Unduli[fonte]

Planejando a segunda batalha de Geonosis.

Imediatamente após o encaminhamento dos Separatistas perto de Dorin, Anakin e Ahsoka foram enviados para participar da Segunda Batalha de Geonosis, ao lado de Obi-Wan Kenobi e Ki-Adi-Mundi, enquanto a República retornava para destruir a fábrica de droides dos Geonosianos. Com a intenção de fazer um ataque triplo contra o gerador de escudo, Skywalker, Tano e a 501ª Legião atacaram as linhas de defesa Separatistas do sul para chegar ao ponto de encontro—com apenas as forças de Kenobi chegando à zona de pouso, com ambas as forças de Mundi e os transportes de Skywalker sendo abatidos e forçados a chegar à posição de Kenobi a pé. Embora eles tenham encontrado resistência, a equipe de Skywalker se encontrou com as forças de Mundi. Depois de entrarem em contato com Yularen para implantar um esquadrão de asas-Y de BTL-B para ajudá-los, eles se reuniram com Obi-Wan e sua Legião, onde planejaram o ataque ao gerador de escudo.[57]

Eles então improvisaram em seu plano; liderando a carga, Anakin e Ahsoka desativaram os canhões inimigos com granadas PEM, permitindo que os AT-TEs destruíssem o gerador de blindagem. Quando os helicópteros chegaram, os Geonosianos da região se renderam. Embora Mundi e Kenobi tenham saído para tratamento médico,[57] as forças da República continuaram a empurrar para a enorme fundição dos droides, e Anakin e Ahsoka se juntaram a Luminara Unduli e sua Padawan, Barriss Offee. Barriss e Ahsoka foram enviadas para as catacumbas Geonosianas sob a fábrica para a instalação de explosivos, enquanto os dois generais Jedi distraiam o exército de droides marchando diretamente para a fábrica.[58]

Enquanto Poggle o Menor tinha seus super tanques posicionados, Anakin e Luminara deixaram seus homens para trás e destruíram a ponte, apenas para descobrir que suas Padawans ainda não haviam retornado. Encurralado por droides vindos da fábrica, Anakin foi contatado por Ahsoka com ela pedindo desculpas, incerta de que sobreviveriam dentro da fábrica, antes de usar um super tanque para destruí-la. Recusando-se a deixar sua Padawan morrer, Anakin Skywalker ordenou que elas fossem encontradas nos destroços; Luminara, no entanto, disse que ele precisava deixar seu apego por Ahsoka. Felizmente para eles, Skywalker foi contatado por sua Padawan; depois de localizá-la, eles resgataram ela e Barriss.[58]

Anakin fugindo da Rainha Karina a Grande.

Mandando Ahsoka e Barriss se recuperarem do campo de batalha, Obi-Wan e Ki-Adi voltaram para ajudar a limpar o restante das forças Separatistas. Enquanto isso, Luminara saiu em busca de Poggle antes que ele pudesse escapar, quando irrompeu uma tempestade de areia. Forçado a esperar até que a tempestade se dissipasse após seu último contato, Anakin e Obi-Wan foram até o último local conhecido de Luminara Unduli, o Templo de Progate. Entrando nas catacumbas abaixo, eles não só descobriram guerreiros Geonosianos mortos-vivos, como também encontraram Luminara prisioneira de Poggle o Menor a Rainha Geonosiana, Karina a Grande. Colocando seus homens para cercar a Rainha e seus irmãos, Anakin e Obi-Wan tentaram negociar com Karina, já que Kenobi queria saber como os guerreiros mortos-vivos eram criados. Depois de descobrir que ela usava de vermes parasitas de cérebro, eles libertaram Luminara Unduli, capturando Poggle no processo e fugindo da Rainha, com Rex e Cody enterrando a Rainha em seu covil.[59]

Com Poggle sob custódia da República, os quatro generais Jedi prepararam-se para entregá-lo a Coruscant, enquanto enviavam Ahsoka e Barriss em uma missão para transportar suprimentos médicos de um posto perto de Ord Cestus para Mace Windu em Dantooine. Sem o conhecimento deles, um dos soldados, Scythe, foi infectado com um dos vermes cerebrais da Rainha e embarcou em sua fragata classe Pelta, a TB-73, forçando as duas Padawans a se defenderem dos Clones infectados. Quando a nave não conseguiu fazer o check-in no horário, Anakin ficou imediatamente desconfiado, e ficou ainda mais quando Ahsoka entrou em contato com ele para falar sobre a situação.[60]

Anakin enforcando Poggle o Menor para conseguir informações.

Irritado, Anakin foi para a cela de Poggle, e pediu aos guardas para deixá-lo sozinho. Ele exigiu que Poggle respondesse suas perguntas com um truque mental, mas o arckhduke o informou de que não teria nenhum efeito sobre um Geonosiano como ele. Foi então que Skywalker recorreu à violência física, atingindo Poggle, que ainda não quis falar. Anakin cedeu à sua raiva e começou usar de maneira mais violenta a Força nele. Só então Poggle disse ao Cavaleiro Jedi, através de um droide tradutor, que os vermes são afetados pelo frio. Skywalker retransmitiu essa informação para sua Padawan, dizendo a ela através de uma transmissão para romper o sistema de resfriamento. Graças ao seu conselho, Ahsoka conseguiu derrotar os vermes quando chegaram à estação médica. Anakin correu para seu encontro, onde ele consolou a Padawan em suas dúvidas sobre poupar a vida de sua amiga quando a mesma havia sido infectada.[60]

Saleucami

"Se Kenobi está aqui, Skywalker deve estar por perto."
―General Grievous[fonte]

Após a captura do Mestre Jedi Eeth Koth na Orla Exterior, o General Grievous enviou uma holo-transmissão ao Conselho Jedi, na qual declarou que ele não se importava com a política dos Jedi, nem com a República deles, concluindo que ele vivia apenas para ver todos eles morrem. Obi-Wan percebeu que Eeth fazia sinais com a mão durante a transmissão, ao traduzi-los, foram informados da localização deles no sistema Saleucami. Anakin, Obi-Wan e Adi Gallia foram enviados em uma missão para resgatá-lo. Como uma distração, o Almirante Yularen e Kenobi contataram as forças de Grievous em Saleucami, com Obi-Wan permitindo que seu cruzador fosse abordado pelo General Separatista. Discretamente, Skywalker, Gallia, Rex e um grupo de soldados Clones executariam um salto no hiperespaço para dentro do sistema em um ônibus espacial que os traria ao lado do cruzador de Grievous.[61]

Anakin e Adi Gallia lutando contra droides de comando.

Uma vez que eles embarcaram, Anakin e Adi Gallia fizeram o seu caminho para a popa do cruzador, onde encontraram um droide tático série T com um grupo de droides de comando série BX. Os dois Jedi destruíram todos os droides e resgataram Koth, com Anakin levando o ferido de volta para o ônibus espacial. Quando Kenobi relatou que Grievous o havia derrotado e escapado, Gallia os deixou para ajudar o General Jedi a flanquear Grievous e capturá-lo de uma vez por todas. Sem sucesso em seus esforços, Skywalker pegou os dois no hangar com seu ônibus espacial, partindo em seguida para a Resoluta,[61] onde esperou enquanto Obi-Wan conduzia uma missão de busca para Grievous no planeta abaixo ao lado de Cody, Rex e outros soldados.[62]

Algum tempo depois, Anakin e sua Padawan lideraram uma missão ao submundo de Coruscant para prender Car Affa, um traficante de armas que vendia armas da República aos separatistas. Quando chegaram a uma cantina onde Affa estava se escondendo, Anakin instruiu Ahsoka a esperar do lado de fora enquanto ele prendia o fugitivo. O confronto, no entanto, fez com que uma multidão deixasse o bar imediatamente—durante a qual a Padawan perdeu seu sabre de luz, o que a levou a procurar a ajuda do Mestre Jedi Tera Sinube quando eles voltaram ao Templo, pois ela não queria que Anakin descobrisse sobre a perda de sua arma. Eventualmente, no entanto, ela consegue recuperar seu sabre, e ensina uma valiosa lição aos Jedi iniciado do Templo.[63]

Mandalore

"E o que vai fazer? Se atirar em mim, vai provar ser uma hipócrita a todos os ideais pacifistas que você tanto preza. E você, Kenobi? Você conhece a violência. Você seria aclamado herói por todos aqui nesta nave—quer dizer, quase todos. Então, vamos. Qual de vocês vai agir primeiro e levar o título de assassino sanguinário?"
―Tal Merrik, para Satine e Obi-Wan momentos antes de ser impalado por Anakin[fonte]

Anakin contra o dróide assassino.

Após alegações de que Mandalore havia se aliado aos Separatistas, Obi-Wan Kenobi foi enviado ao planeta para falar com sua velha amiga, a Duquesa Satine Kryze. Após resolverem a situação, enxergando a culpa no grupo terrorista Olho da Morte, Kenobi, junto a Skywalker, foram designados para escoltar Satine em sua jornada para Coruscant a bordo da Diadema, onde ela iria testemunhar perante ao Senado de que Mandalore não precisaria da interferência da República.[64] Na nave, Anakin e Obi-Wan disseram a seus homens para ficarem alertas e enviaram-nos para fazer uma ronda no local. Quando Kryze exigiu sua presença diante dela, Anakin supôs corretamente que seu Mestre tinha fortes sentimentos por ela. Quando R2-D2 pegou as leituras no porão de carga, os dois generais foram informados por Rex sobre algo suspeito lá embaixo, deixando para Anakin a investigação—apenas para ser atacado por sondas de dróides assassinos. Depois de destruir dois deles, Skywalker informou a Obi-Wan que poderia haver um traidor a bordo da nave.[65]

Depois que Kenobi enganou o traidor, Tal Merrik e Skywalker destruíram outra sonda de dróides, ajudando mais tarde a procurar Merrik e Satine—agora sua refém—na Diadema, até que vários super dróides de batalha B2—enviados pelo Olho da Morte—embarcaram na nave. Deixando Obi-Wan para salvar sua "namorada". Anakin destruiu os dróides e depois foi procurar seu mestre, que, como Satine, hesitou em matar Merrik; Skywalker, no entanto, não teve tais escrúpulos e empalou Merrik, definindo-se como um "assassino de sangue frio", para recuperar o detonador do Senador antes que ele pudesse destruir a nave. Sem mais complicações, chegaram a Coruscant; com Santine elogiando Obi-Wan, Anakin notou que ela era uma mulher notável.[65]

Preso em Vanqor

"Aquele menino destruiu um cruzador inteiro tentando matá-lo, e você vai deixar pra lá?"
"E o que você sugere que eu faça, Skywalker?"
"Que tal ir atrás dele?"
"Então eu tenho que me comportar igual a esse menino. Ir atrás de vingança."
"Não. Chama de vingança tentar deter esse menino e trazê-lo perante a justiça?"
―Anakin Skywalker e Mace Windu, sobre Boba Fett[fonte]

Preparando-se para o encontro com uma fragata da República, Anakin e Mace Windu viajaram a bordo da Resistência, no qual eles receberam um esquadrão de cadetes clone, com Boba Fett infiltrado entre eles. Depois que Fett sabotou a nave e todos tiveram que evacuar em pods de fuga, incluindo ele mesmo antes de serem resgatados por Bossk e Aurra Sing na Escravo I, Anakin e Mace Windu resgataram um pod que havia sido avariado na fuga, com cadetes clones dentro dele.[66] Enquanto os sobreviventes estavam sendo transferidos para a fragata médica, os dois foram para o local do acidente da Resistência, onde procuraram o Almirante Kilian e quaisquer outros sobreviventes da queda. Quando a ponte parecia relativamente intacta, eles resolveram entrar nos destroços, mesmo com os protestos de R2-D2, o que levou Windu a questionar Skywalker por encorajar a individualidade de seu atromecânico.[67]

Anakin vendo o capacete de Jango Fett.

Deixando R2-D2 e R8-B7 para procurar formas de vida, Anakin e Mace entraram na ponte de comando da nave para encontrar sobreviventes, com Skywalker achando um capacete Mandaloriano. Mace Windu logo assumiu corretamente que era armadilha de Boba Fett. Ele salvou Anakin de tomar todo o dano da explosão desencadeada do capacete. Agora, presos sob os escombros, com Anakin ferido e Windu inconsciente, R2-D2 os encontrou e Skywalker o pediu para chamar entregar um pedido de socorro no Templo Jedi. Enquanto esperavam que o astromecânico voltasse, Windu disse a Skywalker por que Fett o queria morto: ele procurou vingança por matar seu pai, Jango, durante a primeira batalha de Geonosis.[67]

Enquanto a Resistência ia se destruindo, Ahsoka, Plo Koon e um esquadrão de clones, resgataram Anakin e Mace Windu, com o último pedindo desculpas a R2 por desconfiar de suas capacidades.[67] Depois de passar um tempo em um tanque de bacta no Templo, Anakin pediu a Mace Windu que rastreasse Boba Fett e o levasse à justiça. O Mestre Jedi não concordou, até que Plo Koon e Ahsoka lhes mostraram uma mensagem de Fett e Sing, com reféns—o Almirante Kilian e alguns clones—terminando com um deles mortos a sangue frio por Sing. Embora Windu decidisse ir, Plo Koon disse que ele iria cuidar da missão, ao lado de Ahsoka, já que tanto Windu quanto Skywalker ainda estavam se recuperando de seus ferimentos.[68] Quando eles chegaram em Coruscant com Bossk e Fett sob custódia, Anakin estava presente quando Boba se desculpou por causar tanta destruição, mas alegou que nunca perdoaria Mace por matar seu pai,[68] antes de serem levados para o Centro de Detenção Judiciário Central da República.[69]

Balith

Seguindo a missão de sua esposa para descobrir uma conspiração em Mandalore,[70] Anakin escoltou Ahsoka para o planeta onde ela lecionaria para jovens cadetes da Academia Real do Governo sobre os perigos da corrupção. Chegando lá, Skywalker apresentou sua Padawan a Duquesa e ao Primeiro Ministro Almec. Antes de se sair para se juntar a Kit Fisto, Anakin pegou o sabre de luz de sua Padawan para respeitar as tradições Mandalorianas de não portar armas em seu planeta. Depois que Ahsoka descobriu a conspiração corrupta em Mandalore comandada pelo próprio Primeiro Ministro Almec, Anakin parabenizou Ahsoka e a devolveu seu sabre de luz.[71]

De volta ao Templo Jedi, o Conselho parabenizou Ahsoka por sua coragem e força, mas também ordenou a Anakin que comandasse a Terceira Legião em Balith para dar assistência em sua guerra civil. O Conselho logo pediu a Ahsoka que ficasse em Coruscant, ao invés de ir junto ao seu Mestre para Balith. Mesmo com sua Padawan insistindo em ser levada com ele, Anakin disse a ela que Ahsoka deveria usar este tempo na biblioteca para provar que ele estava errado sobre sua afirmação anterior, de que ela aprendeu mais no campo de batalha do que no Templo.[72]

Skywalker retornou a Coruscant para cumprimentar, junto com Yoda, sua Padawan, Padmé e Bail Organa após a Conferência de Refugiados de Alderaan, durante a qual Ahsoka capturou Aurra Sing por tentar matar a Senadora Amidala. Imaginando quem pagaria pelo assassinato de Padmé, Yoda fez com que Ahsoka usasse suas habilidades precognitivas para descobrir quem estava por trás da tentativa de assassinato. Com sua descrição, a Senadora percebeu quem era—Ziro o Hutt. Anakin e sua Padawan então foram ao Centro de Detenção Judicial para interrogar Ziro, que foi enganado por Ahsoka confessando que ele havia contratado Sing para o trabalho. Satisfeito, Skywalker e a Padawan então deixaram o Hutt para sua miséria na prisão.[72]

Batalha de Kamino

"Imagino que esperam que eu me renda."
"Na verdade meu plano é deixar os clones executarem você agora."
"Não dessa vez."
―Anakin e Ventress, antes da Assassina Sith fugir[fonte]

Anakin contra Ventress.

Prevenida pela destruição da Estação Rishi[38] e uma transmissão interceptada entre Asajj Ventress e General Grievous, Anakin e Obi-Wan viajaram para Kamino para avisar Shaak Ti e o Primeiro Ministro Lama Su de um próximo ataque Separatista, com Rex, Cody, Echo, Fives, e o resto da 501ª Legião junto consigo. Logo, a frota de Grievous chegou e Skywalker liderou as forças espaciais da República, marcando vários ataques sérios contra o inimigo. No planeta abaixo, a Cidade Tipoca foi atacada por naves de assalto da classe Trident e dróides aqua, levando Kenobi a pedir assistência de Skywalker na cidade. Logo após o retorno, Skywalker encontrou Ventress, que havia roubado a amostra de DNA de Jango Fett, o modelo dos clones. Com a ajuda de um pelotão de clones, Anakin recuperou a amostra de Ventress, mas ela, como Grievous, conseguiu escapar mais uma vez.[73]

Senado em Crise

Mais tarde, Anakin foi informado por sua aprendiz de que as filhas do presidente de Pantora, Papanoida, haviam sido sequestradas. Sabendo que os Jedi não podiam se envolver oficialmente, ele astuciosamente deu permissão para resgatá-los devido a "preocupações pessoais"; isso acabou sendo bem-sucedido, com as duas filhas sendo devolvidas com segurança ao pai.[74]

Anakin acalmando sua esposa.

Tendo de estar em um retiro de meditação,[23] Skywalker passou algum tempo com sua esposa em seu apartamento, observando Padmé ansiosamente organizando uma festa para o Senador Aang, que realizou o voto decisivo no Comitê de Supervisão Militar. Anakin tentou acalmar seu nervosismo, dizendo-lhe que a festa iria dar certo e que ela deveria relaxar, quando viram o C-3PO sendo confuso quanto aos arranjos. A pedido de Padmé, Anakin enviou o dróide de protocolo junto a R2-D2 para comprar a fruta de jogan que este havia esquecido para a sobremesa favorita de Aang, o bolo de fruta de jogan. Embora eles tenham demorado, Padmé foi bem sucedida em organizar a festa da mesma forma, com ela e Anakin esperando os dois dróides voltarem—que fizeram isso a tempo de apresentar o bolo ao senador Aang.[75]

"Meu jovem Skywalker... tão indefeso sem o seu sabre de luz, não é, Jedi?"
―Cad Bane para Anakin Skywalker inconsciente[fonte]

Pouco tempo depois, Anakin foi ao prédio do Senado para convencer Padmé a ir passarem duas semanas juntos em um lugar distante onde ninguém os reconheceria, para que eles pudessem realmente ser marido e mulher, em vez de Senadora e Jedi. Amidala, no entanto, rejeitou a ideia, pois estava preparando um projeto importante para o Senado. Anakin respondeu que o projeto parecia mais importante que o amor deles, mas Padmé negou, mas respondeu que ambos viviam para servir a República. No entanto, Anakin afirmou que não havia nada mais importante do que o que ele sentia por ela, e provou isso dando a ela seu sabre de luz, que, Kenobi havia lhe dito uma vez, era sua "vida". Embora ela acreditasse que ele a estava provocando, Anakin era sincero sobre seus sentimentos, e os dois compartilharam um beijo.[23]

Eles logo foram interrompidos pelas vozes do C-3PO e do Senador Organa, levando Anakin a se esconder embaixo da mesa dela e Padmé a esconder o sabre de luz na manga. Quando ela foi ao saguão para participar de uma reunião sobre o projeto de lei de invasão de privacidade aprimorada, apenas foi tomada como refém junto com vários outros Senadores por Cad Bane e sua equipe. Seguindo-a, Anakin viu a situação, quando Bane o viu e enviou seus capangas para capturá-lo, mas Skywalker os evitou por tempo suficiente para entrar em contato com Palpatine e derrotar um dróide sentinela IG-86 de mãos vazias, antes de ficar inconsciente por Robonino e Aurra Sing sendo levado diante dos Senadores. Depois que os caçadores de recompensas plantaram bombas que disparariam se seus detectores de laser fossem acionados e deixassem o prédio, Anakin acordou e Padmé devolveu seu sabre de luz. Ele então o usou para fazer um buraco no chão, deixando todos os Senadores em um andar em segurança, pouco antes de Bane disparar as bombas e escapar do lado de fora libertando Ziro da prisão.[23]

Conhecendo a Madame Synata

"Ainda acho que essa viagem não foi uma boa ideia, Anakin..."
―Padmé Amidala, para Anakin[fonte]

Após a crise, Anakin foi com Padmé a Caamas para embarcar na nave particular da lendária atriz Madame Risha Synata. No entanto, eles estavam atrasados para ver a peça de Madame Synata sobre Darth Krist-Ov. Depois que eles chegaram, o casal se encontrou com a Synata. Anakin concordou em ver seu museu, apesar da relutância de sua esposa. No dia seguinte, ambos foram ao museu e viram uma exibição de Varykino,[76] onde eles trocaram seus votos. Anakin e Padmé foram então confrontados por vários robôs monitores e atacados por eles. O Jedi lutou contra eles e ajudou sua esposa a escapar.[7] Anakin e Padmé descobriram então uma propaganda Separatista e um holograma do Conde Dookan.[76]

Anakin derrotando Synata.

Anakin e Padmé descobriram que a Synata estava colaborando com Dookan e os Separatistas. Skywalker levou um dos agentes Separatistas para investigar a fundo enquanto Amidala descobriu uma lista de senadores anti-Separatistas que Synata possuía. O casal junto descobriu que a atriz planejava matá-los, juntamente com Amidala, com gás Dioxis. Anakin e Padmé lutaram contra vários dróides servos da LEP para impedir que Synata matasse os Senadores. Com a ajuda de R2-D2, Anakin e Padmé conseguiram chegar ao teatro.[77]

Enquanto Padmé retirava os Senadores, Anakin enfrentou Synata em um combate de sabres, com a atriz usando um que foi dado de presente por Dookan. Ela tentou usar o gás Dioxis mas Anakin já havia se preparado com uma máscara de gás. Após vencer a atriz, o casal se reportou ao Conselho Jedi, que decidiu tomar mais cuidado em relação a propagando e a arte que os Separatistas estavam adulterando a seu favor.[77]

Cerimônia Jedi

Anakin tentou ajudar Ahsoka a treinar o uso de dois sabres de luz ao invés de um, mas sua Padawan continuava com muita dificuldade. Mestre Yoda então a ensinou a lutar em sua própria maneira e conseguiu fazer Ahsoka melhorar no uso de dois sabres.[78] Mais tarde, Anakin pediu para o Conselho Jedi que ele acompanhasse Padmé em uma missão, e conseguiu autorização com dificuldade, mas sua esposa afirmou que valeria a pena pois poderiam passar mais tempo juntos. Ao chegar na pista de pouso, Ahsoka os surpreendeu afirmando que Obi-Wan havia enviado ela para ajudar Skywalker na escolta. Durante a viagem pelo hiperespaço, Anakin pegou um atalho que os levou para uma frota Separatista. Ahsoka e Padmé assumiram as armas enquanto Anakin assumiu os controles de voo. Ele conseguiu passar pela maior parte do ataque Separatista, mas um tiro acertou a nave e Anakin foi obrigado a se retirar dos controles para salvar Padmé da explosão. Ahsoka rapidamente retomou a nave e conseguiu concluir a viagem. Chegando no planeta, Anakin agradeceu sua Padawan por ter vindo.[79]

Certo dia, Skywalker estava esperando com o Mestre Yoda no Templo Jedi por Ahsoka Tano. Uma vez que ela chegou, Skywalker a repreendeu por estar atrasada, mas Yoda a elogiou por ter ajudado pessoas em perigo na cidade e começou a estender sua trança Padawan.[79] Após um debate no Senado sobre um projeto de reforma financeira, Anakin foi solicitado por Padmé Amidala para convencer o Conselho Jedi a falar com Palpatine sobre negar a continuação da guerra. Skywalker permitiu que Ahsoka fosse com Padmé para que ela aprendesse mais sobre política. Após um aparente ataque Separatista, Anakin confrontou sua aprendiz sobre o encontro dela e de Padmé com a Senadora de Onderon Mina Bonteri, sobre como Raxus era tolo. Apesar disso, a aprendiz de Anakin aprendeu que a política não era tão preto e branco quanto ela pensava.[80]

Ameaça de Dathomir

Um ano e oito meses nas Guerras Clônicas,[81] Anakin e Obi-Wan comandaram as forças da República em uma batalha contra a frota de Asajj Ventress no sistema Sullust. Participando diretamente da batalha em seus caças estelares, Obi-Wan foi derrubado e atacado por Ventress, cujo o seu caça estelar de classe-Ginivex foi, por sua vez, desativado por Anakin. Quando Kenobi e Ventress colidiram no hangar da nave de comando separatista, Skywalker logo desembarcou para ajudar seu mestre; juntos, os dois Jedi dominaram Ventress em um duelo. Eles foram interrompidos, no entanto, pela destruição da nave, secretamente ordenada pelo Conde Dookan. Os dois Jedi fugiram em seus interceptadores, presumindo que Ventress estivesse condenada a morte.[82]

Anakin e Obi-Wan, enfrentando Savage Opress em Toydaria.

Depois do massacre em Daveron em Daveron,[83] Anakin e Obi-Wan foram enviados para Dathomir, já que as imagens do massacre mostraram um Dathomirian matando os Jedi que estavam em Daveron. Uma vez em Dathomir, eles foram para uma vila, onde foram emboscados pelos Irmãos da Noite até Anakin tomar seu líder como refém; os Zabrak então disseram aos Jedi que uma Irmã da Noite havia levado um deles para sua fortaleza, levando os Jedi a irem para lá. Skywalker e Kenobi questionaram Mãe Talzin, que lhes disse seu nome—Savage Opress—e o seu paradeiro. Os dois Jedi então foram para Toydaria, onde enfrentaram Opress, mas não conseguiram impedi-lo de matar o Rei Katuunko. Usando a nave do Rei já que a deles foi destruída, Anakin e Obi-Wan alcançaram seu alvo na nave separatista de Dookan; no entanto, Opress conseguiu dominá-los, forçando os dois a recuar e deixar a nave.[84]

Mortis

A figura de sua mãe, Shmi, aparecendo para Anakin durante a noite.

Quando o Conselho Jedi recebeu um sinal de socorro Jedi de 2.000 anos, Anakin, juntamente com Obi-Wan e Ahsoka, foram enviados pelo Alto Conselho ao sistema Chrelythiumn, onde deveriam se encontrar com o Capitão Rex e um cruzador armado. Embora ambos tenham chegado ao ponto de encontro, nem a nave de Rex nem a nave Jedi estavam lá. De fato, a nave do trio foi guiada para um planeta misterioso, Mortis, onde eles se encontraram com uma figura misteriosa chamada Filha, que perguntou a Anakin se ele era "aquele" e que queria levá-los ao Pai. Os três a seguiram mas Obi-Wan e Ahsoka foram forçados a se separarem de Anakin, e eventualmente a própria Filha se separou dele ao pedir para que ele a esperasse ali.[85]

Anakin tentou segui-la, apenas para chegar ao mosteiro, onde conheceu o Pai e recebeu abrigo durante a noite. Enquanto tentava dormir, a figura de sua mãe, Shmi, apareceu diante dele e o encorajou a contar a ela sobre sua dor e culpa—que era tarde demais para salvá-la e que havia falhado como Jedi e com ela, tendo provado apenas vingança quando ele matou tantos para vingar sua morte. Mas, quando ele mencionou sua esposa—que Anakin alegou ser "tudo" para ele—a figura finalmente se revelou como sendo o Filho, assumindo brevemente uma aparência monstruosa antes de desaparecer.[85]

Anakin se provando como o Escolhido.

Abalado pelo encontro, ele confrontou o Pai, que contou a história de sua família, e se perguntou se ele era realmente o Escolhido. Embora Anakin tenha descartado a profecia como um mito, o Pai organizou um teste para verificar se o Cavaleiro Jedi estava apto para cumprir seu destino. Ordenando que seus filhos matassem Ahsoka e Obi-Wan. O Pai incitou Skywalker a escolher entre seu mestre e seu aprendiz para salvar, afirmando que ele só tinha poder para impedir um deles, mas Anakin controlou os dois seres, colocando-os de joelhos. Tendo provado ser o Escolhido, o Pai implorou que ele ficasse, mas Skywalker recusou, saindo com Ahsoka e Obi-Wan em sua nave.[85]

Enquanto iam embora, eles foram interrompidos pelo Filho que os derrubou e sequestrou Ahsoka, levando Anakin a persegui-lo. Apesar de Obi-Wan não gostar muito, Skywalker foi atrás da sua Padawan e escalou a torre da catedral do Filho para encontrar Ahsoka, corrompida pelo lado sombrio. Anakin lutou contra ela, que logo se juntaria a Obi-Wan que também veio atrás, apenas para serem interrompidos pela chegada do Pai. Obi-Wan tentou entregar a Anakin a Adaga de Mortis, mas Ahsoka a pegou e deu para o Filho, que a matou, pois ela não era mais útil; o usuário do lado sombrio também feriu mortalmente sua irmã quando ela entrou para salvar seu Pai do ataque mortal do Filho com a Adaga. Anakin implorou ao Pai para salvar Ahsoka, e a Filha moribunda usou ele como um canal para canalizar a última força de sua vida em Ahsoka, ressuscitando-a. O Pai disse-lhes para deixar o planeta antes que o Filho usasse sua nave para fazê-lo.[86]

Anakin vendo seu futuro e caindo ao lado sombrio para impedir que ele aconteça.

Os estragos na nave os forçaram a ficar um pouco mais, e Anakin foi ao Pai em busca de orientação. No encontro, o Pai estava determinado a matar o Filho, mas recusou a oferta de ajuda de Anakin, dizendo ao Cavaleiro Jedi para procurar dentro de si a resposta para o que estava sendo feito. Deixando-o, Anakin encontrou o espírito da Força de seu primeiro mentor, Qui-Gon Jinn. Embora ele tenha procurado sua ajuda, Qui-Gon o aconselhou a se lembrar de seu treinamento e confiar em seus instintos, e ir ao Poço do Lado Sombrio para enfrentar seu desafio mais pessoal. Lá, o Filho forçou Anakin a enfrentar seu futuro, consumido pelo lado sombrio. Horrorizado, ele se submeteu ao Filho enquanto ele lhe prometia o poder de evitar esse destino. Logo, Obi-Wan chegou tentando trazê-lo de volta e Skywalker o deixou preso no poço, alegando ter visto a verdade—que eram os Jedi que ficariam no caminho da paz.[87]

Anakin chegou na nave e percebeu que sua Padawan a desativou e foi resgatar Obi-Wan, enquanto o Filho roubava a Adaga. Enquanto ANakin esperava, o Pai apareceu diante dele e reconheceu que seu filho havia violado as regras do tempo; ele limpou a memória de Anakin dessas visões futuras, deixando-o inconsciente e o levou ao seu mosteiro. O Cavaleiro Jedi acordou e encontrou o Pai, Obi-Wan e Ahsoka, momentos antes de o Filho chegar com a Adaga. Para terminar o conflito, o Pai empalou-se para distrair seu Filho, enquanto Anakin o matava com seu sabre de luz. Como o Pai também morreu, ele avisou a Skywalker para que desconfiasse de seus sentimentos, pois isso levaria à sua queda, e os três Jedi foram transplantados de volta à galáxia para finalmente contactar Rex.[87] Mais tarde, eles relatariam esse encontro ao Conselho, com Anakin até mencionando que ele havia conversado com Qui-Gon para Yoda.[88]

A Cidadela

"Eu fico preocupado com o que não planejamos, meu jovem. E agora?"
"São exatamente nesses momentos que nós, Jedi, nos destacamos. Confie em mim."
"Eu prefiro confiar em quem toma parte na ação, General Skywalker."
"Então deixe-me lembrá-lo: fomos nós que resgatamos você. Eu prefiro confiar naqueles que demonstram verdadeira gratidão, Capitão Tarkin."
―Wilhuff Tarkin e Anakin Skywalker[fonte]

Após a captura do membro do Conselho Jedi Even Piell pelos Separatistas, Anakin e Obi-Wan foram informados pelo Mestre Plo Koon e enviados juntamente com sua equipe—que incluía Rex, Cody, Echo e Fives—para se infiltrar na Cidadela em Lola Sayu para resgatar o Mestre Piell, que tinha as informações na Rota Nexus. Recusando-se a deixar Ahsoka arriscar sua vida em uma missão tão perigosa, Anakin proibiu ela de ir na missão. Ele também planejou uma estratégia para contornar os scanners de formas de vida da prisão; toda a equipe sofreu congelamento de carbononita e foram transportados para a Cidadela com a ajuda de R2-D2 e seu esquadrão de dróides de batalha reprogramado.[89]

Anakin levando Tarkin pela Cidadela.

Após o pouso, Anakin foi descongelado e ele descobriu, para sua surpresa, que Ahsoka havia desobedecido às ordens e o seguiu até a Cidadela. Forçada a levá-la junto, a equipe seguiu para as instalações, deixando o astromecânico para guardar sua nave. Depois de subir livremente até o ponto de entrada através de um penhasco que sofria de um forte vendaval e cheio de eletro-minas como medidas de segurança, e depois de Ahsoka desativar o escudo de raios na entrada, a equipe conseguiu entrar, exceto Charger, que caiu do penhasco e morreu, alertando os funcionários da prisão—liderados por Osi Sobeck—da presença deles. Lá dentro, eles perderam Longshot, mas finalmente chegaram ao Mestre Piell, a quem eles libertaram e quem lhes disse que precisavam resgatar seus oficiais.[89]

Apesar das muitas armadilhas colocadas na fortaleza, a equipe resgatou os oficiais, quando encontraram a outra pessoa que possuía o resto das coordenadas da Rota Nexus, o Capitão Wilhuff Tarkin. A equipe foi dividida em duas—enquanto a equipe de Kenobi criava uma distração, Skywalker liderava os outros. Na companhia de Tarkin, Anakin e sua equipe escaparam pelo sistema de cavernas abaixo da prisão, apesar do Capitão ter expressado ceticismo sobre o plano d Jedi, ao qual Anakin respondeu que ele reservava sua confiança para aqueles que entendiam gratidão.[89] No entanto, eles logo encontraram um entendimento, pois ambos acreditavam que o Código Jedi impedia a Ordem de ir longe o suficiente para alcançar a vitória na guerra em andamento,[90] e Tarkin começou a desenvolver certo reconhecimento por Skywalker.[81]

Enquanto eles saíam da linha de combustível para se encontrar com R2-D2 e a nave, eles foram atacados por dróides e forçados a se juntar a Obi-Wan no ponto de encontro, com a nave fortemente vigiado. Durante o conflito, Echo tentou defender a nave, mas sua destruição e subsequente explosão aparentemente o mataram. Quando entraram no sistema de cavernas, Anakin e Obi-Wan contataram o Conselho, dizendo que eles precisavam escapar, e Plo Koon imediatamente partiu para buscá-los.[90] Eles entraram em contato com o Conselho novamente para serem informados do ponto de extração; enquanto eles seguiam para o local, Sobeck enviou anoobas atrás deles. As criaturas tiraram a vida do Mestre Piell, que passou suas informações para Ahsoka, e o grupo levou um momento para homenagear sua morte. Por fim, chegaram ao ponto de extração a tempo e fugiram na nave de resgate de Plo Koon, com a frota de Saesee Tiin cobrindo-os para permitir sua fuga de volta a Coruscant.[91]

Padawan perdida

"Quando eu estava lá, sozinha, tudo o que eu tinha era seu treinamento e as lições que você me ensinou. E graças a você, eu sobrevivi. E não apenas isso, mas eu consegui liderar outros para sobreviver também."
"Eu não sei o que dizer."
"Eu sei. Obrigada, Mestre."
"De nada, minha Padawan."
―Ahsoka Tano e Anakin Skywalker[fonte]

Anakin procurando por Ahsoka nos dados do Templo Jedi.

Skywalker retornou a Felucia para ajudar Plo Koon em tomar um posto Separatista. Dividindo suas forças em três grupos, o time de Skywalker e Rex ficaram responsáveis por atacar a parte frontal do portão e destruir o droide tático, TZ-33, assegurando o posto em conjunto com as equipes de Koon e Tano.[92]

Entretanto, Anakin percebeu que Ahsoka desaparecera durante a batalha, e ordenou uma varredura do perímetro. Skywalker e seus homens procuraram pela base várias vezes. Mestre Koon informou que ele alertou todas as forças da Orla Exterior e assegurou a Anakin que Ahsoka seria encontrada, mas ele também firmemente disse a Skywalker que a missão deles em Felucia estava finalizada e que eles precisavam retornar a Coruscant. Entretanto, Anakin se recusou a abandoná-la, e Plo respondeu que suas emoções estavam embaçando seu julgamento. Skywalker contra-argumentou que ele não deixaria o destino dela nas mãos de terceiros, mas Plo simplesmente disse "É hora de ir". Apenas com isso, Skywalker cedeu e recolheu suas tropas.[92]

De volta ao Templo, Anakin incansavelmente buscava nos dados estelares por possibilidades, o que levou Koon a sugerir que Skywalker confiasse nas habilidades de Tano.[92] Depois dos eventos de Wasskah, a busca de Anakin por sua Padawan terminou quando ela chegou ao Templo abordo da Halo, acompanhada por seus aliados Wookiees e jovens, O-Mer e Jinx. Ao vê-la, Anakin profundamente se desculpou por tudo aquilo ter acontecido, culpado a sim mesmo pesadamente por sua inabilidade de protegê-la. Tano, entretanto, assegurou a ele que graças aos seus ensinamentos é que ela sobreviveu e o agradeceu por isso. Os dois se curvaram um para o outro em uma nova relação de respeito mútuo entre eles.[93]

Batalha de Horain

"Para trás! É General Kenobi. E parece que ele está trazendo um novo amigo."
―Anakin Skywalker[fonte]

Algum tempo depois, Anakin participou da Batalha de Horain, ao lado de Obi-Wan e Rex. Ele foi contatado por Rex, que estava solicitando assistência, embora ele já estivesse ocupado com um grupo de droides abutres. Anakin mais tarde encontrou Obi-Wan e Rex, incrédulo, notando que eles haviam sequestrado um AAT ao lado de um droide de batalha defeituoso.[94]

Skirmish em Retta

Em Retta, Anakin emboscou um grupo de droides de batalha B1 ao lado do Grão Mestre Yoda. Skywalker foi logo atacado por Kreeda, um Segredo que estava tentando assustar os Jedi. No entanto, Kreeda logo se tornou amiga deles, pois ela era uma velha amiga de Yoda. Quando Anakin tentou recrutar Kreeda como espião, o Segredo foi embora, e a dupla foi atacada por droides de batalha logo em seguida. Depois de se separar de Yoda, ele encontrou o Mestre Jedi e Kreeda novamente, o último dos quais explicou que estava protegendo os refugiados das Guerras Clônicas. Anakin se disfarçou brevemente como um dos refugiados e afastou o General Flebek da área. Ao perguntar o que seu relatório implicaria, Yoda disse a Skywalker que contaria a Mace Windu que não havia nada de interessante em Retta.[95]

Batalha da Mon Cala

Após o assassinato do Rei Kolina de Mon Cala, houve nova discórdia na frágil paz entre os Mon Calamari e os Quarren. Anakin e Padmé foram enviados como representantes da República, indo ao planeta a pedido do Capitão Gial Ackbar da Guarda de Mon Calamari e protetor do jovem Príncipe Lee-Char, assim como Riff Tamson foi até lá como Embaixador Separatista para resolverem os problemas das duas raças. Embora Skywalker e Amidala tentassem mediar entre ambas as partes, os Quarren deixaram a sala do conselho, insatisfeitos com o regime Mon Calamari. Junto com Ackbar, eles contataram Yoda e Mace, que despacharam um batalhão de soldados clones equipados para combate subaquático sob o comando de Kit Fisto e Ahsoka Tano.[96]

Skywalker, Fisto e Ackbar durante a Batalha de Mon Cala.

Enquanto isso, durante o ataque dos Quarren ajudados por droides aquáticos Separatistas, Anakin e Padmé acompanharam Lee-Char, que por sua vez foi protegido por Ackbar. Ele derrotou os soldados Quarren até ser chamado pela esposa para ajudar a Senadora Meena Tills, enquanto deixava Ahsoka para proteger o Príncipe e resgatá-lo de Tamson. Quando o primeiro ataque Separatista/Quarren terminou, Anakin se reuniu com Padmé, Ahsoka, Kit Fisto, Ackbar, Lee-Char e Meena para aguardar o segundo ataque, desta vez sob ajuda das Medusas aquáticas, que se mostraram incrivelmente eficazes contra o Exército da República/Mon Calamari. Forçados a recuar nas cavernas mais abaixo no planeta, eles se reagruparam para decidir seu próximo curso de ação—recuar para a superfície, porém tiver que voltar ao fundo do mar quando sua fragata foi destruída e eles foram atacados por mais inimigos.[97]

Eles então se dividiram em dois grupos: Anakin foi com sua esposa, Ackbar e Tills, enquanto Fisto, Ahsoka e dois soldados acompanharam o Príncipe. Esperando que os reforços da República venham em breve, Skywalker e seu grupo seguiram para a instalação central de scanner planetário de Mon Calamari, onde o Cavaleiro Jedi desmoronou toda a estrutura com a Força, tornando as defesas planetárias cegas aos próximos reforços da República—o Grande Exército Gungan e o Representante Binks, enviado a pedido do Alto Conselho Jedi. No entanto, Tamson usou a nave de assalto da classe-Trident para criar uma espécie de redemoinho na água, desorientando as forças da República/Gungan, e embora Anakin tenha conseguido destruir um deles, todos, exceto Ahsoka Tano e Lee-Char, foram capturados.[97]

Levados diante de Riff Tamson, Skywalker e Fisto foram contidos por enguias elétricas, enquanto Padmé e Jar Jar Binks foram presos dentro de dispositivos de contenção, ambos os dois Jedi foram interrogados sobre o paradeiro do Príncipe Lee-Char. Durante o interrogatório, Tamson tentou forçá-los a falar, fazendo um pequeno buraco no capacete de Padmé, permitindo que seu traje se enchesse de água. No entanto, Tamson saiu para ver o príncipe localizado por sua guarda, Anakin e Kit usaram a Força para remover a água do capacete, enquanto Binks usou sua saliva para selar o furo, salvando-a de se afogar. Os quatro logo foram levados para testemunhar a execução do príncipe Lee-Char, na qual Nossor Ri, o líder dos Quarren, salvou o príncipe no momento crítico e virou seu povo contra os Separatistas, resultando na vitória do povo Mon Cala. Com a paz restaurada, Skywalker e seus amigos estavam presentes na coroação de Lee-Char, agora reconhecido por Mon Calamari e Quarren como seu novo monarca.[98]

Naboo

"Padmé, me perdoe."
―Anakin para Padmé, após ser trocado por Grievous[fonte]

Após rumores de que os Gungans planejavam ajudar os Separatistas em um ataque a Theed, Anakin acompanhou Padmé a cidade e, mais tarde, ao território Gungan, perto do Lago Paonga, onde se encontraram com Jar Jar Binks, que confirmou os rumores preocupantes. Ele levou o casal para Otoh Gunga, onde conversaram com o Chefe Lyonie, e percebeu que ele estava sob a influência de um colar de controle mental, que Anakin arrancou telecineticamente, fazendo-o se recuperar; Lyonie disse a eles que o novo ministro, Rish Loo, havia dado a ele.[99]

Dookan capturando Anakin com seus MagnaGuardas.

Anakin, Padmé e Jar Jar ajudaram Lyonie quando ele confrontou Loo, apenas para enfrentar droides de comando, e Lyonie ser esfaqueado por Loo antes da fuga do ministro. Levando o chefe para uma enfermaria, o casal notou a estranha semelhança entre o inconsciente Lyonie e Binks, que eles convenceram a personificar Lyonie e cancelar o ataque de Gungan a Theed. Ao fazê-lo, descobrindo o engano de Loo para o exército, Anakin perseguiu o ministro fugitivo até uma armadilha montada pelo Conde Dookan no laboratório de Loo. Após Dookan matar Loo e revelar sua contribuição secreta na Batalha de Naboo, Anakin duelou com o Conde, apenas para ser dominado pelos poderes dele e de seus quatro MagnaGuardas.[99]

Dookan então contatou Padmé e ofereceu uma troca—o Cavaleiro Jedi pelo General Grievous, que havia sido capturado pelo Grande Exército Gungan, graças ao sacrifício do General Rooos Tarpals. Uma hora depois, Skywalker foi trago e entregue a Amidala, a Rainha Neeyutnee e os Gungans, enquanto Grievous foi autorizado a ir até os Separatistas.[99]

Batalha de Umbara

"O Conselho determinou que você volte a Coruscant, imediatamente."
"O quê?! Por quê?"
"Parece que o pedido foi do próprio Chanceler Palpatine, e o Conselho acatou. Foi tudo que me disseram."
"Mas eu não posso abandonar os meus homens."
"Assumirei as tropas temporariamente."
―Pong Krell e Anakin Skywalker[fonte]

Anakin liderando a 501ª Legião na Batalha de Umbara ao lado do Capitão Rex.

Durante a campanha em Umbara, Anakin e Obi-Wan discutiram sua estratégia de ataque contra a capital de Umbaran, que estava sendo defendida pelas forças Separatistas e milícias locais. Juntamente com Rex e Fives, Skywalker se preparou para repelir os reforços inimigos que atacavam o ataque conjunto de Kenobi com os Mestres Jedi Saesee Tiin e Pong Krell, que apoiariam Obi-Wan do sul, enquanto Anakin e a 501ª Legião avançariam do norte.[28]

Em meio a um forte incêndio, Anakin e seu batalhão chegaram ao local de desembarque e depois a uma cordilheira que eles usaram como área de preparação. Enquanto ele e Rex aguardavam o resto de seus homens, esperando sair em breve e reforçar o batalhão do General Kenobi, Dogma relatou que todos os pelotões haviam entrado, e Anakin disse-lhe para descansar um pouco. Dogma respondeu que estava bem, mas Rex disse a ele que era uma ordem direta, levando-o a fazer o que foi solicitado. Como Rex observou, Dogma estava "ferido, mas leal", e Anakin brincou com Rex dizendo que era como ele nos velhos tempos.[28]

Logo depois disso, os Umbaranos emboscaram Anakin e suas tropas, mas um ataque aéreo do Mestre Krell e Odd Ball os salvou. Após o resgate rápido, Krell abordou Anakin com uma mensagem desconcertante: o Conselho ordenou que Skywalker retornasse a Coruscant, com efeito imediato, conforme solicitado pelo Chanceler Palpatine, por razões desconhecidas. Embora relutante em deixar suas tropas no meio da batalha, Anakin foi forçado a renunciar ao comando de suas tropas para o Mestre Krell e fazer a viagem de volta a Coruscant.[28] Apesar dos esforços de Krell de sabotar o ataque da República, enganando a 501º e o 212º Batalhão de Ataque, Kenobi conseguiu tomar a capital e encaminhar as forças restantes de Umbaran, garantindo a segurança de todos os setores do planeta para a República, enquanto Krell foi desmascarado como um espião Separatista e derrotado pelos clones.[100]

Kiros

Ahsoka sentiu a intensidade de seu Mestre ao interrogar Darts D'Nar.

Depois de dez rotações do último contato de Yoda com os colonos de Togruta em Kiros, Anakin, Ahsoka, o Capitão Rex, o Comandante Cody e Obi-Wan partiram para libertar o mundo dos Separatistas. Após o desembarque, desconfiados da falta de colonos na cidade, eles usaram speeders BARC para atravessar a cidade e cercar a torre do governador, usada como quartel-general Separatista. O Comandante inimigo, Darts D'Nar, enviou uma mensagem a Kenobi para discutir os termos da rendição. Anakin pegou o holoprojetor da mão de Cody e chamou D'Nar de "escória zygerriana". Embora Anakin quisesse lidar com o escravagista, Obi-Wan disse-lhe para localizar os colonos desaparecidos enquanto ele negociava. Quando Skywalker entrou em contato com o Almirante Yularen para conduzir uma bioscan pelo planeta, Kenobi explicou o comportamento de Anakin para Ahsoka, e como ele era sensível em relação a escravidão.[101]

Ao ouvir das negociações de Kenobi que D'Nar havia plantado bombas em toda a cidade, Anakin e Ahsoka começaram a desarmá-las. Apesar dos droides de atiradores os atrasarem, eles destruíram as bombas na hora certa, apenas para Obi-Wan dizer que D'Nar estava fugindo no Tecora. Com algum esforço, eles conseguiram embarcar na nave, dentro do qual D'Nar colocou um blixus contra eles, mas Anakin conseguiu jogá-lo para fora da nave, enquanto Ahsoka derrotou D'Nar no cockpit. Logo, Skywalker juntou-se a ela e, com intensidade assustadora, ameaçou o ziggeriano a revelar a localização dos colonos, para grande surpresa da Padawan. No entanto, mostrou-se eficaz quando D'Nar revelou que sua rainha realizaria um Leilão Real de Escravos em Zygerria, onde venderia os Togrutas.[101]

Zygerria

Após Anakin, Ahsoka, Rex e Obi-Wan descobrirem a localização dos prisioneiros Togrutas em Zygerria,[101] eles partiram em uma missão de resgate, onde Anakin se passaria por um escravagista chamado "Lars Quell" para se infiltrar no círculo íntimo da Rainha Miraj Scintel. Enquanto Obi-Wan e Rex localizam os Togrutas, Anakin fingiu oferecer Ahsoka—se passando por escrava—a Rainha. Ele rapidamente ganhou a confiança de Miraj, com a Rainha convidando-o para acompanhá-la durante o leilão de escravos, onde ela pretendia que Anakin se provasse um escravo torturando Obi-Wan—recentemente capturado ao tentar salvar os Togrutas.[102]

Em vez disso, ele libertou seu antigo Mestre e tentou escapar com R2-D2 devolvendo seus sabres de luz, Rex fornecendo fogo de cobertura e Ahsoka enfrentando a Rainha. Apesar de seus esforços, no entanto, eles foram subjugados, mas Scintel viu a determinação de Skywalker, pois eram necessários cinco eletro-chicotes para derrubá-lo. Apesar de Dookan e metade de seu reino exigirem a morte dele, Miraj mandou Anakin para seus aposentos. Lá, ele acordou e interrogou a Rainha sobre o paradeiro de seus amigos, enquanto estrangulava ela com a Força. No entanto, Scintel ofegou que seus amigos morreriam a menos que ele a obedecesse, e Anakin foi forçado a obedecer e se tornar seu guarda-costas e escolta, assim como ela ficou apaixonada por ele.[102]

Anakin é derrotado por Dookan.

Depois de alguns dias, Dookan visitou Zygerria e Anakin observou que a Rainha Miraj também era escrava do Conde, antes dela sair para receber o Lorde Sith. Com a ajuda de R2-D2, ele escapou de seus guardas e libertou Ahsoka de seu cativeiro, logo depois a enviou para preparar a nave, enquanto ele interrogava Scintel para lhe dizer a localização de Obi-Wan e Rex. No entanto, ele se viu diante de Atai Molec, que havia traído Miraj, e Dookan, com quem Anakin duelou futilmente antes do Conde o derrotar e ameaçar culpá-lo por matar Miraj diante de seus guardas. Anakin então pegou a Rainha e fugiu para o Tecora. A bordo, que ela lhe disse que Kenobi estava no sistema Kadavo e assumiu que ela, assim como Skywalker, era escrava, antes de morrer.[103]

Depois de entrar em contato com Plo Koon para enviar reforços, Anakin e Ahsoka logo chegaram a Kadavo e entraram na instalação de processamento de escravos. Durante a batalha que se seguiu, Skywalker desativou as torres que estavam atacando Plo Koon e suas forças, enquanto Ahsoka salvou os colonos Togruta da morte colocando o cruzador leve classe Arquitens do Almirante Coburn embaixo da instalação para garantir uma fuga segura. Juntamente com Rex e Obi-Wan, Anakin evacuou a instalação antes de ser destruída por ordem de Plo Koon, antes de retornar ao restante da frota do Mestre Jedi.[103]

Palpatine sequestrado

"Skywalker, um Jedi poderoso você é, porém imprevisível e perigoso pode revelar ser, para seus amigos e inimigos. Para Obi-Wan, o destino de sua paciência, tudo depende."
―Yoda para Anakin Skywalker[fonte]

Anakin e Ahsoka vão atrás de Hardeen no Trueping's.

Após a captura de Moralo Eval, rumores de ser o cérebro de um plano para sequestrar o Supremo Chanceler Palpatine, Anakin, Ahsoka e Obi-Wan foram convocados para uma reunião de emergência pelo Alto Conselho enquanto caminhavam pelas ruas de Coruscant. No caminho para o templo, no entanto, um franco-atirador abriu fogo contra eles, o que levou os três Jedi a perseguir seu agressor. O atirador logo acertou Kenobi antes de escapar em um speeder, levando Anakin a recuar até seu Mestre, quem Ahsoka confirmou não demonstrar sinais vitais. Tornando-se retraído e sombrio, Skywalker não disse uma palavra desde então, até depois do funeral realizado para homenagear Obi-Wan, quando ele partiu em uma missão autoimposta para localizar seu assassino, Rako Hardeen, em Trueping's. Embora ele preferisse matá-lo, Skywalker prendeu Hardeen e o transportou para o Centro de Detenção da República.[69]

Depois de descobrir que Hardeen e Eval havia escapado da prisão, Anakin se encontrou com Palpatine, quando Mace Windu informava ao Chanceler que eles removeriam a recompensa de Hardeen e dos outros dois fugitivos, Eval e Cad Bane; uma decisão não agradou Anakin. Palpatine sugeriu que o Conselho talvez não confiasse nele para controlar seus sentimentos, e Skywalker sentiu que o Conselho não estava fazendo nada para capturar o assassino de seu mestre—e seu melhor amigo. Explorando isso para seu proveito, Palpatine disse-lhe para não negar seus sentimentos, pois eram eles que o tornavam especial, e deliberadamente enviou Anakin e Ahsoka a Nal Hutta, onde Bane, Eval e Hardeen foram vistos. Lá, dois Jedi interrogaram severamente o dono do bar local em busca de informações, o que os levou a Orondia, o último local conhecido pelos fugitivos.[104]

Ahsoka avistou Cad Bane entrando em uma nave prestes a deixar o planeta, e Anakin foi atrás com sua própria nave. Enquanto deixava sua Padawan no controle, o Cavaleiro Jedi pulou até o veículo inimigo no intuito de destruí-lo, mas Cad Bane o impediu de causar mais dano. Uma luta ocorreu enquanto Hardeen fez uma manobra arriscada derrubando ambas as naves. Anakin enfrentou Cad Bane e Rako Hardeen e, apesar de conseguir afastar o primeiro, Hardeen conseguiu segurá-lo e disse em seu ouvido para parar de segui-lo, chamando-o por seu primeiro nome. Anakin fingiu desmaiar e Ahsoka veio a seu resgate, fazendo os Caçadores de Recompensas fugirem. Ele então contou a sua Padawan que sentia que Obi-Wan estava vivo.[104] Mais tarde, o Conselho confirmou sua suspeita dizendo que Obi-Wan forjou sua morte e se disfarçou de Hardeen para infiltrar-se no plano de Eval.[105]

Anakin enfrenta Dookan em Naboo.

Mais tarde, Anakin foi informado junto a sua Padawan sobre os planos de segurança que o Conselho tinha para o Chanceler durante o Festival da Luz em Naboo, onde provavelmente ocorreria o sequestro. Anakin, Ahsoka e Mace escoltaram Palpatine e Mas Amedda até Theed, onde foram recebido pela Senadora Amidala e a Rainha Neeyutnee. No festival, o sequestro não demorou a ocorrer e foi inicialmente bem-sucedido, com Cad Bane e Moralo Eval levando Palpatine, enquanto Anakin e Mace capturaram Embo e Twazzi; no entanto, Obi-Wan parou Eval e Bane, tempo suficiente para Windu e Skywalker chegarem e levarem os dois sob custódia.[106]

Ao se reencontrar com seu Mestre, Anakin contou seu desaprovamento em relação ao Conselho e a falta de confiança deles em relação a ele mesmo. Mais tarde naquela noite, enquanto protegia o Chanceler, eles foram surpreendidos por Dookan na sala de jantar, que tinha planejado esperar os Jedi saírem para capturar Palpatine de Skywalker. Ambos lutaram e Dookan conseguiu levar o Supremo Chanceler a sua nave, apenas para ser recuperado por Kenobi logo em seguida. Dookan parabenizou o Mestre Jedi, mas disse se sentir desapontado com Skywalker enquanto ia embora de Naboo sem o Chanceler.[106]

Algum tempo depois, quando Anakin e Ahsoka estavam a caminho do encontro com um cruzador, eles decidiram pousar no espaçoporto de Stobar para comer algo que não fosse as rações do governo. Os dois entraram no Plop Dribble's apenas para encontrar droides policiais e uma garçonete inconsciente. Embora tentassem investigar o ataque, a polícia e seu proprietário, Loubo, disseram para não se preocupar pois acontecia frequentemente coisas assim no bar; em vez disso, ofereceu-lhes uma refeição grátis. No entanto, Skywalker sentiu uma perturbação na Força, algo sinistro e familiar—que, sem o seu conhecimento, anunciava o retorno de Darth Maul.[107]

Rebelião em Onderon

Após um apelo feito por uma célula rebelde em Onderon, o Conselho Jedi considerou como ajudá-los a combater os Separatistas. Anakin sugeriu treinar os rebeldes em táticas de combate subversivas; embora se aproximasse do terrorismo, que os Jedi não apoiariam, o Alto Conselho decidiu enviar ajuda à célula rebelde para a batalha que se aproximava. Logo, Anakin, Ahsoka, Rex e Obi-Wan chegaram ao planeta durante a noite, quando conheceram Steela Gerrera e foram guiados para sua base secreta rebelde, onde conheceram também seu irmão Saw. A equipe treinou os rebeldes para combater os droides, até os Separatistas descobrirem seu posto avançado e atacarem, o que levou a célula a entrar em Iziz.[108]

Após algumas operações bem-sucedidas, Anakin, Obi-Wan e Rex decidiram retornar a Coruscant e se reportar ao Conselho, enquanto Ahsoka ficou para trás para dar uma última assistência aos rebeldes, mas sem se revelar publicamente como Jedi.[109] Eles mantinham uma comunicação frequente com ela, para fornecer orientação,[109][110] e também ajudá-la, contratando Hondo Ohnaka para entregar lançadores de mísseis aos rebeldes de Onderon para o ataque final dos Separatistas a célula. Mais tarde, Anakin participou do funeral de Steela Gerrera que perdeu sua vida durante a batalha final.[111]

O retorno de Maul

Mais tarde, Anakin estava presente quando o Alto Conselho Jedi se encontrou com o Chanceler para discutir o retorno de Darth Maul. Como Obi-Wan havia enfrentando ele recentemente e não sabia ao certo se ele havia morrido durante a queda de sua nave, o Conselho e o Chanceler decidiram encerrar o assunto, mesmo com a possibilidade do Sith ainda estar vivo.[112]

Anakin emprestou a Crepúsculo a Obi-Wan, que a usou para viajar até Mandalore para resgatar Satine Kryze, capturada por Maul e o Olho da Morte. Com a Crepúsculo cheio de problemas técnicos, quase não conseguindo chegar a Mandalore, Kenobi prometeu não pedir emprestado outra nave de Anakin. Durante sua fuga, a Crepúsculo foi abatida por Mandalorianos do Olho da Morte e destruída, momentos antes de Kryze ser assassinado por Maul.[113]

O julgamento de Ahsoka

"Eu te entendo, mais do que você imagina. Eu compreendo o que é querer se afastar da Ordem."
"Eu sei."
―Anakin e Ahsoka, antes de sua partida[fonte]

Durante a defesa de Cato Neimoidia, Anakin e Ahsoka enfrentaram forças Separatistas em seus interceptores Eta-2 de classe Actis, até receberem uma missão urgente que os chamava ao Templo Jedi. Seu hangar havia sido bombardeado e, como os dois estavam fora do mundo durante o ataque, Skywalker e Tano deveriam liderar a investigação para descobrir o responsável que, até onde o Conselho sabia, provavelmente era um Jedi. Eles foram à cena do crime, onde encontraram Russo-ISC, que Anakin enviou ao lado de Ahsoka para entrevistar os sobreviventes, enquanto ele meditava no hangar. Incapaz de descobrir qualquer coisa, ele se encontrou com Ahsoka, que contou sobre seu suspeito desaparecido, Jackar Bowmani, uma pista que, por sua vez, levou sua esposa, Letta Turmond, que sob pressão admitiu alimentar Bowmani com nano-droides, mas não revelaria seus motivos.[114]

Yoda fez uma homenagem aos seis Jedi que faleceram durante o bombardeio, e mais tarde aproveitou a oportunidade para falar com Tarkin. Anakin e sua Padawan foram então convocados para a sala de guerra para serem informados sobre um ataque Separatista a Saleucami, quando Tarkin os informou que Letta havia pedido para falar com Ahsoka. Não muito depois, Letta morreu enquanto Tano estava na sua cela, causando os clones a prendê-la por assassinato até investigarem. Anakin foi proibido de ver sua Padawan, que acabou tentando fugir por conta própria. Skywalker apelou para que ela parasse e deixasse ele ajudar, mas Ahsoka não deu ouvidos, levando o Anakin, Rex e os clones a segui-la nos oleodutos.[115]

Ahsoka foge de Anakin, pedindo para ele confiar nela.

Ao ficar com ela sozinho, eles revelaram que sua confiança um no outro era absoluta, mas como Anakin pediu que ela se rendesse e apresentasse seu caso ao Conselho, ela se recusou a assumir a culpa por algo que não havia feito e pediu que seu mestre confiasse nela, pulando em uma nave que passava e escapando para o submundo de Coruscant.[115]

Como Tarkin declarou que estava sendo acusada de sedição, Yoda designou Anakin e Plo Koon para procurar Ahsoka, com alguma resistência de Windu—que não acreditava que Skywalker estivesse emocionalmente desapegado para fazer o que precisava ser feito. No entanto, quando ela foi capturada, Anakin a escoltou até o templo,[116] onde mais tarde foi convocado à Câmara de Julgamento junto com sua Padawan. Ele ficou indignado ao saber que o Conselho já havia tomado sua decisão e que a reunião era simplesmente uma formalidade, especialmente depois deles expulsarem Ahsoka da Ordem. Ressentido com o Conselho, ele pediu à esposa, Padmé Amidala, para defender sua ex-Padawan no julgamento dela antes de sair para capturar Ventress, quem Ahsoka teve contato no seu tempo pelo submundo de Coruscant, e quem a Padawan havia dito que a atacou pouco antes de ser presa pelos clones, acreditando que era ela por trás da morte de Letta e do bombardeio.[117]

Anakin logo encontrou e interrogou Asajj, que admitiu que estava prestes a entregar Ahsoka às autoridades para ganhar a recompensa posta sob ela ao ficar desaparecida, até que ela percebeu que Tano havia sido abandonado por Skywalker e pela Ordem Jedi, assim como ela havia sido abandonada por Dookan.[82] Ela também disse que quem atacou Ahsoka havia roubado seus sabres de luz e que Ahsoka havia contatado Barriss Offee para obter ajuda. Prometendo matar Ventress se ela mentisse, Anakin partiu para o Templo, onde ele foi aos aposentos de Barriss e a interrogou, levando os dois a duelarem. Depois de derrotá-la, Anakin levou Barriss para a base militar da República, onde Ahsoka estava sendo julgado. Depois de Offee confessar estar por trás do bombardeio e da morte de Letta, todas as acusações contra Ahsoka foram tiradas.[117]

Ahsoka deixa a Ordem e Anakin.

De volta ao templo, Anakin e o Conselho pediram desculpas a Ahsoka e a convidaram para voltar à Ordem, com Anakin oferecendo sua trança Padawan cortada. No entanto, ela pediu desculpas, deixando-o na posse da trança e recusando a oferta. Ao deixar o templo, Anakin a seguiu e pediu que reconsiderasse. Ahsoka, no entanto, declarou que sentia que não poderia ficar com a Ordem, devido à falta de confiança nela. Apesar dos protestos sinceros de Skywalker e sua menção de que ele próprio havia pensado em deixar a Ordem antes, ela escolheu ir embora.[117] A partida de Ahsoka teve um impacto profundo em Anakin, deixando-o mais sozinho do que nunca em suportar as expectativas de ser o Escolhido.[118] As circunstâncias em torno da partida dela também serviram para intensificar sua frustração com o Alto Conselho, pois ele sentiu que a haviam traído por não apoiar sua inocência.[21]

Conspiração em Kamino

"Ele está nessa! Eu... eu não sei o quanto. Mas eu sei que ele está orquestrando a coisa. Ele me contou isso na enfermaria."
"Ele te contou?! Quando você tentou assassiná-lo?! Você foi longe demais, Fives. O Chanceler não seria capaz do que está dizendo."
―Fives e Anakin, sobre o Chanceler estar envolvido na conspiração dos chips inibidores[fonte]

Skywalker, ao lado das Generais Jedi Tiplar e Tiplee, foram enviados para assumir o controle da estação Separatista de Ringo Vinda sob controle do Almirante Trench. Somente após sete rotações de combate obsoleto, eles conseguiram levar as forças de Trench a um ponto de ruptura. No entanto, um dos soldados de Skywalker, Tup matou intencionalmente a General Tiplar, forçando Anakin a ordenar que as tropas dele e de Tiplee recuassem. Ele então mandou verificá-lo para ver se ele havia sofrido uma lavagem cerebral pelos Separatistas, mas não encontrou nada nele, mesmo quando repetia sem parar "Bons soldados seguem ordens", além de aparente amnésia. Embora ele não tenha encontrado nada no soldado, Anakin mandou Tup para Kamino para um exame mais aprofundado.[119]

Depois que a nave que transportava Tup foi destruída e ele foi preso por Trench, Anakin investigou os destroços. Vendo que Tup não estava entre os mortos, ele decidiu se infiltrar nas linhas Separatistas. Ao lado de Rex e Fives, Anakin alcançou o hangar do Separatista e viu que o Comandante Kraken tinha Tup a bordo de sua nave. Skywalker e os outros embarcaram nela e destruíram a tripulação droide de Kraken, incluindo o próprio Comandante, que se recusou a revelar por que eles haviam sequestrado Tup. Skywalker então mandou Tup ser levado a Kamino com Fives e Rex como escolta.[119]

Anakin e Rex são presos por Fives.

Após a saída da 501ª Legião de Ringo Vinda,[120] e a morte de Tup em Kamino,[121] Skywalker e o Alto Conselho foram informados por Shaak Ti que Fives tentou matar o Chanceler. Mace Windu, ciente de que os Jedi não foram convidados a participar da caçada, permitiu que Anakin e Rex procurassem secretamente o clone. Eles logo foram contatados por Kix, que lhes disse que Fives queria encontrar os dois em um armazém no Nível 1325. Quando Anakin e Rex foram ao local, eles largaram suas armas a pedido de Fives. Depois de fazer isso, eles foram cercados por um escudo de raios, o que levou Anakin a questionar as ações do Soldado ARC, mas ele e Rex ouviram o lado da história do clone. Skywalker se recusou a acreditar que o Chanceler estava envolvido na conspiração que Fives afirmava, sobre os chips inibidores que mantinham clones sob controle, mas a conversa foi interrompida pela chegada da Guarda de Coruscant. Anakin assistiu enquanto eles atiraram em Fives, morrendo nos braços de Rex.[120]

Ele relatou o evento a Yoda, Windu, Shaak-Ti e o Chanceler, que rapidamente mentiu para os Jedi, afirmando que Tup e Fives haviam sido corrompidos por um parasita de Ringo Vinda, causador da deterioração de seus chips; Palpatine pediu aos Jedi que deixassem o assunto para trás, pois a cada dia eles cresciam "cada vez mais perto da vitória".[120]

O retorno de Clovis

"Anakin, eu entendo perfeitamente o que está acontecendo. Você conheceu Satine. Sabe que eu nutria sentimentos por ela. Não que seja proibido ter esses sentimentos. Isso é natural."
"Eu e a Senadora Amidala somos apenas amigos."
"E devem permanecer assim. Como Jedi, é fundamental fazer a esolha certa, Anakin, pela Ordem."
"Eu conheço minhas responsabilidades."
―Obi-Wan e Anakin, discutindo sobre Clovis voltar a trabalhar com Padmé[fonte]

Durante a missão de sua esposa em Scipio e seu subsequente reencontro com Rush Clovis, quando ela foi acusada de sabotagem levando sua assessora Teckla Minnau a ser morta, Anakin foi enviado para proteger Padmé, mas ficou chateado ao saber que Clovis estava envolvido. No entanto, ele concordou em ajudá-la e juntos foram à residência de Clovis para ajudar a expor a corrupção do Clã Bancário. Quando estavam prestes a partir junto com Clovis, Skywalker defendeu os dois Senadores do caçador de recompensas Embo e seu anooba de estimação, Marrok. O trio conseguiu escapar de Embo, graças a R2-D2, e seguiu para Coruscant.[122] Acompanhados por Yoda, eles se encontraram com Palpatine e outros membros do Conselho Jedi, e com o Senador Bail Organa, durante o qual a animosidade de Anakin com Clovis foi percebida por Yoda.[123]

Anakin atacando Clovis no apartamento de Padmé.

Como Padmé foi mandada pelo Chanceler a trabalhar em estreita colaboração com Clovis para investigar o Clã Bancário, Anakin questionou sua decisão, pois a queria longe dele. Embora ele exigisse que ela se afastasse de sua missão, ela recusou e continuou trabalhando com Clovis. Frustrado, Skywalker foi para seus aposentos, onde Kenobi falou com ele, revelando que estava ciente dos sentimentos de Anakin por Padmé, e pediu a seu ex-aprendiz que não se deixasse levar por eles. Mais tarde naquela noite, Anakin foi ao apartamento de sua esposa, onde encontrou Clovis prestes a beijá-la, fazendo-o o estrangular com a Força—antes de lhe bater apesar dos protestos de Padmé.[123]

Depois de Anakin retomar o controle, o Capitão Typho logo entrou no quarto e perguntou o que aconteceu, com Clovis respondendo que foi atacado por algum invasor e foi salvo por Anakin. Enquanto carregavam Clovis para o quarto de Pamdé, Anakin tentou se desculpar com sua esposa, mas ela lhe disse para ficar longe. Somente quando ficaram sozinhos mais tarde, ela questionou o casamento, cheio de mentiras e decepções, e decidiu que eles iriam se afastar depois de admitir não se sentirem seguros em torno de Skywalker—que, por sua vez, admitiu não poder se controlar, mesmo que ele não soubesse o porquê.[123]

Clovis eventualmente conseguiu expor a corrupção do Clã Bancário e se tornou o novo chefe da organização. Anakin contou suas desconfianças sobre Clovis ao Chanceler, que também as compartilhava, mandando o Cavaleiro Jedi ficar de olho nele.[123] Quando Clovis aparentemente se juntou aos Separatistas no dia seguinte—que Skywalker achou estranho—e Scipio foi ocupado por Dookan, Anakin foi então enviado para retomar o planeta. Após o pouso, ele foi ao escritório de Clovis e tentou argumentar com ele para fazê-lo largar Pamdé—quem ele usava de refém. Naquele exato momento, porém, um droide abutre caiu no escritório, tornando-o instável e causando a queda de Padmé e Clovis, mas Anakin conseguiu agarrar os dois, cada um com uma mão. Como ele não conseguia levantar os dois, Clovis disse a ele para soltá-lo, mas ele não o fez; Clovis então pediu desculpas a Padmé e depois soltou Anakin, caindo para a morte. Embora o casal tenham se reconciliado, o Clã Bancário ficou sob o controle do Chanceler.[124]

Segredo de Zaifo-Vias

Depois que o Mestre Jedi Plo Koon interceptou um pedido de socorro de uma nave perdida e descobriu o sabre de luz de Zaifo-Vias, o falecido Jedi que foi responsável pela criação secreta do Exército Clone. Relançando a investigação da morte de Zaifo, Anakin e Obi-Wan foram enviados para Felucia, onde conversaram com os líderes tribais para descobrir o que aconteceu com o falecido Mestre Jedi. Foi dito a Kenobi que os Felucianos haviam cremado seu corpo e que outro Jedi estava com ele quando ele foi morto e relatou suas descobertas ao Mestre Yoda.[125]

Anakin e Obi-Wan investigam a morte de Zaifo-Vias.

Logo, os dois foram enviados a Oba Diah quando o ex-Chanceler Finis Valorum disse a Yoda que Zaifo-Vias havia sido enviado para negociar com o Sindicato Pyke para parar uma guerra no submundo. Valorum, no entanto, disse que não havia outros Jedi enviados ao lado de Zaifo-Vias, mas sim seu assessor pessoal Silman. Em Oba Diah, Obi-Wan e Anakin conheceram Lom Pyke, que negou qualquer envolvimento até Kenobi perceber que ele estava usando um colar com o brasão de Valorum. Anakin pegou o colar e disse ao Pyke para "parar de brincar". Lom finalmente concordou em dizer aos Jedi que eles haviam sido pagos por um homem chamado Tyranus para abater a nave de Zaifo-Vias. No entanto, como temiam que alguém que pagasse a morte de um Jedi fosse perigoso, mantiveram Silman trancado por dez anos como seguro.[125]

Uma vez que eles encontraram Silman, eles perceberam que ele tinha enlouquecido depois de ficar preso por tanto tempo, e foram incapazes de descobrir muito com ele antes de Dookan chegar para matá-lo diante dos olhos de Anakin e Obi-Wan. Depois de envolverem com Dookan em combate, eles descobriram que o homem chamado Tyranus era, de fato, o Conde. Após a luta, ele conseguiu escapar, e os Jedi informaram o Conselho de suas descobertas, apenas para questionarem o por que Dookan estava por trás da criação do exército de clones e qual era o jogo do Lorde Sombrio Sith ainda não identificado.[125]

Crise em Utapau

"Como você dormiria sabendo que eu falhei com você?"
"Não muito bem, eu imagino. Por sorte, isso não aconteceu, e nunca acontecerá."
―Anakin Skywalker e Obi-Wan Kenobi[fonte]

Durante os últimos meses da guerra, Obi-Wan Kenobi e Anakin Skywalker foram enviados para Utapau para investigar a misteriosa morte da Mestre Jedi Tu-Anh. Depois de desembarcarem em Pau City, o Inspetor Jen June os levou para verem o cadáver no necrotério. Depois de examinar o corpo, eles foram para o local onde ela fora encontrada, apenas para determinar que ela havia sido atingida no nervo óptico com um dardo de precisão por um atirador de elite. Ao encontrarem a posição do atirador, do proprietário do edifício, Garri, os dois Jedi descobriram o envolvimento de MagnaGuardas e começaram a suspeitar de General Grievous estar por trás do assassinato. Eles fizeram o Inspetor June analisar uma substância viscosa que haviam encontrado na posição do atirador—a secreção da pele de um Amani.[126]

Embora o governador Torul Blom tenha pedido que eles deixassem Utapau, Obi-Wan e Anakin continuaram a investigar. Eles alugaram dois dactillions para conversar com o líder de uma tribo Amani, que revelou que um pária Amani havia entrado em uma das cavernas. Os dois Jedi entraram nela apenas para encontrar MagnaGuardas. Apesar de alguma resistência, eles conseguiram que os droides revelassem o envolvimento dos Sugi na trama, e foram ver o Inspetor June mais uma vez. Logo depois, os dois compareceram ao funeral de Tu-Anh.[126]

Quando chegaram ao assentamento Amani que procuravam, os seres se dispersaram, deixando Anakin e Obi-Wan seguirem as trilhas de um que parecia ser o líder deles. Durante a caçada, Skywalker mencionou Ahsoka pela primeira vez desde sua partida, e Kenobi perguntou se ele queria falar sobre isso, mas Anakin recusou. Obi-Wan então sugeriu que montassem um acampamento e descansassem. No entanto, ele insistiu no assunto, levando Anakin a dizer que sentia falta de Ahsoka e a expressar sua raiva do Alto Conselho por lhe dar as costas. Para aborrecimento de Anakin, Obi-Wan ficou ao lado da autoridade do Conselho, afirmando que tinha sido a decisão de Ahsoka sair e que ela havia permitido que suas emoções obscurecessem seu julgamento, algo contra o caminho Jedi. Logo, Kenobi sugeriu que descanse, mas Anakin recusou para que ele pudesse ficar de vigia. Finalmente, ele questionou Obi-Wan sobre o que aconteceria se ele se revelasse uma "grande decepção", mas seu ex-mestre queria acreditar que isso nunca aconteceria.[127]

No entanto, os dois adormeceram e foram capturados por um grupo de Sugis liderados por Chong, que os trouxe diante de Endente quando Obi-Wan disse a Chong sua "intenção" de comprar armas. Eles descobriram que Endente estava, de fato, vendendo um cristal kyber, e Anakin o convenceu a mostrá-loa antes de fazerem um acordo. Levados para a nave estelar onde o cristal estava sendo mantido, eles escaparam de seus captores, e Skywalker eliminou todos os Sugi, exceto Endente, que fugiu. Depois de descobriram o enorme cristal kyber dentro da nave,[127] os dois Jedi conseguiram transportá-lo pelas planícies de Utapau até chegarem a Pau City, onde Blom colocou os dois Jedi cercados com seus homens e os droides de Grievous. Quando o cristal kyber foi carregado em uma nave Separatista e enviado para um cruzador em órbita, Kenobi e Skywalker escaparam de seus captores e roubaram um cargueiro para recuperar o cristal.[128]

Durante a perseguição, Grievous danificou sua nave, fazendo Anakin colidi-la no hiperdrive do cruzador Separatista enquanto deixaba no piloto automático, e usando as cápsulas de fuga para saírem de lá e embarcarem no cruzador. No entanto, os pods de fuga os fizeram se separar, e Kenobi foi capturado por Grievous. Anakin recuperou seu sabre de luz, localizou o cristal e libertou Obi-Wan rapidamente. Juntos, eles foram para o cristal kyber no cofre, onde ficaram temporariamente presos até que um esquadrão de droides os descobriram. Usando o cristal e a Força para nocauteá-los, eles conseguiram carregar o cristal até um hangar, onde Skywalker roubou uma nave para escapar. Enquanto isso, Obi-Wan programou vários AATs para disparar e sobrecarregar o cristal, destruindo o cristal e a nave, enquanto eles escapavam da explosão em pouco tempo e voltavam para Coruscant para se reportar ao Conselho.[24]

Despedida de Amidala

Antes Padmé partir para uma missão, Anakin insistiu em acompanhá-la, com sua esposa dizendo que era só uma missão diplomática para Duro, não precisando de uma presença Jedi como proteção. Após a garantia de Padmé, Anakin concordou em permanecer em Coruscant, beijando-a antes dela ir. Ele ficou surpreso quando percebeu que a criada de Amidala, Moteé, havia testemunhado sua demonstração de afeto, embora Padmé tenha assegurado a Amakin que Moteé compreendia o que era discrição.[129]

A missão de Vos

Anakin, a pedido de Obi-Wan, estava presente em uma reunião do Conselho Jedi onde testemunharam por holograma Dookan massacrar o povo Mahran. Após este incidente, o Conselho decidiu tomar medidas drásticas, considerando executar o Conde. Para esta tarefa, foi encarregado ao Mestre Jedi Quinlan Vos de assassinar o Conde com a ajuda de Asajj Ventress, que conhecia o Sith melhor do que ninguém. Mas, durante uma missão a Raxus, o Jedi se voltou para o lado sombrio devido às manipulações de Dookan e ao treinamento de Ventress que o deixou no limite. Ela tentou uma missão de resgate a Vos, que falhou e a levou a entrar em contato com o Conselho Jedi. Quando ela chegou ao Templo, Anakin e Obi-Wan a escoltaram até a Câmara do Conselho, onde, apesar da desaprovação aberta de Mace Windu, Yoda despachou Skywalker e Kenobi para irem com Ventress ao resgate de Vos do lado sombrio, acima de Taris. Logo, Ob-Wan, Anakin e Asajj estavam no cockpit de sua nave, o Banshee, para se infiltrar no cruzador Separatista do qual Vos, recentemente chamado de "Almirante Enigma" pela propaganda Separatista, estava emitindo ordens.[130]

Disfarçadamente, os três subiram a bordo da nave e foram para a ponte, onde encontraram Dookan, em vez de Vos. Anakin então se envolveu em um duelo com o Conde, distraindo-o enquanto Obi-Wan e Asajj descobriam Vos em cativeiro. Embora Ventress soubesse que Vos estava consumido por seu ódio e não era o mesmo, eles escaparam para o Banshee, com Anakin se juntando a eles a tempo para escaparem e retornarem a Coruscant. De volta ao Templo Jedi, Skywalker viu como o Conselho recebeu Vos de volta e perdoava Ventress. Naquela mesma noite, Anakin se reuniu com sua esposa, Padmé, em um momento de descanso, durante o qual ele contou a ela sobre a missão, e como Ventress não quis reatar com ele, alegando não o conhecer mais. Amidala afirmou que talvez o amor por Ventress tivesse sido o caminho de Vos ao lado sombrio, deixando Skywalker sem palavras.[130]

Um mês depois, Anakin foi enviado ao lado de Obi-Wan, Vos e Akar-Deshu em uma missão para assumir uma base Separatista de armazenamento de suprimentos e redistribuir os suprimentos para os mundos necessitados. No entanto, sua missão deu errado quando Vos, sem o conhecimento deles, organizou a destruição da base. Depois de outra missão fracassada junto a Vos, ele se tornou suspeito de traição pelo Conselho, que acreditavam que Ventress estava certa e ele ainda estava no lado sombrio. Skywalker e Kenobi foram enviados para espionar Vos e Ventress quando foram enviados para assassinar Dookan durante a segunda batalha de Christophsis. Quando eles viram Vos tentar forçar o Conde a levá-lo ao seu mestre, Darth Sidious, em vez de matá-lo, Anakin e Obi-Wan intervieram, pegando o par de surpresa e prendendo-os.[130]

No entanto, Vos e Dookan logo escaparam da Vigilance, causando a morte de Akar-Deshu e Kav Bayons, e embarcaram na nave de Ventress, a Banshee, para escapar de Christophsis. Anakin disparou na Banshee, forçando os renegados a pousar no planeta. Ele e Kenobi perseguiram os três fugitivos feridos até uma torre controlada pelos Separatistas, onde os cercaram. Lá, Skywalker e Kenobi testemunharam os últimos momentos de Ventress, sacrificando-se para salvar Vos do fatal relâmpago da Força de Dookan. Após sua morte, Anakin e Obi-Wan se juntaram a um Vos redimido, e eles tentaram capturar Dookan, sem sucesso. Eles então transportaram o corpo de Ventress e Vos para Coruscant, onde o Jedi caído confessou seus crimes e foi aceito pelo Conselho.[130]

Batalha de Anaxes

"Diga a sequência para desarmar a bomba!"
"Nunca! Dookan me mataria se eu perdersse Anaxes."
"E você acha que eu não?"
"Você é um Jedi. A sua nobreza..."
"Eu não tenho essas fraquezas!"
―Anakin e Trench — (audio)Ouça (arquivo)[fonte]

Anakin Skywalker durante a Batalha de Anaxes.

Anakin foi despachado ao lado de Mace Windu para participar da Batalha de Anaxes para defender os estaleiros da República no planeta. Com perdas crescentes no lado da República, o Capitão Rex disse a Skywalker e Windu sua teoria de que os Separatistas haviam aprendido sua própria estratégia. Considerando essa possibilidade, Mace enviou Rex e o Comandante Cody para tomar um esquadrão, e o Força Clone 99, atrás das linhas inimigas, para se infiltrar no Centro Cibernético Separatista enquanto ele e Anakin mantinham a linha de frente da batalha.[131] A equipe geral foi informada sobre a possibilidade de enviar uma missão a Skako, e Skywalker tinha certeza de que o Alto Conselho Jedi a aprovaria. O Sargento clone "Hunter" também declarou que Os Mal-Feitos os acompanharia. Embora Rex estivesse ansioso para ir, Skywalker informou que eles tinham uma "coisa" a fazer e, embora Rex sentisse que não tinha tempo, ambos foram para o quartel. Rex permaneceu do lado de fora vigiando enquanto Anakin, segurando o capacete de Rex, entrou em contato com Padmé. Ele pediu desculpas por estar atrasado, e conversaram. Enquanto isso, Obi-Wan Kenobi se aproximou de Rex, que bateu na porta para acelerar Skywalker. Anakin contou a sua esposa que estava preocupado com seu Capitão, com o fato de Rex estar deixando seus sentimentos pessoais levá-lo demais na missão, embora Padmé acreditasse que Rex havia aprendido essa característica com ele. Lá fora, ele tentou mentir a Obi-Wan sobre o que Anakin estava fazendo. Logo, ele sau de lá e devolveu o capacete de Rex à seu dono, partindo para Skako, embora Kenobi tenha revelado que sabia que ele estava conversando com Padmé.[132]

Quando chegaram a Skako, Skywalker foi capturado pelos Poletec em suas keeradaks, levando Rex e os Mal-Feitos a segui-los até a vila e resgatar o General Jedi. Eles pediram desculpas e explicaram a situação, e o chefe os ajudou a alcançar Purkoll, que eles se infiltraram com algum esforço. Quando chegaram à antecâmara, Wat Tambor enviou uma transmissão dizendo que haviam violado a neutralidade da União Tecnológica, enviando reforços de droides para atacá-los. Enquanto Skywalker, Hunter, Wrecker e Crosshair os destruíam, Rex e Tech encontraram Echo—o soldado ARC que caiu durante o resgate na Cidadela—vivo, mas como um ciborgue. Suas informações confidenciais e planos que ele havia criado com Rex haviam sido roubados pela União Tecnológica e usados pelos Separatistas.[132]

Anakin, Rex, Echo e os Mal-Feitos.

Tech conseguiu tirar Echo dos computadores que roubavam suas informações e fugiram de volta aos Poletec. Rex contou a eles que, apesar de escolherem neutralidade, a União Tecnológica entrou na guerra e agora o povo Poletec precisava escolher também. Se unindo a República, eles conseguiram combater o ataque Separatista, levando Echo de volta, apesar das suspeitas de alguns membros dos Mal-Feitos—que ainda acreditavam que ele trabalhava para os Separatistas.[133]

Anakin usou de violência para tirar informações de Trench.

Echo deu a ideia de atacar o cruzador de Trench enquanto Mace Windu e Kenobi atacavam o complexo Separatista em Anaxes. Assim, dentro do cruzador, Echo poderia obter informações de dentro enquanto ajudava a República a vencer a batalha. Skywalker acompanhou os Mal-Feitos e Rex até o cruzador de Trench, onde Echo enviou um sinal para que os droides atacassem o complexo onde Kenobi e Windu estavam, apenas para destruí-los com um pulso poderoso, eliminando a ameaça quase por completo. Logo, ele descobriu uma bomba no complexo que destruiria boa parte de Anaxes, e Mace foi desativá-la enquanto Echo passava os números de cancelamento. Anakin foi até Trench para consegui-los mais rápido. O Almirante Separatista conseguiu causar um pulso elétrico onde Echo estava conectado, fazendo-o desmaiar, e deixando Windu sem o último número. Anakin logo chegou a ponte, derrotando os droides e torturando Trench ao cortar seus membros. Ele então ameaçou matá-lo caso não desse o número que Mace precisava. Ao consegui-lo, a bomba foi desativada e Anakin matou Trench. Com o fim da batalha de Anaxes, Echo se juntou aos Mal-Feitos.[134]

Dias finais da guerra

Cato Neimoidia e Yerbana

"Tudo bem, fica me devendo uma. E não por ter te salvado pela décima vez."
"Nona vez. Aquela confusão em Cato Neimoidia não... não conta. Vejo você na reunião."
―Anakin e Obi-Wan, sobre uma confusão em Cato Neimoidia — (audio)Ouça (arquivo)[fonte]

Em algum momento antes da Batalha de Coruscant, Anakin e Obi-Wan estavam envolvidos em um incidente em Cato Neimoidia. Segundo Skywalker, ele salvou seu ex-mestre durante este evento, embora Obi-Wan sentisse que não era esse o caso.[8]

Durante os últimos dias da guerra, Anakin e Obi-Wan foram enviados para Yerbana para derrubar as forças Separatistas no planeta. A luta fez com que Skywalker e Kenobi dividissem seus respectivos batalhões em duas frentes. Anakin e a 501ª Legião derrotaram o Exército Droide Separatista, então ele foi ajudar Obi-Wan e o 212º Batalhão de Ataque, que estavam sofrendo pesadas baixas com o conflito em andamento. Enquanto Kenobi e o Comandante Cody estavam se protegendo das explosões, Anakin interveio e convenceu seu Mestre a seguir seu plano. Ele fingiu uma rendição para atrair o comandante droide, que viu através das mentiras do Cavaleiro Jedi; no entanto, era tarde demais, pois Skywalker usou suas habilidades de Força para destruir o comandante, permitindo que a 501ª Legião liderada pelo Capitão Rex fizesse uma emboscada surpreendente no resto do exército dos droides, encerrando o conflito.[135]

Logo depois, o Almirante Yularen chamou Anakin e Obi-Wan de volta ao cruzador, afirmando que alguém com o codinome "Fulcrum" estava tentando contatá-los. Skywalker suspeitou que seria Saw Gerrera com problemas no cerco em seu planeta, mas o Almirante negou e insistiu que eles viessem pessoalmente para ver.[135]

Último encontro

"Você captura Maul. Eu cuido do Grievous. E com sorte, tudo vai acabar logo."
―Anakin para Ahsoka, antes de partirem para suas missões[fonte]

Antes de partir, Anakin devolveu Ahsoka seus sabres, com cristais azuis ao invés dos antigos verdes.

Chegando na nave, Anakin e Obi-Wan foram recebidos com um holograma de Ahsoka Tano e Bo-Katan Kryze, que afirmavam ter informações de Maul. Ao recebê-las em seu cruzador, Ahsoka evitou cumprimentar Anakin e Obi-Wan até explicar a séria situação que ela e Kryze se encontravam. Elas explicaram que Maul dominava Mandalore com seu sindicato criminoso, mas que com a ajuda da República, os Mandalorianos de Bo-Katan poderiam cercar o planeta e derrotar o ex-Lorde Sith. Apesar de querer ajudar, Kenobi foi forçado a ver o Conselho Jedi antes. Sozinho com Ahsoka, Anakin a levou para mostrar uma surpresa. Ele e Rex mobilizaram alguns homens da 501ª a criar uma divisão da Ahsoka, com capacetes laranjas. Enquanto conversavam, Obi-Wan retornou rapidamente a Anakin, afirmando que Grievous atacava Coruscant, e que Shaak-Ti foi enviada para proteger o Chanceler. Sendo obrigado a dividir a 501ª Legião em duas, dando a Rex o posto de Comandante para que ele pudesse ajudar Ahsoka ao Cerco de Mandalore, Anakin e Obi-Wan partiram para Coruscant.[135]

Batalha sobre Coruscant

"Eu sinto o Conde Dookan."
"Eu sinto uma armadilha."
"O que faremos?"
"Cair na armadilha."
―Anakin Skywalker e Obi-Wan Kenobi, ao entrar na Mão Invisível — (audio)Ouça (arquivo)[fonte]

Anakin e Obi-Wan enfrentaram muitos droides para chegar até Palpatine na Mão Invisível.

Deixando os cercos na Orla Exterior,[8] assim como Ahsoka Tano,[136][137] Anakin e Obi-Wan foram até a Batalha de Coruscant para resgatar o Chanceler Palpatine, preso no cruzador Mão Invisível de Grievous. A batalha já ocorria fora do planeta, com milhares de naves lutando entre si enquanto a dupla de Jedi passava com seus caças classe Actis Eta-2 passava pelo fogo cruzado. Depois de uma intensa batalha, Anakin e Obi-Wan conseguiram tirar os escudos do hangar da Mão Invisível, e destruir os droides presentes. R2-D2 mostrou que Palpatine estava na torre de observação no alto do cruzador, e os Jedi sentiram uma armadilha de Conde Dookan no caminho.[8]

Confronto na Mão Invisível

"Ele era um prisioneiro desarmado. Eu não devia ter feito isso, eu sou um Jedi."
―Anakin Skywalker, ao matar Conde Dookan — (audio)Ouça (arquivo)[fonte]

Anakin desarmou Dookan e roubou seu sabre de luz, antes de executá-lo.

Anakin e Obi-Wan conseguiram subir até a sala onde Palpatine era mantido prisioneiro. Após cumprimentá-lo, Conde Dookan surgiu com dois super droides de batalha. Exigindo que os Jedi se rendessem, Obi-Wan pediu para seu ex-aprendiz que lutassem juntos desta vez. Seguindo o conselho de seu mestre, eles duelaram. Dookan rapidamente deteve Kenobi, deixando-o inconsciente e prendendo debaixo de uma sacada derrubada pela Força. Anakin logo usou sua raiva contra o Conde, conseguindo cortar ambas as mãos dele e roubar seu sabre, prendendo-os em volta de sua cabeça. Ele pensou em levá-lo como prisioneiro, até Palpatine ordenar sua execução. Anakin o fez, apesar de seus conflitos internos, afirmando ser um Jedi e que aquilo não era correto. Palpatine tentou acalmá-lo, dizendo que era natural ele querer vingança após Dookan cortar seu braço.[8]

Apesar de Palpatine pedir que deixasse Obi-Wan para trás, dizendo que ele os atrasaria, Anakin o carregou até os elevadores. No entanto, os elevadores que saíam da torre haviam sido desativados. Com a ajuda de R2 e o ataque ocorrido na Mão Invisível por um cruzador da República próximo, eles conseguiram escapar no poço do elevador até que a tripulação da nave pudesse recuperar o controle da Mão Invisível, restaurando sua gravidade e girando o eixo mais uma vez. Obi-Wan recuperou a consciência enquanto eles estavam pendurados dentro do poço e juntos, ele e Anakin foram capazes de escapar do poço assim que um elevador reativado estava prestes a esmagá-los. No entanto, sua boa sorte acabou quando foram presos por um escudo de raios, juntamente com R2, pego por droides de batalha.[8]

Anakin conhece Grievous.

Os dois Jedi e o Chanceler foram enviados a Grievous, que finalmente conheceu Anakin cara-a-cara, afirmando que esperava que ele fosse mais velho, enquanto o Jedi afirmou estar desapontado com a altura do General Separatista. Durante uma confusão criada por R2, Anakin e Obi-Wan recuperaram seus sabres de luz e começaram a destruir os droides presentes na sala. O General Grieovus conseguiu escapar, deixando os Jedi para manterem o controle da Mão Invisível que estava prestes a cair em Coruscant. Anakin foi capaz de nivelar a nave para uma aterrissagem mais segura, salvando a vida de Obi-Wan e Palpatine.[8]

Padmé grávida

"Você está bem? Está tremendo. O... o que houve?"
"Uma coisa maravilhosa aconteceu. Ani, eu estou grávida."
"...Isso... é... isso... isso é maravilhoso."
"O que nós vamos fazer?"
"Não vamos nos preocupar com isso agora, tá bom? Hoje é um dia muito feliz. É o dia mais feliz da minha vida."
―Anakin Skywalker e Padmé Amidala, sobre sua gravidez — (audio)Ouça (arquivo)[fonte]

Anakin descobre a gravidez de Padmé.

Retornando ao Senado Galáctico, Anakin ficou com Palpatine, Organa e outros políticos enquanto Obi-Wan retornava ao Conselho Jedi para fazer um relatório da situação. Logo na entrada, ele encontrou Padmé esperando por ele, onde ela revelou estar grávida. Novamente tomado por emoções conflitantes, Anakin disse para eles não se preocuparem com aquilo no momento, e que era o dia mais feliz de sua vida.[8]

Mais tarde naquela noite, o casal foi até o apartamento de Amidala, onde ela afirmou seu desejo de ter a criança em Naboo. Enquanto dormiam, Anakin teve um pesadelo com a morte de sua esposa durante o parto, o que o fez despertar no meio da noite e deixar o quarto. Padmé acordou e perguntou o que houve, e seu marido respondeu a verdade, afirmando que não vai deixar o pesadelo se tornar realidade. Padmé no entanto, o garantiu que era só um sonho, e que não iria morrer no parto.[8]

"Cuidadoso deve ser, quando o futuro sentir, Anakin. O medo da perda, é um caminho para o lado sombrio."
"Não vou deixar essas visões virarem realidade, Mestre."
"Uma parte natural da vida, a morte é. Por aqueles ao seu redor, que na Força se transformam, alegre-se. Lamentar, jamais. Sentir falta, jamais. Apego leva a inveja. A sombra da cobiça, ele é."
"O que devo fazer, Mestre Yoda?"
"Treinar você deve para se libertar, de tudo que teme perder."
―Yoda para Anakin Skywalker, sobre suas visões — (audio)Ouça (arquivo)[fonte]

Anakin buscou conselhos de Yoda, que lhe aconselho a treinar para deixar o que teme perder.

Na manhã seguinte, Anakin buscou conselhos de Yoda, que lhe disse para treinar para se libertar de tudo que temia perder. Logo, Anakin foi até uma reunião com Obi-Wan sobre os cercos na Orla Exterior, onde chegou atrasado. Kenobi lhe contou que estavam indo bem e que Palpatine tinha pedido mais poderes para o Senado, o que Anakin concordou, argumentando que seria menos burocracia e mais ação. O seu ex-Mestre o avisou sobre a amizade de Anakin com Palpatine, e contou que o Chanceler o esperava no seu escritório para uma reunião particular.[8]

Mestre Jedi

"Você está no Conselho, mas ainda não o consagramos Mestre."
"O quê...? Como podem fazer isso? É um absurdo! Não é justo. Como um Jedi pode estar no Conselho, e não ser Mestre?"
"Sente-se, jovem Skywalker!"
―Mace Windu e Anakin Skywalker, discutindo sobre sua promoção — (audio)Ouça (arquivo)[fonte]

Anakin entrando no Conselho a pedido do Chanceler Palpatine.

Em seu escritório, Palpatine pediu a Anakin que se tornasse seu represente pessoal dentro do Alto Conselho Jedi, sendo sua voz nos assuntos internos da Ordem. Anakin ficou lisonjeado, pois acreditava que se fosse aceito no Conselho, se tornaria um Mestre Jedi. Ao dar as notícias aos membros, o Alto Conselho reconheceu Skywalker como um membro, mas não lhe deu o cargo de Mestre Jedi. Anakin ficou furioso, mas Mace Windu o acalmou, mandando-o sentar-se. O Conselho então prosseguiu para falar sobre o ataque droide aos Wookiees, enviando o Grão-Mestre Yoda para cuidar da situação.[8]

Mais tarde, Anakin reclamou com Obi-Wan sobre o ocorrido, e seu ex-Mestre lhe contou que o Conselho desconfia de Anakin por sua forte amizade com o Chanceler, e que este também é o motivo de terem aprovado Anakin no Alto Conselho. Confuso, ele questionou seu amigo, que lhe disse que os outros Mestres pedem para Skywalker uma missão que não deve constar nos registros―espionar o Chanceler. Sabendo que aquilo ia contra o Código Jedi e era traição contra a República, Anakin ficou furioso, e Obi-Wan respondeu que era a vontade do Conselho.[8]

Naquela tarde, Anakin reclamou com Padmé sobre as decisões recentes dos Jedi, e ela se perguntou se eles estavam lutando pelo lado certo nas Guerras Clônicas. Quando ele afirmou que ela falava como uma Separatista, Padmé amenizou a situação e apenas pediu para Anakin falar com Palpatine para terminar logo a guerra. Ele então disse a sua esposa que ela fizesse uma moção no Senado, como deveria se proceder. Sabendo que algo estava errado com seu marido, Padmé apenas o abraçou, tentando acalmá-lo.[8]

Um meio de salvar Padmé

"Já ouviu falar da tragédia de Darth Plagueis, o Sábio?"
"Não."
"Eu achei que não. Não é uma história que os Jedi contaria. É uma lenda Sith. Darth Plagueis era um Lorde Sombrio Sith, tão poderoso e tão sábio, que conseguia utilizar a Força para influenciar os midi-chlorians para criar... vida. Ele tinha tantos conhecimentos sobre o lado sombrio que até conseguia impedir os que lhe eram próximos... morressem. [...]"
"E é possível aprender esse poder?"
"Não com os Jedi."
―Palpatine conta a Anakin a tragédia de Darth Plagueis, o Sábio — (audio)Ouça (arquivo)[fonte]

Palpatine conta a Anakin sobre Darth Plagueis, o Sábio.

À noite, Anakin foi chamado a Casa de Opera Galáctica para se encontrar com Palpatine, que lhe contou que sua inteligência clone localizou Grievous no sistema de Utapau, e pediu que Anakin liderasse a missão. Logo depois disso, ele pediu para que o jovem Skywalker se sentasse a seu lado, e lhe perguntou sobre sua confiança no Conselho, revelando que ele acreditava que os Jedi queriam assumir o poder do Senado. Anakin, apesar de negar, assume que está desacreditado em relação ao Alto Conselho, e quando perguntando o por que, Skywalker ficou sem resposta. Palpatine então lhe questionou se os Jedi lhe pediram para fazer algo imoral, como espioná-lo, e novamente Anakin ficou sem resposta. O Chanceler então lhe contou que todos os que buscam poder, temem perdê-lo, incluindo os Jedi. Quando tentou defender a Ordem, Palpatine lhes comparou aos Sith em sua busca pelo poder maior. Ainda desacreditado no que o Chanceler dizia, seu amigo lhe contou sobre a tragédia de Darth Plagueis, o Sábio. Um antigo Lorde Sith que podia salvar pessoas que lhe eram próximas de morrerem. Anakin perguntou se era possível aprender tal poder, e o Chanceler respondeu que não seria possível enquanto ele fosse um Jedi.[8]

Na manhã seguinte, Anakin contou ao Conselho sobre a descoberta de Palpatine, mas eles não concordaram que Anakin devesse liderar a campanha contra Grievous. Obi-Wan então foi requisitado. Enquanto partia para Utapau, Anakin acompanhou seu ex-Mestre, onde pediu desculpas por sua arrogância e pela maneira de agir recentemente. Kenobi apenas sorriu, dizendo que ele é um Jedi sábio e poderoso, e logo se tornará Mestre, apenas precisava ter paciência. Antes de partir, Anakin se despediu dizendo "que a Força esteja com você".[8]

Queda ao lado sombrio

"Escute-me. Não continue a ser um peão do Conselho Jedi. Desde que o conheci, percebi que busca por uma vida muito maior do que a de um simples Jedi. Uma vida com um significado. De consciência. Você vai me matar?"
"Eu gostaria muito disso."
"Eu sei que sim. Eu sinto forte o seu ódio. Ele te dá foco, e mais poder."
―Palpatine e Anakin — (audio)Ouça (arquivo)[fonte]

Anakin descobre a verdade sobre Palpatine.

Anakin continuou a ter pesadelos com a morte de Padmé. Durante uma reunião com Mace Windu, Yoda, Ki-Adi Mundi e Aayla Secura, Cody contatou os Jedi e contou que Obi-Wan já estava batalhando contra Grievous, em vantagem. Windu mandou Skywalker dar as notícias a Palpatine e ficar de olho em sua reação. Chegando no escritório, Palpatine perguntou por que os Jedi não enviaram Anakin para esta missão. Enquanto conversavam, o Chanceler revelou conhecer a Força, incluindo a natureza do lado sombrio, e que com este poder, ele poderia salvar Padmé de uma morte certa. Chegando a conclusão que Palpatine era um Lorde Sith, Anakin foi até Mace Windu para informá-lo da situação.[8]

Ordem 66

"Agora todo Jedi, incluindo seu amigo, Obi-Wan Kenobi, tornou-se um inimigo da República."
"Eu entendo, Mestre."
"Vamos agir rápido. Os Jedi são implacáveis. Se não forem todos destruídos, será uma guerra civil sem fim. Primeiro, eu quero que vá até os Jedi no Templo. Vamos pegá-los de surpresa. Faça o que deve ser feito, Lorde Vader. Sem hesitação. Sem misericórdia. Somente assim será forte o suficiente com o lado sombrio para salvar Padmé."
―Darth Sidious para seu novo aprendiz, Darth Vader — (audio)Ouça (arquivo)[fonte]

Apesar de sua confusão, Anakin Skywalker ainda era leal à Ordem Jedi. Ele contou a Mace Windu suas descobertas, e Windu partiu com Kit Fisto, Saesee Tiin e Agen Kolar para prender Palpatine, deixando Skywalker para trás. Durante o duelo que se seguiu, Sidious matou com facilidade três dos quatro Jedi, mas foi desarmado por Windu no momento em que Skywalker chegava ao seu gabinete. Anakin pediu a Windu que não matasse Palpatine, dizendo que cabia ao Senado o julgamento dele, mas Windu pensava que era perigoso demais deixar Palpatine vivo, já que ele, na prática, controlava o Senado. Ignorando as palavras de Anakin, Windu se preparou para executar o Chanceler, mas Skywalker interviu e cortou a mão do Mestre Jedi antes que ele pudesse atacar, permitindo que Sidious o atacasse com Relâmpago da Força.[8]

Darth Vader marcha para o Templo Jedi com a 501ª Legião.

Apesar de horrorizado com o que fizera, Skywalker viu sua ação como definitiva e que, a partir dali, não havia retorno. Portanto, relutantemente ele se comprometeu a servir sob seu novo Mestre Sith, Darth Sidious, que deu ao jovem o nome de "Darth Vader"[8], um título que Sidious não deu à toa.[138] O Chanceler, então, declarou que todos os Jedi eram inimigos da República e ordenou a Vader que matasse todos os Jedi no Templo, enquanto ele executava a Ordem 66, que garantia que os soldados clone executassem seus Generais Jedi. Liderando o ataque, Vader e a 501ª Legião executou sua tarefa. O próprio Vader matou desde crianças[8] a Mestres Jedi, tais como Cin Drallig[139], antes de se encontrar com Sidious, que lhe enviaria para Mustafar.[8]

Depois do ataque, ele voltou para conversar com Amidala, a quem ele contou que a Ordem Jedi havia tentado dar um golpe contra à República, para a surpresa dela, e que ele estava a caminho do sistema Mustafar, onde estava o Conselho Separatista. Dizendo a ela que ele estava indo encerrar a guerra, ele lhe deu um beijo e partiu.[8]

Duelo em Mustafar

"Você era o Escolhido! Foi dito que você iria destruir os Sith, não se unir a eles! Traria o equilíbrio da Força, não a jogaria nas trevas!"
―Obi-Wan Kenobi para Darth Vader — (audio)Ouça (arquivo)[fonte]

Em Mustafar, Vader matou todo o Conselho Separatista, incluindo Wat Tambor, Poggle o Menor e Nute Gunray. Simultaneamente, Palpatine anunciava a Nova Ordem em uma sessão de emergência no Senado, afirmando que a Ordem Jedi havia traído a República e reorganizando a República no primeiro Império Galáctico com ele próprio sendo o Imperador. Logo, Vader reportou o sucesso de sua missão a seu mestre; sob suas ordens, Vader enviou um sinal de desligamento para a marinha e exército, efetivamente encerrando as Guerras Clônicas.[8]

Vader, cegado pelo ódio, perdeu o duelo para seu ex-Mestre Obi-Wan Kenobi.

Logo depois, Vader avistou a nave de Padmé, e correu para seu encontro. Entretanto, ela logo percebeu que seu marido havia mudado durante sua busca por poder, e ela implorou que ele parasse, mas Vader percebeu que Obi-Wan havia vindo junto com ela. Furioso e convencido de sua traição, Vader começou a enforcá-la com a Força até que Obi-Wan mandou ele largá-la, deixando-a inconsciente. Embora Kenobi tenha tentado ser racional com seu antigo aprendiz, Vader se recusou a ouvi-lo já que o novo Império era tudo que ele queria para a galáxia. Sem chegarem a um entendimento, e ambos acreditando estarem certos, os dois antigos amigos iniciaram um furioso duelo, que atingiu a instalação separatista em que eles se encontravam. Eventualmente, eles acabaram desativando os escudos dela, o que resultou na sua queda rumo rio de lava abaixo. O duelo se seguiu até rio abaixo, até o momento em que Kenobi conquistou a terra firme e alertou Vader para que ele não atacasse. Cego pela raiva e arrogância, Vader saltou para continuar o duelo, mas Obi-Wan cortou seus membros restantes, deixando apenas seu braço mecânico. Fisicamente acabado, Vader escorregava cada vez mais perto do rio de lava enquanto gritava seu ódio profundo de seu antigo mestre. Kenobi, tomando o sabre de luz de Anakin, contou a ele que o havia considerado como um irmão e que o amava e, com isso, o deixou para morrer ali, no momento em que Vader começou a queimar devido à proximidade com a lava. Obi-Wan deixou o planeta com Padmé, C-3PO e R2-D2.[8]

A ascensão de Darth Vader

"Lorde Vader, pode me ouvir?"
"Sim, Mestre. Onde está Padmé? Ela está a salvo? Ela está bem?"
"Parece que em seu ódio, você a matou."
―Sidious conta a Vader o destino de sua esposa[fonte]

Embora Vader tenha sobrevivido, ele estava horrivelmente ferido, tanto fisicamente quando psicologicamente, e havia danificado severamente os pulmões devido às cinzas quentes no ar. Logo depois, Sidious, que havia sentido que seu aprendiz estava em perigo, chegou a Mustafar, onde ele encontrou Vader e o levou de volta a Coruscant, em uma cápsula médica. Uma vez que o Imperador não poderia perder Vader, ele procurou os melhores cientistas, entre eles Cylo[140] (que ganharia acesso às cibernéticas de Vader devido ao seu envolvimento)[141], e ordenou que Vader fosse colocado em uma armadura preta de suporte à vida, dois dias depois da declaração do Império.[142] Depois de reganhar consciência, Vader perguntou a Sidious o que tinha acontecido com sua esposa, e seu Mestre lhe respondeu que Vader havia a matado em seu ódio. Sem que eles soubessem, porém, Amidala deu a luz aos gêmeos Luke e Leia pouco antes de sua morte.[8]

Vader atacou Sidious após saber da morte de Padmé.

O desespero de Vader então se transformou em raiva e ele telecineticamente lançou o Imperador contra uma parede na baía cirúrgica, gritando que seu mestre havia prometido salvar Padmé. O Imperador, como Vader tentou, sem sucesso, estrangulá-lo com a Força, respondeu que, na morte, Amidala havia dado a Vader um presente: dor. Ele continuou dando a Vader uma escolha; aceitar e usar esse presente ou morrer. Depois de um momento, Vader respondeu que ele viveria. O Imperador imediatamente lançou uma enxurrada de relâmpagos da Força contra seu aprendiz, e exigiu retoricamente que Vader usasse o poder de seu sabre de luz para se defender. Mas ele respondeu que seu sabre de luz havia sido levado por Obi-Wan Kenobi no final do duelo. Enquanto ele continuava seu ataque, o Imperador gritou com raiva que a arma de que Vader falou não era dele. Antes, pertencia a um Jedi, e Vader agora era um Sith. Interrompendo seu ataque de relâmpagos da Força, o Imperador mostrou seu próprio sabre de luz. Ele colocou a lâmina na garganta de Vader e afirmou que entendia o quão traumático os últimos dias haviam sido para seu aprendiz, mas avisou que, se Vader usasse a Força contra ele novamente, ele terminaria o que Kenobi não pôde. O Imperador então desativou sua arma e afirmou que, como amigos, esperava que os dois nunca se encontrassem em uma situação semelhante. Ele instruiu Vader a deixar de lado sua raiva e desejo de vingança contra os Jedi por enquanto, pois os dois tinham muito trabalho a realizar.[143]

Caçada por um sabre de luz

"Sabe porque nossas lâminas são vermelhas, Lorde Vader? [...] Um sabre vermelho não é diferente de nenhum outro--exceto... de que ele foi feito para sangrar."
―Darth Sidious para Darth Vader, sobre os sabres vermelhos dos Sith[fonte]

Imediatamente após a cirurgia, o Imperador levou Vader a uma varanda com vista para o antigo Templo Jedi em Coruscant. Lá, ele e Vader observaram Mas Amedda dirigindo uma queima cerimonial dos sabres de luz de todos os Jedi que haviam sido mortos no Templo. Enquanto ouviam o discurso de Amedda, o Imperador perguntou se seu aprendiz sabia como ou por que as lâminas dos sabres de luz Sith eram de cor vermelha. Vader respondeu que não, pois as informações do Templo sobre o assunto estavam "incompletas". O Imperador riu e ponderou com desdém que os Jedi ficaram desconfortáveis ​​com a informação e a enterraram como resultado. Ele então explicou que os cristais kyber sentiam dor como qualquer ser vivo, e podiam sangrar de certa maneira ao derramar raiva, dor e ódio neles. Ele perguntou a Vader se ele entendia, ao que o aprendiz respondeu que sim, afirmando que ele poderia ter dado a ele qualquer um dos sabres de luz Jedi em chamas para corromper, até o de Yoda. Mas ele não tinha, como Vader percebeu que o cristal do sabre de luz de um Sith deveria ser tomado à força.[143]

À medida que a cerimônia avançava, os soldados Clone presentes na abertura jogaram uma cesta cheia de vários sabres de luz no incinerador, incluindo o de Yoda. Os sabres de luz pegaram fogo e, um momento depois, uma poderosa explosão de energia foi liberada no ar quando os cristais kyber foram destruídos.[143]

Vader é deixado pelo Imperador para caçar seu novo cristal kyber.

Mais tarde, o Imperador levou Darth Vader para um planeta deserto na Orla Interior e lhe atribuiu a tarefa de caçar um Jedi para tomar seu cristal kyber. Chegnado lá, eles descobriram que a nave que Sidious havia deixado para seu aprendiz havia sido roubado por um grupo de piratas. Deixando Vader para recuperar a embarcação, o Imperador partiu e Vader atacou a pé o assentamento mais próximo do planeta. Uma vez lá, ele eliminou o grupo de piratas que haviam roubado a nave[143] e viajou para um posto avançado Jedi. A estação estava guarnecida por um grupo de soldados clones, que notaram a aproximação de Vader e pediram confirmação. Embora ele pudesse ter fornecido os códigos de segurança necessários para garantir a assistência dos soldados clones, Vader decidiu simplesmente matá-los. Depois de exterminar a guarnição, Vader encarregou o co-piloto droide de sua nave de procurar nos arquivos da estação dados sobre qualquer Jedi que tivesse feito o Voto Barash antes da Ordem 66. A esperança de Vader era que qualquer Jedi que fizesse o voto, um de não-interferência completa em todos os assuntos dos Jedi, estaria não apenas fora de perigo quando a Ordem 66 foi emitida, mas teria ignorado sua ocorrência de acordo com o voto. A busca identificou o Mestre Jedi Kirak Infil'a, um Jedi que havia sido completamente dedicado ao combate, excluindo todo o resto. Quando uma granada foi lançada contra ele por dois clones sobreviventes, ele conseguiu conter a explosão, que os clones acreditavam que o tornaria incapaz de fazer qualquer outra coisa, pois toda a sua concentração era desviada para impedir a explosão. Enquanto conversavam sobre como o prenderia, acreditando que Vader era um sobrevivente Jedi e levá-lo diante do Imperador os recompensaria, o Lorde Sith mostrou ser capaz de estrangular os clones mesmo com a granada em sua outra mão, afastando-se da zona de explosão para liberá-la.[144]

Vader localizou rapidamente os Jedi na lua de Al'doleem e sentiu ao desembarcar da nave que Infil'a estava esperando por ele. O Mestre Jedi imediatamente confrontou Vader, e foi capturado em um enforcamento da Força pelo Lorde Sombrio. No entanto, o Jedi rapidamente lançou uma explosão de Força em Vader que o surpreendeu e interrompeu sua concentração. Infil'a declarou que seu Barash estava completo e começou a subir a montanha em que vivia, pedindo para Vader segui-lo, se pudesse. Um dos droides de treinamento do Mestre Jedi, Arex, abriu um portão de eclusa que enviava um rio de água sobre Vader. O Lorde Sith foi visivelmente agredido pela correnteza d'água, mas conseguiu partir telecineticamente o rio e caminhou até a costa. Logo, ele foi atacado por um grupo de gigantescos pássaros carnívoros, que danificaram uma de suas pernas cibernéticas. Darth Vader acabou esmagando todos eles com a Força e dirigiu-se ao pico da montanha. Lá, ele encontrou Infil'a e Arex esperando-o. Vader rapidamente soltou um empurrão da Força que acertou Infil'a e o atordoou por tempo suficiente para Vader, que estava desarmado, destruir Arex e pegar o sabre de luz de treinamento do drpide. Ele o jogou da montanha e envolveu Infil'a, que sentiu que Vader não apenas queria matá-lo, mas também queria levar seu sabre de luz. No entanto, a perna anteriormente danificada de Vader se separou no joelho pouco tempo depois do duelo, tornando-o incapaz de continuar a luta. Infil'a então declarou sua intenção de procurar Sidious e matá-lo, e jogou Vader no topo da montanha com a Força.[145]

Vader e Infil'a duelam na barragem de Am'balaar.

Recuperando a consciência, Vader usou a Força para remontar seus membros cibernéticos com os pedaços desmembrados de Arex, que coincidentemente haviam pousado perto de onde ele havia caído. Darth Vader então seguiu Infil'a até a cidade Am'balaar, onde reencontrou o espantado Mestre Jedi. Lutando no topo da barragem da cidade Am'balaar, as duas lâminas se cruzaram até o duelo ser interrompido por um trio de seguranças. Irritado, Vader atirou telecineticamente os guardas do topo da represa, mas Infil'a os pegou e usou a Força para abaixá-los em segurança. Ele então gritou para Vader para não envolver mais ninguém em seu duelo, mas Vader aproveitou a preocupação de Infil'a por inocentes, rasgando um tanque de armazenamento de água do tamanho de um edifício situado na cidade abaixo. Como Infil'a tentou, sem sucesso, usar seus próprios poderes para impedir a destruição, Vader telecineticamente removeu o sabre de luz dos Jedi do cinto e reivindicou-o por conta própria. Ele então pegou Infil'a em um enforcamento da Força e o levantou da represa. O Jedi pediu ao Sith que poupasse os civis abaixo da barragem, mas Vader o ignorou. Quando o enorme tanque explodiu completamente, inundando a cidade de Am'balaar, Vader esmagou a garganta de Infil'a com a Força e jogou seu corpo nos destroços abaixo.[146]

Depois de obter um sabre de luz Jedi e o cristal kyber dentro, Vader embarcou novamente na nave, quando o co-piloto droide assumiu o controle da nave e pulou para o hiperespaço. O droide começou a reproduzir uma mensagem pré-gravada do Imperador para Vader. A mensagem afirmava que, de acordo com as instruções do Imperador, o droide havia traçado um caminho para o planeta Mustafar, onde Vader encontraria um local onde o lado sombrio era forte e que ele poderia usar para ajudá-lo a corromper o cristal kyber. Quando a mensagem terminou, Vader navegou Mustafar e rapidamente encontrou o lugar do qual o Imperador havia falado, um antigo santuário Sith dentro de uma caverna rasa. Lá, ele desmontou o sabre de luz de Infil'a em uma pequena formação rochosa plana e removeu o cristal kyber. No entanto, quando ele tentou corrompê-lo, o cristal resistiu e usou a Força para enviar Vader para dentro de uma das paredes da caverna. O cristal então fez com que Vader experimentasse uma visão em que ele rejeitava o lado sombrio, viajava para Coruscant e matava Palpatine. Na visão, Vader encontrava Obi-Wan e implorava por seu perdão. Enquanto se ajoelhava em contrição diante de seu antigo mestre, Obi-Wan chamou Vader por seu antigo nome, Anakin. Ao ouvir isso, Vader saiu de sua visão e, com raiva, rejeitou a possibilidade que o cristal lhe mostrava, declarando "isso é tudo o que existe". Ele então começou a derramar seu ódio, dor e raiva no cristal. Como o planeta ao redor da caverna foi consumido por uma tempestade violenta, Vader conseguiu corromper o cristal.[147]

Mais tarde, Vader retornou a Coruscant e entrou no escritório do Imperador durante uma discussão entre Tarkin, Mas Amedda e o Imperador sobre a construção da Estrela da Morte. Como Vader era completamente desconhecido para alguém que não fosse Palpatine na época, os guardas reais no escritório do imperador tentaram interceptá-lo, apenas para serem jogados de volta na grande janela do escritório. Vendo Vader, o Imperador pediu para Tarkin e Amedda saírem, o primeiro no qual manifestou preocupação com sua segurança. Tranquilizando Tarkin, o Imperador repetiu seu comando, e os dois oficiais Imperiais partiram, deixando Vader exibir triunfantemente o sabre de luz de Kirak Infil'a, agora emitindo uma lâmina vermelha, para o Imperador.[147]

Treinando os Inquisidores

"Você me mandou atacá-lo. Se ele tivesse me derrotado... seria ele agora a estar ao seu lado?"
"Você de todas as pessoas sabe muito bem o significado do que poderia ter sido, meu amigo. O Grande Inquisidor tinha alguma chance de ter derrotado você?"
"Não."
"Precisamente."
―Darth Vader e o Imperador, sobre o duelo entre Vader e o Grande Inquisidor[fonte]

Vader desmembra o Sexto Irmão.

Pouco depois de retornar ao seu Mestre, Vader se retirou para uma câmara médica para reparar seus componentes cibernéticos danificados, enquanto o Imperador o parabenizava por dar seu primeiro passo para dominar o lado sombrio. Deixando Vader consertar sua armadura e membros sozinho, o Imperador informou o seu aprendiz que ele tinha uma nova missão para ele empreender assim que sua nova armadura estivesse completa. Pouco tempo depois, Vader foi informado de um invasor nos arquivos do Templo Jedi. Ele prontamente confrontou o intruso, que empunhava um sabre de luz vermelho. Enquanto os dois brigavam entre si, o intruso parecia ter a vantagem, mas depois de um tempo Vader revelou que estava simplesmente testando as modificações que havia feito recentemente em sua armadura e destruiu prontamente o sabre de luz do intruso. Quando Vader iria matá-lo, o Imperador chegou e lhe disse que o intruso, intitulado o Grande Inquisidor, fazia parte dos Inquisidores. Vader foi então levado para o The Works, onde Vader viu o resto do Inquisitorius treinando. Foi dito a ele que a maioria dos Inquisidores eram Jedi que se converteram ao lado sombrio após a destruição da Ordem para se salvar. Vader e o Inquisitorius receberam a missão de destruir os Jedi sobreviventes do expurgo do Imperador.[138]

Vader duelou o Sexto Irmão em uma sessão de treinamento e cortou o seu braço para ensiná-lo sobre a perda. Vader então conversou com o Grande Inquisidor sobre como melhorar os métodos de treinamento dos Inquisidores. Eles começaram a procurar outros Jedi que sobreviveram ao expurgo, e Vader viu a lista de alvos dos Inquisidores e notou a bibliotecária-chefe dos arquivos Jedi, Jocasta Nu. Ele perguntou ao Imperador o que havia de tão importante nela. O Imperador explicou que ela sabia dos Sith e segredos do Conselho Jedi. Ele então deu a ordem para Vader encontrar Jocasta e trazê-la para ele. Vader designou o Grande Inquisidor para procurar informações sobre ela nos arquivos da Ordem.[148]

Caçada por Jocasta Nu

"Meu amigo às vezes eu acho que você pode matar todo ser da Galáxia. Sem os Jedi, poucos oponentes que restaram valem a nossa habilidade e poder. Pode ser... tedioso, eu sei. Estamos cercados de seres inferiores, que merecem apenas o nosso ódio. O nosso desprezo. Eu sinto assim também, Vader. E isso é bom. Estas emoções abrem uma porta de grande poder com o lado sombrio. Nada é mais natural do que se entregar a esse poder Morte, dor, perda... estas são as ferramentas dos Sith. Mas eu ofereço um aviso. Caía muito fundo, e o relacionamento muda. Você se torna a ferramenta, e elas... seus mestres. Pense nisto, meu aprendiz. Não desejo governar em uma galáxia de mortos."
―O Imperador aconselhando Vader sobre seu poder[fonte]

Naquela época, Nu retornou a Coruscant e entrou furtivamente no antigo Templo Jedi para procurar uma lista de jovens sensíveis à Força em seus arquivos secretos.[148] Enquanto ela vagava pelas ruínas, seu droide, B2, informou que sua nave estava prestes a ser descoberta. Ela informou o droide que ajustaria seus planos de acordo. Quando as Forças de Segurança Coruscant entraram no esconderijo, B2 detonou a nave de Nu e matou os três oficiais de segurança. Enquanto ela estava em direção de um cofre secreto de arquivos, ela notou o Grande Inquisidor lendo alguns arquivos Jedi. Ela continuou, concentrando-se apenas na missão em questão.[149]

Vader conversando com o Major sobre a nave de Jocasta.

Vader foi contatado por um Major do Departamento de Segurança Imperial, que havia descoberto uma insígnia Jedi nos destroços da nave de Nu, e foi à sede do Departamento para verificar. Quando Vader chegou, o major perguntou em que posição ele deveria se dirigir e Vader disse: "senhor". O Major explicou a Vader suas suspeitas de que a explosão era prematura e as insígnias dos Jedi eram apenas "pichações provocantes", usadas como cartão de visitas. Vader disse que ele estava errado, e enquanto o Major se defendia afirmando sobre sua experiência e inteligência, Vader usou a Força para reconstruir a nave de Nu, mostrando ao major que ele estava realmente errado sobre a causa da explosão. Vader então ordenou que ele vasculhasse todos os níveis de Coruscant, afastando-se do Templo Jedi.[149]

Enquanto isso, Nu estava prestes a desocupar o Templo quando notou o Grande Inquisidor insultando alguns dos arquivos Jedi que estava examinando. Seus comentários acabaram levando-a ao limite e ela o confrontou com seu sabre de luz.[149] Vader chegou à entrada do templo e o Comandante Fox já havia selado o local. Quando Fox perguntou o que estava acontecendo, Vader disse que eles haviam perdido um Jedi durante a Ordem 66. Quando ele entrou no templo, Jocasta estava confrontando o Grande Inquisidor com seu sabre de luz e ameaçando-o. O Grande Inquisidor perguntou como ela não se lembrava de quem ele era, declarando as muitas vezes em que ela negara o conhecimento Jedi que ele procurava. Jocasta o atacou, iniciando um duelo curto, onde o Grande Inquisidor rapidamente a superou. O Grande Inquisidor teria matado Nu se não fosse pela chegada de Vader. Quando Vader impediu o Grande Inquisidor de matar a Jedi, Jocasta usou a Força para lançar os livros Jedi sobre eles, e ela fugiu do local.[150]

Vader a perseguiu e, enquanto seguia a trilha de Jocasta, ela chegou ao cofre e usou um terminal para limpar toda a biblioteca de seu conhecimento. Quando Vader entrou no cofre, ele foi confrontado pelo guarda droide, Cator. Ele identificou Vader como Anakin Skywalker e disse que não estava autorizado a estar lá. Vader jogou seu sabre de luz no droide, mas o droide conseguiu segurá-lo antes que fosse danificado pelo golpe. Vader então deu um soco no braço de Cator, e o droide agarrou rapidamente seu pulso, e o apertou com a mão robótica. Vader enfiou o punho no rosto de Cator antes que o droide pudesse danificá-lo mais. Mas quando Cator caiu no chão, Vader notou um tiro poderoso sendo disparado contra ele e usou seu sabre de luz para desviá-lo. O tiro, disparado por Jocasta usando um rifle de sabre de luz, acertou Vader e o derrubou em uma estante de livros.[150]

Quando Vader se levantou de novo, ele tentou convencer Jocasta a largar a arma dela. Nu o ignorou e atirou novamente. Darth Vader desviou do tiro e disparou uma terceira vez, devastando ainda mais o cofre. Enquanto ela continuava atirando, ela tentou convencer Vader de que ele era apenas uma ferramenta para o Imperador, dizendo que ele nunca poderia se livrar do lado luminoso da Força. O rifle de Jocasta então não conseguiu continuar disparando, e Vader desativou o seu sabre de luz, dizendo que ela não seria ferida. O rifle de Jocasta começou a apitar e ela o jogou em direção a Vader. Ele usou a Força para empurrá-lo para longe, e quando ele explodiu, ambos foram jogados no chão, quebrando a lateral do Templo.[151]

"Mestre, eu tenho um relatório. Jocasta Nu tentou escapar de nossa custódia. Ela foi... desajeitada. Ela pereceu na tentativa."
"Entendo. Uma pena. Retorne até mim, meu aprendiz. Eu quero ouvir a história do fim da bruxa. Mas primeiro―me diga―conseguiu alguma coisa da Jocasta antes de sua morte?"
"Não, Mestre. Nada."
―Darth Vader relata a morte de Jocasta para o Imperador[fonte]

Vader e os clones confrontam Jocasta.

Jocasta fugiu pelo novo buraco na parede, mas foi confrontada por soldados clones recém-alertados ao redor do perímetro. Eles atiraram nela e ela pulou, desviando os tiros para eles. À medida que os clones pressionavam mais ela, ela os empurrou com força sobre a borda atrás deles. Vader então apareceu através da parede e os clones assumiram que ele era um Jedi também, e atiraram nele. Naquele momento, o Comandante Fox abordou a cena em uma nave de patrulha Imperial e percebeu que eles estavam atirando em Vader. Ele então mandou sua nave voar para Darth e ordenou suas unidades a um cessar-fogo. Vader pulou na nave e quando Fox tentou explicar o mal-entendido, ele usou a Força para quebrar seu pescoço. Os clones no chão continuaram atirando em Jocasta e conseguiram desarmá-la. Ela então se viu encurralada por Vader e pelos clones, e tentou pular, apenas para Vader usar a Força para pegá-la. Ele a levou para a nave dele, e lá ela disse aos clones que ele era o Cavaleiro Jedi Anakin Skywalker. Vader usou a Força para lançar os clones fora da nave e quando Jocasta perguntou o que havia acontecido com ela, ele a matou. Vader então bateu a nave e contatou Sidious, dizendo a ele que Nu morreu tentando escapar. Vader então esmagou a lista de crianças sensíveis à Força que estava com ela.[151]

A mão do Imperador

Vader e seu mestre, Darth Sidious, supervisionam a construção da Estrela da Morte.

Acreditando ter perdido tudo pelo que ele se importava, Darth Vader acatou plenamente seu papel como braço direito do Imperador. Ele também foi informado sobre a construção da Estrela da Morte, que seria supervisionada por Wilhuff Tarkin.[8] Umas das primeiras missões de Vader em nome do Imperador foi efetuar uma execução em Murkhana. [81] Poucos sabiam quem ele era, e menos ainda suspeitavam que ele um dia fora Anakin Skywalker. Assim, sua aparição na corte Imperial e os privilégios que ele obtivera do Imperador lhe renderam a desconfiança dos oficiais imperiais. Eles não gostavam do fato de ele ter aparentemente aparecido do nada e ser posicionado no topo da hierarquia graças apenas à sua ligação com seu Mestre. Por outro lado, Vader era apreciado pelo Corpo Stormtrooper já que ele com frequência lutava ao seu lado na linha de frente ao invés de permanecer nos centros de comando. Vader também recebia forte apoio dos pilotos da Marinha Imperial.[152]

Como executor do Imperador, Vader detinha o controle da unidade que ele comandou durante as Guerras Clônicas como Anakin Skywalker: a 501ª Legião. Quando o Imperador aposentou os soldados clones, as fileiras da 501ª eram compostas por stormtroopers recrutados, e alguns deles recebiam treinamento do próprio Lorde Sombrio, como, por exemplo, o Sargento Kreel, um agente secreto que Vader treinou em combate com sabre de luz. Devido às missões em nome de Vader, a 501ª Legião ganhou o apelido de "Punho de Vader".[153]

Ryloth Livre

Em 14 ABY, Darth Vader foi juntamente com o Imperador Palpatine para lidar com os combatentes do Movimento Ryloth Livre que realizavam muitas agitações no planeta. Ele estava presente quando o Movimento atacou o Destróier Estelar Perigo levando a sua destruição, Vader conseguiu fugir da nave com o Imperador e foram caçados no planeta Ryloth pelo movimento.[152]

Campanha de Berch Teller

Em 14 ABY, Darth Vader participou da perseguição à nave Pico da Carniça juntamente com Wilhuff Tarkin, prendendo seus sequestradores.[81]

Lothal

"Nós vamos espremer Lothal até que alguém revele o paradeiro desses traidores."
―Darth Vader para Agente Kallus[fonte]

Darth Vader contactou O Grande Inquisidor via holograma com uma nova missão para ele. Ele o informou que o Imperador havia previsto uma nova ameaça—as "crianças da Força". Ele deveria caçá-las e ou colocá-las a serviço do Império ou eliminá-las se isso não fosse possível. O Inqusidor prometeu a Vader que essa missão seria cumprida.[154] Depois da Resgate de Kanan Jarrus sobre Mustafar, a união de vária células rebeldes foi revelada quando eles resgataram os rebeldes de Lothal de uma frota imperial. Quando os rumores do que havia acontecido sobre Mustafar foram espalhados, tumultos e revoltas começaram a ocorrer em muitos mundos, incluindo Lothal. O Imperador, preocupado com a ascensão da atividade rebelde, enviou Vader a Lothal com Tarkin para dar fim à crescente rebelião.[155]

Duelo em Malachor

"Eu não o deixarei. Não desta vez."
"Então você morrerá."
―Ahsoka Tano e Darth Vader[fonte]

Vader duela com sua antiga aprendiz, Ahsoka Tano.

Em seguida, Vader despachou o Quinto Irmão, a Sétima Irmã e o Oitavo Irmão para caçar e encontrar Darth Maul, que estaria abandonado em Malachor e estudando o Templo Sith por anos; ele chegou após Bridger ter ativado a superarma com o holocron Sith. Tendo todos os Inquisidores sido mortos por Maul, Vader escolheu recuperar o holocron pessoalmente e tomar posse da superarma. Empoleirado no teto de seu Caça TIE Avançado x1, ele saltou de cima de sua nave e aterrissou em frente a Ezra. Após uma breve conversa, Vader rapidamente desarmou o jovem Jedi através da destruição de seu sabre de luz e se preparou para executá-lo, mas antes que pudesse fazê-lo, foi interrompido por Ahsoka Tano.[156]

Vader ofereceu clemência à sua antiga aprendiz, deixando claro que o Imperador iria poupá-la se ela revelasse a localização de qualquer sobrevivente Jedi. Ela assegurou-o que não havia nenhum outro Jedi; e ele e seus Inquisidores haviam matado todos eles. Não convencido, Vader notou que Bridger poderia ser bem-vindo no lado sombrio, instigando uma resposta desgostosa de Ahsoka, proclamando que, apesar de ter pensado que Vader era Anakin, ela não mais acreditava que isso era possível, graças à crueldade do mesmo. Diante disso, Ele simplesmente constatou que Anakin Skywalker havia sido fraco, e isso havia o destruído. Ahsoka respondeu que, sendo esse o caso, ela deveria vingar seu mestre. Ele lembrou-a de que esse não era o feitio de um Jedi, mas ela afirmou que não era uma Jedi e, então, o atacou. Apesar de Ahsoka ter conseguido se manter firme contra o Lorde Sith no começo do duelo, ela foi rapidamente empurrada para dentro do Templo, e Vader usou a força para empurrá-la além da borda da elevação em que os dois lutavam. Acreditando que ela havia sido neutralizada, Vader foi recuperar o holocron.[156]

O rosto de Vader debaixo da máscara danificada

Vader conseguiu alcançar Kanan e Ezra antes que esses escapassem, e usou a Força para puxar tanto o holocron quanto os dois Jedi em sua direção. Mas antes que pudesse agarrar o holocron, Ahsoka, recuperada de sua queda minutos antes, emboscou Vader e conseguiu cortar a parte superior direta de sua máscara com seus sabres de luz. Com sua máscara danificada, o filtro de voz de Vader se quebrou, e quando ele falou para chamar o nome de Ahsoka, o som saiu como uma mistura distorcida de sua voz original e o barítono mecânico imposto pela máscara. A voz e sua face parcialmente exposta confirmaram para Tano que, apesar de sua negação, Vader realmente era seu antigo mestre, para seu grande pesar. Enquanto o Templo se fechava, Ahsoka proclamou a ele que não o abandonaria como havia feito antes. Ele pausou por alguns segundos e olhou-a sem palavras. Entretanto, ele rapidamente recuperou sua compostura e rosnou que, se a decisão dela era a de permanecer, então ela iria morrer. Os dois recomeçaram seu duelo, enquanto Kanan e Ezra escapavam da câmara que encobria ambos. Enquanto eles fugiam, uma descarga massiva de energia consumiu a área em que Tano e Vader lutavam. Vader conseguiu escapar e encaminhou-se para fora do Templo.[156]

Guerra Civil Galáctica

Cymoon 1

Em 1 DBY, Vader foi enviado pelo Imperador como negociador para realizar um trato com o então suposto enviado pelo Clã Hutt.

Busca por Luke

Vader contratou Boba Fett para buscar o rastro do piloto que destruiu a Estrela da Morte durante a Batalha de Yavin [157], após uma busca de Boba Fett no planeta Tatooine ele retornou para Vader com a noticia do nome Luke Skywalker no qual Vader descobriu ser seu filho. [138]

Hoth

"Lorde Vader, a frota acabou de sair do hiperespaço e estamos preparando para—"
"Você falhou comigo pela última vez, Almirante."
―Almirante Kendal Ozzel e Darth Vader[fonte]

Três anos depois da Batalha de Yavin, Vader comandava o Executor, sob o almirantado de Kendal Ozzel, assim como de sua frota acompanhante, a Esquadrão da Morte.[12] Vader requisitou que a Vice-Comandante Ciena Ree fosse transferida da Devastador para o Executor; Ciena acreditava, porém, que o pedido era mais uma ameaça do que um prêmio, já que ela ficaria para sempre vulnerável a ele por tê-lo visto imediatamente após a destruição da Estrela da Morte.[158] Obcecado em encontrar Luke, Vader despachou milhares de droides sondas Víbora para várias direções da galáxia para encontrar seu filho.[12]

Vader chega na Base Echo, em Hoth.

Eventualmente, o Executor recebeu um relatório fragmentado de um droide sonda enviado para o sistema Hoth. Embora o Almirante Ozzel acreditou ser um falso-positivo, tanto o Capitão Firmus Piett quanto Vader acharam que haviam encontrado a base rebelde. Assim, Vader deu ordens para que a frota partisse para o sistema. Quando a frota saiu do hiperespaço perto de Hoth, Vader foi informado pelo General Maximillian Veers que o bombardeamento orbital era impossível pois havia um escudo de energia ativo defendendo a Base Echo. Vader concluiu que a Aliança sabia da presença de sua frota porque o Almirante Ozzel havia feito a saída do hiperespaço muito próxima ao sistema. Depois de ordenar a Veers que preparasse a tropa para ataque terrestre, Vader executor Ozzel por sua incompetência e promoveu Capitão Piett para substituí-lo como Almirante, e o ordenou que despachasse a frota para evitar que qualquer nave rebelde escapasse do sistema.[12]

Enquanto as forças terrestres do Império batalhavam com as tropas da Aliança, Vader liderou um esquadrão de ataque diretamente à base rebelde, mas encontrou a Base Echo praticamente deserta pois o General Carlist Rieekan havia ordenado a evacuação do local quando o Império entrara no sistema. Apenas a Millennium Falcon ainda estava no hangar, mas a fragata conseguiu escapar antes que Vader pudesse capturá-la. Com as forças rebeldes em completa retirada de Hoth e vários transportes espalhados pela galáxia, Vader e suas forças conseguiram uma importante vitória para o Império.[12] Ao invés de perseguir os transportes rebeldes que conseguiram fugir[158], Vader direcionou seu Esquadrão da Morte para capturar a Millennium Falcon, que também conseguira escapar do Império no cinturão de asteroides de Hoth. Vader ordenou que a frota perseguisse a nave no cinturão de asteroides[12] e falou para a tripulação do Executor que ele queria a fragata trazida a bordo e seus passageiros capturados vivos.[158] Apesar dos asteroides causarem dano aos Destróieres Estelares, Vader instruiu todas as naves a escanear o cinturão até que a Falcon fosse encontrada. [12]

Vader e o Imperador discutem o crescente poder de Luke Skywalker.

Almirante Piett então informou Vader de que o Imperador queria conversar com Vader, então o Lorde Sith ordenou que o Executor se afastasse do cinturão de asteroides para que se tivesse uma transmissão mais clara. Vader contactou seu mestre, e Sidious o informou de que ele havia sentido uma nova ameaça através da Força: Luke Skywalker, filho de Anakin Skywalker.[12] Vader, como já tinha essa informação há algum tempo[138], fingiu estar em choque com a notícia, e disse a seu mestre que eles poderiam converter Luke para o lado sombrio. O Imperador não estava tão certo da ideia, mas Vader garantiu a ele que Skywalker se juntaria a eles ou morreria.[12]

Determinado a encontrar seu filho antes de Sidious, Vader convocou vários caçadores de recompensas4-LOM, Bossk, Dengar, IG-88, Boba Fett e Zuckuss—para o Executor, e prometeu uma recompensa substancial para quem trouxesse a tripulação da Falcon viva. Enquanto ele dava instruções aos caçadores de recompensas, Piett informou a Vader que a Vingador havia encontrado a fragata. Assim, o Lorde Sith entrou em contato com o comandante do Destróier Estelar, Capitão Lorth Needa, mas ele informara que havia perdido a Falcon e assumiu a responsabilidade pelo ocorrido. Vader aceitou suas desculpas com um estrangulamento fatal da Força e ordenou a Piett que alertasse todos os comandos sobre o desaparecimento da Falcon. [12]

Cidades das Nuvens

"Obi-Wan nunca lhe disse o que aconteceu com seu pai."
"Ele me disse o suficiente... que foi você quem matou ele."
"Não... Eu sou o seu pai."
"Não! Não, não é verdade!"
―Darth Vader revela a Luke que é seu pai. — (audio)Ouça (arquivo)[fonte]

Como a Falcon estava com problema em seu hiperpropulsor, sua tripulação foi obrigada a viajar pelo espaçoreal para Bespin, mas Fett conseguiu rastrear e antecipar o plano de Han Solo, e contactou Vader, que chegou à Cidade das Nuvens antes de Han e companhia. Na cidade, Vader contactou seu administrador, Lando Calrissian, que por acaso era velho conhecido de Solo, para fazer um acordo. Calrissian, cuja mineração de gás tibanna era pequena para evitar atenção do Império, concordou em ajudar Vader a capturar a nave em troca de que o Império não interserisse com seu negócio e suas pessoas.[12]

Vader duela seu filho, Luke

Quando a Falcon aterrizou, Skywalker não estava com eles, mas Vader sabia que ele poderia usar seus amigos a bordo da fragata para atrair seu filho para Bespin. Acompanhado por Fett, Vader esperou por Han Solo, Leia Organa e Chewbacca com Calrissian para uma refeição, e posteriormente capturá-lo—e torturar, no caso do Capitão Solo. Para desgosto de Calrissian, Vader alterou o acordo que ele fizera, permitindo que Fett levasse Solo e coletasse o prêmio que Jabba colocara por sua cabeça. Depois, Vader inspecionou uma das câmeras de congelamento em carbono e a considerou adequada para congelar Luke para levá-lo ao Imperador. Porém, com o risco do processo ser fatal, Vader ordenou que testassem o congelamento em Han Solo. [12]

Sob suas ordens, Solo foi congelado em carbonita e sobreviveu, então Vader o entregou a Fett, e ordenou que Leia, Chewbacca e C-3PO fossem levados à sua nave enquanto o Lorde Sith esperava por Skywalker. Quando seu filho se separou de R2-D2 e chegou à câmara de congelamento, Vader se revelou e os dois duelaram. Skywalker conseguiu se defender por boa parte do duelo, mas no fim não era páreo para Vader:[12] quando eles chegaram a um eixo do reator da Cidade,[159] Luke conseguiu cortar o ombro do Lorde Sith, mas Vader cortou sua mão direita, que caiu junto com seu antigo sabre de luz. [12]

Vader conta a Luke que ele é seu pai.

Vader então tentou atrair Luke para o lado sombrio, mas Skywalker veemente recusou. Vader perguntou a Skywalker se Obi-Wan havia contado a ele sobre o próprio pai, e Luke respondeu que ele contara que Vader havia o matado. Com isso, Vader revelou a Skywalker que ele era, de fato, o seu pai. Luke se recusou a acreditar, mas Vader continuou a tentar seu filho enfraquecido ao oferecer-lhe a oportunidade de destruir o Imperador e governar a galáxia ao seu lado. Ele pediu a seu filho que viesse com ele, mas Luke escolheu pular do eixo. [12]

Quando Skywalker foi resgatado por seu amigos na Millennium Falcon, Vader retornou ao Executor. Como a fragata estava incapacitada de fazer o salto para o hiperespaço, Vader e Piett aguardaram a Falcon entrar no alcance do raio trator. Durante a perseguição, Vader se comunicou com Luke através da Força, dizendo a ele que era seu destino se juntar a ele. Graças a R2-D2, entretanto, a Falcon conseguiu saltar para o hiperespaço e fugir. Almirante Piett temeu que Vader o matasse por esse fracasso, mas Vader meramente se virou contra a janela da ponte de comando, [12]não em raiva, mas em tristeza.[159]

A busca por Skywalker

Após a fuga de Luke, Vader inicia uma busca por seu filho tentando encontrá-lo e, ao mesmo tempo, buscando vingança contra todos que estão subvertendo suas idéias. [160]

Redenção

"Vá, meu filho. Deixe-me."
"Não. Você vem comigo. Não vou deixá-lo aqui, eu tenho que salvá-lo."
"Você já salvou, Luke. Você estava certo. Você estava certo sobre mim. Diga à sua irmã... que você estava certo."
―Anakin Skywalker e Luke Skywalker[fonte]

Seguindo o plano de seu mestre para neutralizar o plano que buscava destruir a Estrela da Morte II seis meses depois da Batalha de Hoth, [161]Vader foi enviado para o sistema Endor para notificar o Moff Tiaan Jerjerrod sobre a chegada do Imperador, e que ele deveria terminar a construção da estação a tempo. [162] Realmente Sidious chegou semanas mais tarde, e foi recebido por Vader, Jerjerrod e centenas de stormtroopers alinhados para honrá-lo. Satisfeito com o estado da Estrela da Morte, o Imperador sentiu o desejo de Vader de continuar sua busca por seu filho, mas disse a ele para ter paciência, o que desagradou Vader.[163] Mesmo assim, ele obedeceu, e permaneceu na Executor apesar dos relatórios da Frota da Aliança perto de Sullust. Durante sua estadia no Super Destróier Estelar, a nave imperial sequestrada pelos rebeldes Tydirium pediu permissão para pousar na lua florestal de Endor; Vader, sentindo a presença de Luke entre eles, permitiu. [162]

Depois de sentir seu filho, Vader retornou à Estrela da Morte para relatar a chegada da nave rebelde, e que seu filho estava entre eles. Sidious achou estranho que ele não sentiu isso, mas permitiu que Vader pousasse em Endor na base do gerador do escudo, onde ele aguardaria Skylwalker que, de acordo com Sidious, viria até seu pai. Vader obedeceu, e pousou em Endor a bordo da lançadeira T-4a classe Lambda ST-321, e durante a noite, conforme previsto por Sidious, Luke se entregou a fim de tentar conversar com seu pai e trazê-lo de volta ao lado luminoso. Vader, porém, entregou Skywalker ao Imperador, acreditando que ele estava além de redenção. [162]

Pai e filho lutam enquanto o Imperador assiste

Vader acompanhou seu filho para a Estrela da Morte, e para a sala do trono do Imperador. Logo depois, a Frota da Aliança chegou ao sistema, mas logo descobriu que o gerador de escudo planetário SLD-26[161] ainda estava funcionando e protegendo a Estrela da Morte. Enquanto a batalha entre as frotas imperiais e rebeldes se iniciou, e a equipe rebelde em Endor tentava desativar a base imperial do escudo, Sidious tentava Luke em sua raiva. Em um momento de fraqueza, Skywalker puxou seu sabre de luz e tentou atacar o Imperador, mas Vader bloqueou seu ataque e os dois duelaram mais uma vez. Eventualmente, Vader telepaticamente sentiu a existência da irmã de Luke, Leia, e ameaçou corrompê-la em seu lugar. Com isso, Luke perdeu o controle e viciosamente atacou Vader, cortando sua mão direita e derrubando-o. Sidious, contente com o resultado, ordenou a Luke que finalizasse Vader e tomasse o lugar dele ao lado do Lorde Sith. [162]

Percebendo que ele estava se tornando o que ele buscava destruir,[163] Skywalker arremessou longe seu sabre de luz e se declarou um Jedi, tal qual Anakin Skywalker um dia fora. Enfurecido, Sidious lançou relâmpagos da Força contra Luke, pretendendo torturá-lo até a morte.[162] Se vendo em uma posição similar a uma de 23 anos atrás, quando ele escolheu Sidious entre o Lorde Sith e Mace Windu[8], Vader agarrou o Imperador com o que restava de seus braços e ergueu seu mestre, levando-o para o vão do reator da estação, sob os pedidos de seu filho por ajuda. A partir desse momento, Darth Vader deixou de existir e Anakin Skywalker, Cavaleiro Jedi, ressurgiu. Enfurecido com a traição de seu aprendiz, Sidious lançou um ataque ainda mais poderoso contra Anakin; em seu ódio, Sidious apenas pensava em causar a seu agora ex-aprendiz ainda mais dor, embora ele pudesse ter usado seus poderes para se salvar.[163] Mesmo com o Imperador danificando severa e permanentemente sua armadura e seu suporte à vida, Anakin jogou seu ex-mestre no vão. Ao matar Darth Sidious e terminar seu reino[162], o Jedi redimido cumpriu seu destino de restaurar o equilíbrio à Força.[163]

Anakin Skywalker em seu derradeiro momento com seu filho.

Logo antes de Lando Calrissian a bordo da Millennium Falcon e Wedge Antilles destruírem o reator principal da Estrela da Morte, Anakin foi carregado por seu filho até a ST-321,[163] onde ele pediu a Luke que removesse sua máscara para que ele pudesse olhar seu filho com os próprios olhos pela primeira e única vez.[162] Ele finalmente viu Luke não como um Jedi ou uma ameaça ou um erro, mas como seu o filho e filho de Amidala, e mostrou a Luke um verdadeiro sorriso—o sorriso que apenas sua esposa havia visto. [163] Luke insistiu que ele precisava salvar seu pai, mas Anakin disse a ele que ele já o havia feito e pediu a ele que contasse à sua irmã que ele estava certo sobre ele antes de falecer;[162] seu sacrifício altruísta permitiu que seu espírito fosse preservado na Força por seus antigos mestres, Obi-Wan Kenobi e Yoda.[16]

Incapaz de deixar seu pai para trás, Luke levou o seu corpo a bordo da lançadeira e fugiu imediatamente antes da destruição da Estrela da Morte. De volta a Endor, Skywalker construiu uma pira funerária para seu pai, e cremou sua armadura à maneira de um funeral Jedi sozinho[162], pois a visão do capacete de Vader consumido pelo fogo traria a todos grande alegria menos para Luke. [163]

Pós-morte

Skywalker se junta aos espíritos de Yoda e Obi-Wan.

Enquanto seu filho colocou sua armadura para queimar na pira[163] e depois se juntou aos seus amigos e irmã na vila Ewok para as celebrações de vitória,[162] Anakin retornou do Mundo espiritual da Força junto com Yoda e Obi-Wan Kenobi.[162] Todos em paz pois o equilíbrio da Força havia retornada, eles sorriram para Luke—satisfeitos em saber que, apesar de Sidious, os Jedi haviam retornado. Cada um pensou em avisar Luke sobre o futuro, pois cada um via que havia ainda muito perigo e escuridão à frente do jovem, mas eles decidiram não sobrecarregá-lo naquele momento. Luke, por sua vez, os avistou e sentiu a aprovação deles e sua sensação de paz.[163]

Legado

Em 35 ABY, durante a Batalha de Exegol, a voz de Anakin foi ouvida por Rey junto a de outros Jedi durante seu confronto final com um Darth Sidious renascido, ajudando ela a destruir o Sith de uma vez por todas.[164]

Personalidade e traços

"Espontâneo? Você é espontâneo o tempo todo e ninguém diz nada sobre isso."
"Só estou sendo o melhor nisso, é tudo."
―Obi-Wan Kenobi para Anakin Skywalker[fonte]

Anakin Skywalker, o Escolhido dos Jedi para destruir os Sith e trazer equilíbrio à Força.

Quando criança, Anakin Skywalker mostrou bondade e generosidade, como exemplificado por sua disposição de arriscar sua vida em uma corrida de pod para ajudar Qui-Gon Jinn e Padmé Amidala a deixar Tatooine em um momento de necessidade. Ele não teve vergonha de expressar como se sentia e mostrou relutância em deixar para trás aqueles que amava. De fato, Anakin tinha um profundo medo da perda, especialmente em relação à mãe, que Mestre Yoda sentiu quando estava sendo testado pelo Conselho Jedi.[6] Esse medo da perda seguiria Skywalker ao longo de sua vida e, eventualmente, o levou pelo caminho do lado sombrio,[7][8] particularmente após a morte de sua mãe, levando aquela raiva e tristeza pelo resto da vida. Experiências similares levaram ele a odiar escravidão por exemplo, já que Anakin foi um escravo por sua infância inteira. Mesmo assim, ele evita comentar sobre seu passado e seus sentimentos mesmo com aqueles mais próximos,[19] levando em exceção apenas Padmé, sua esposa, e Palpatine, sua figura paterna.[8]

Com o passar dos anos, Anakin se tornou arrogante, convencido e impaciente,[7] apesar de todos os avisos de Obi-Wan. No entanto, ele se tornou um duelista excepcional e um poderoso usuário da Força. Essa confiança e arrogância o levou a perda de seu braço direito durante seu primeiro duelo contra Dookan, assim como a derrota de seu mestre Obi-Wan e a fuga do Lorde Sith. Mesmo assim, o Conselho o tornou Cavaleiro Jedi pela necessidade das Guerras Clônicas de mais Generais nos campos de batalha, deixando Anakin ainda mais arrogante. Para acalmá-lo e deixá-lo mais responsável, Ahsoka foi deixada sob seus cuidados. Com o passar das Guerras Clônicas, Anakin foi ganhando cada vez mais experiência e respeito pelo seus camaradas de guerra, deixando sua arrogância de lado e tentando ser mais responsável perto Ahsoka. Apesar disso, sua decepção em relação ao Conselho crescia, o que o levava sempre a questioná-lo e desobedecê-lo uma vez ou outra. O relacionamento entre ele e Obi-Wan se tornou diferente com o passar da guerra, tendo um respeito mútuo entre os dois, apesar de Anakin ainda ter ressentimentos em confiar nele, especialmente após Obi-Wan fingir sua morte para seguir Cad Bane e não contar nada a ele.[165] Mesmo com todos os seus problemas em relação aos Jedi, Anakin ficou conhecido como "Heróis Sem Medo" pela República, sendo glorificado em transmissões da HoloNet.

A 501ª Legião e o Capitão Rex consideravam as táticas de Anakin muitas vezes "imprudentes e impossíveis", mas ele sempre mostrava habilidade e sempre se arriscava no campo de batalha junto a seus homens, o que fez Anakin ser admirado por eles. Skywalker demonstrava, mesmo depois de todos estes anos, uma dificuldade de manter suas emoções sob controle, o que foi usado por seus inimigos diversas vezes.[165]

Darth Vader em sua armadura causava medo nos próprios oficiais do Império, e o próprio o usava a seus interesses.

Eventualmente, a saída de Ahsoka da Ordem graças a uma decisão precipitada do Conselho, deixou Anakin ainda mais abalado. Apesar dele ainda tê-la encontrado após sua saída, a confiança de Anakin no Conselho foi ainda mais abalada, e com a perda de Ahsoka, seu medo voltou a assombrá-lo. Todos estes acontecimentos levaram Sidious a manipulá-lo ao Lado Sombrio, especialmente depois de Anakin ter premonições da morte de sua esposa Padmé. Isso o levou a se tornar Darth Vader e ajudar a destruir os Jedi e sua Ordem em troca de poder para salvar Padmé. Ao experimentar os poderes do Lado sombrio, Anakin chegou a ficar tão confiante ao ponto de pensar ser até mais poderoso que seu mestre Sidious. Logo, já como Vader, o ódio tomou Anakin, chegando ao ponto de enforcar sua esposa por achar que ela conspirava contra ele, além de enfrentar seu antigo mestre Obi-Wan e, por arrogância, perder o duelo, ficando severamente ferido e queimado em Mustafar.[8] Sidious contou a ele sobre Padmé estar morta e, num momento de raiva, Vader chegou a atacar seu próprio mestre Sith. A partir daí, Vader sobrou apenas com raiva e ódio por todos. Ele caçou os Jedi remanescentes e ficou com um desejo de vingança por Obi-Wan Kenobi.

Como já notado por muitos do império e o próprio Imperador, Vader deixava muitos assuntos pessoais interferirem nos interesses maiores do Império Galáctico, como sua caçada por Obi-Wan e por seu recém-descoberto filho Luke Skywalker, ao ponto de Vader contratar caçadores de recompensas e montar seu próprio exército apenas para trazê-lo até ele sem o Imperador saber.

Com o passar dos anos, Vader se tornou uma pessoa mais leal ao Império e sua vontade, sendo temido por toda galáxia e conhecido por não ter misericórdia por seus próprios homens. Quando falhavam com ele, Vader os matava por enforcamento (geralmente em público) para que seus outros homens aprendessem como forma de "lição", e não errassem com ele novamente. Ele também era conhecido por interrogatórios violentos e não tinha remorso em usar tortura para seus fins. Durante os anos, Vader foi capaz de sobreviver as mais diversas atrocidades e até mesmo, testes impostos por Palpatine para que ele provasse seu valor.

Vader usava constantemente câmaras pressurizadas para meditação, o que permitia ele a ficar sem o capacete e sentir totalmente o seu corpo. Assim, ele podia usar melhor da dor que seu corpo causava constantemente para se fortalecer no Lado sombrio. Por fim, as memórias de Anakin foram "enterradas" por ele em sua cabeça. Vader pensava em Skywalker como "O Jedi", quase como outra pessoa. Sidious sempre o testava nesse quesito, e Vader tentava esconder ao máximo que tinha qualquer ligação com aquela época. Mesmo após reencontrar Ahsoka, sua ex-Padawan, Vader raramente mostrou alguma empatia com ela. Quando encontrou seu filho Luke em batalha, Vader não teve remorso em corta o braço dele e tentar trazê-lo ao Lado sombrio, com a promessa de que juntos eles derrotariam o Imperador e governariam a galáxia. Mesmo assim, Luke conseguiu ver luz em seu pai e em um último momento de desespero, Anakin conseguiu emergir para matar Sidious e salvar seu filho. Como Anakin, ele sentiu muito e pediu desculpas a Luke por todas suas atrocidades, tentando ver ele "com seus próprios olhos" uma última vez antes de morrer. Isso lhe permitiu ser um Fantasma da Força e ficar junto de seus velhos mestre Obi-Wan e Yoda.

Relacionamentos amorosos

Padmé Amidala

Anakin sempre demonstrou interesse amoroso em Padmé desde a primeira vez em que a viu, perguntando se ela era um "anjo" por achá-la muito bonita. Os anos em que se passaram após a Invasão de Naboo foram para Anakin uma lembrança constante de Padmé. Ele sonhava com ela constantemente e desejava vê-la novamente. Isso não ocorreu em 10 anos, onde ele finalmente foi chamado para protegê-la de um assassino que estava caçando-a. Anakin se mostrou com muito fechado em se abrir para ela inicialmente, mas chegou a confrontar as ordens de seu próprio mestre para acalmá-la e agradá-la, ele inclusive fez um plano de usá-la como isca para pegar o assassino sem o consentimento de Obi-Wan.

Proteger Padmé foi também a primeira missão solo de Anakin, o que o fez se sentir livre para contá-la o que sentia por ela. Ao ver que Padmé sentia o mesmo, Skywalker sugeriu que eles podiam ter um relacionamento amoroso em segredo, já que a Ordem Jedi não permitia esse tipo de apego emocional. Padmé logo recusou esta proposta, afirmando que seria como viver uma mentira. Apesar de Anakin ficar abalado por estas palavras, nenhum deles negou o sentimento de amor que sentiam um pelo outro, especialmente depois de serem pegos por Dookan e Jango Fett, e colocados para serem executados na Arena de Geonosis, onde Padmé decidiu que como suas vidas estavam para acabar, que ela não ligava em mostrar que o amava, e o beijou pela segunda vez. Após a Primeira Batalha de Geonosis, Anakin e Padmé se casaram em segredo e viveram assim pelo resto das Guerras Clônicas.

Anakin e Padmé se casando.

Como eram poucas as oportunidades de se verem, Anakin e Padmé raramente podiam demonstrar afeto, especialmente em público. Apesar disso, eles conseguiam momentos à sós, especialmente quando o Conselho Jedi dava folgas para Anakin. Ele insistia em levar Padmé a lugares fora de Coruscant e ficava obcecado em passar um tempo como marido e mulher com ela. Apesar de tentarem esconder seu relacionamento, fica implícito que algumas pessoas, especialmente próximas de Anakin, descobriram sobre o caso. Ahsoka por exemplo, diz entender o por quê Anakin pensava constantemente em deixar a Ordem Jedi. Este pensamento passou diversas vezes em sua cabeça, já que ele queria ser livre para poder ter um relacionamento aberto com Padmé sem o Conselho interferir e prejudicá-los de alguma maneira.

O relacionamento de Anakin e Padmé chegou a ser tão profundo que é considerado a principal causa de Anakin cair para o Lado Sombrio da Força. Graças a esse romance, Sidious foi capaz de manipular Anakin a fazê-lo pensar que Padmé morreria no parto, fazendo o Cavaleiro Jedi ter premonições da morte de sua esposa e buscar poder fora dos limites impostos pelos Jedi. Graças a isso, Sidious fez com que Anakin se tornasse seu aprendiz Darth Vader, e eliminasse os Jedi. Padmé sentia o conflito em seu marido e após Obi-Wan contar a ela que Anakin matou crianças no Templo Jedi, a mesma ficou sem palavras e não acreditava que ele seria capaz de tal atrocidade. Neste momento, Padmé se negou a dar a localização de Anakin e foi até lá pessoalmente. Mesmo descobrindo que o que Obi-Wan disse era verdade, a Senadora tentou convencer seu marido uma última vez a deixar tudo para trás, mostrando um perdão enorme por suas ações. Anakin no entanto ficou cego pela raiva, enforcando Padmé por achar que ela conspirava com Obi-Wan, já que o mesmo havia chegado em Mustafar ao se infiltrar na nave de Amidala. Mesmo após a morte de Padmé e a transformação de Anakin em Vader, o mesmo se lembrava da sua esposa. Sua conexão com ela era tão forte que ele tentou trazê-la de volta dos mortos duas vezes, apesar de falhar. Palpatine percebia que Padmé era a única ligação de Vader com Anakin que ele não conseguia extinguir.

O relacionamento de Anakin e Padmé no entanto foi responsável pelo nascimento de Luke Skywalker e Leia Organa, que mais tarde viriam a se tornar heróis para a Nova República e responsáveis pela destruição do Império Galáctico de Sidious.

Poderes e habilidades

Proficiência com o sabre de luz

"Se você gastasse tanto tempo praticando suas técnicas com o sabre como você faz com seu humor, rivalizaria com o Mestre Yoda como um espadachim."
"Eu pensei que eu já era."
"Apenas em seus sonhos, meu jovem aprendiz."
―Obi-Wan Kenobi e Anakin Skywalker[fonte]

Vader era um duelista habilidoso, mantendo a proficiência de sua antiga persona no combate com o sabre de luz.

Apesar de ser naturalmente talentoso, Anakin Skywalker foi inicialmente relaxado com seu treinamento com sabre de luz, apesar de acreditar que poderia rivalizar com os Mestres Jedi. Apesar de sua relativa preguiça, Anakin foi o melhor duelista de sua classe, apesar de ter começado mais tarde que seus colegas de classe. Skywalker preferiu o combate ao sabre de luz ao domínio da Força e, assim, passou mais tempo no lado físico de se tornar um Jedi. Quando tinha dezenove anos, Anakin era tão talentoso e hábil em duelar que acreditava que já rivalizava com o Mestre Yoda. Quando as Guerras Clônicas começaram, Skywalker era um duelista habilidoso o suficiente para se manter contra o Conde Dookan por um tempo, durando mais tempo do que Kenobi.[7] Durante a guerra, seu envolvimento frequente em duelos com indivíduos como a aprendiz informal Sith Asajj Ventress,[166][33][73] Savage Opress,[84] Conde Dookan,[166][106][130] e a Jedi caída Barriss Offee[117] lhe permitiram melhorar bastante suas capacidades com o sabre de luz. Sua habilidade até o final da guerra era tal que ele foi capaz de derrotar Dookan sozinho em combate, apesar do fato de que o Conde era um dos poucos duelistas capazes de se defender contra o próprio Yoda, embora as provocações de Dooku enfurecessem Skywalker, que sem querer resultou no último contato com o lado sombrio, o que também contribuiu para sua vitória.[8]

Durante seu duelo com seu ex-mestre Obi-Wan Kenobi, Skywalker mostrou-se igualmente equiparado a ele, e foi derrotado apenas quando sua arrogância e raiva permitiram que Kenobi o desmembrasse.[8] Skywalker foi considerado por alguns dentre os Jedi, como Kanan Jarrus, o maior guerreiro que a Ordem teve durante as Guerras Clônicas, com as únicas exceções possíveis sendo Yoda e Mace Windu. Sua ex-Padawan, Ahsoka Tano, já reconheceu Skywalker como alguém poderoso e que raramente perdia suas batalhas.[136]

Skywalker era particularmente habilidoso na Forma V, tanto nas variantes Shien quanto Djem So, sendo capaz de desviar o disparo de um blaster com facilidade, mas também tiros de cargueiros,[152] e fez bom uso dos ataques e contra-ataques baseados em força de Djem So para dominar ou subjugar um inimigo.[117] Skywalker usou o Jar'Kai em várias ocasiões, ele usou o sabre de luz de Kenobi durante seu primeiro duelo com Darth Tyranus em Geonosis,[7] ele usou o sabre de luz de Barriss Offee com o seu próprio em um duelo contra uma Barriss Offee já caída[117] e usou o sabre de luz de Dookan com seu próprio sabre de luz para executar Dookan após o duelo final com ele na Mão Invisível.[8]

Skywalker também era adepto do uso da Forma IV, muitas vezes incorporando suas técnicas ao seu estilo de duelo, principalmente acrobacias, e sabia que a chave para desviar do disparo de vários adversários eram movimentos fluidos, que ele dominou o suficiente para ajustar as técnicas clássicas da Forma IV para melhor defesa contra atacantes à distância, que ele demonstrou em uma gravação holográfica, mais tarde encontrada no holocron de Kanan Jarrus.[136]

Sabre de luz Sith de Darth Vader.

Depois que Darth Vader recebeu melhorias e uma armadura cibernética, seu estilo de duelo se tornou visualmente mais direto do que tinha sido, provavelmente devido ao fato de que sua armadura e cibernéticos alteraram seus atributos físicos; melhorando alguns enquanto atrapalhava outros. No entanto, o estilo de Vader ainda era bastante semelhante ao que ele havia usado como Jedi para que Tarkin fosse capaz de descobrir a antiga identidade de Vader em grande parte, observando-o lutar.[81]

Vader continuou a usar Jar'Kai em várias ocasiões. Em Mustafar, ele usou o sabre de luz de um contrabandista, que foi puxado com a Força do contrabandista, com o qual Vader usou junto de seu sabre pessoal para acabar com o .droide restante no santuário de Lady Corvax.[15] Outra vez, Vader usou sua arma com um dos sabres de luz de Darth Atrius contra um grupo de bandidos que Sana Starros havia contratado para manter os Imperiais longe dela.[167]

Um combatente pragmático, Skywalker, mesmo quando ele se tornou Darth Vader, tinha a habilidade de lançar um sabre de luz ativado para atacar, guiando-o com a Força,[65][152][168][162][169][170] ou recorreria a ativar para obter resultados letais ao ser segurado por inimigos incautos, uma vez impressionando Kenobi ativando telecineticamente seus sabres de luz (ambos na posse de Chong) e cortando o Sugi antes de puxar os sabres de luz para suas mãos.[127]

Poderes da Força

"A Força é extraordinariamente forte com ele, isso está claro."
―Qui-Gon Jinn sobre Anakin Skywalker[fonte]

Vader absorvendo a energia do blaster com sua mão.

Abençoado com reflexos impressionantes típicos de um Jedi, o Mestre Jedi Qui-Gon Jinn viu um enorme potencial no Skywalker, ainda com 9 anos, e acreditava que ele havia sido concebido pela Força. De fato, quando seu sangue foi enviado para uma análise, a contagem de midi-chlorians de Skywalker estava acima de 20.000, supostamente maior que a de Yoda. O valor total era, no entanto, desconhecido, pois a leitura estava fora da escala.[6]

Na adolescência, o treinamento da Força de Skywalker progrediu até o ponto em que ele foi capaz de manifestar várias habilidades, e Kenobi achou ele sendo "avançado para sua idade".[20] Ele era muito hábil em usar a Força para examinar seu ambiente, como quando sentiu kouhuns venenosos se infiltrando no quarto de Amidala, apesar de estar em outro quarto na época.[7] Ele também era hábil em pressentir os sentimentos de outras pessoas[114] e distúrbios na Força.[107] Skywalker também mostrou aptidão para sonhos pré-cognitivos, como quando ele previu a morte de sua mãe e sua esposa em sonhos,[7] mas também de se tornar um Jedi, quando viveu com sua mãe em Tatooine.[6] No entanto, Skywalker lutou ao usar a Força para controlar e fazer amizade com animais,[20] observando que Kenobi era muito melhor nisso do que ele.[128]

Skywalker era hábil em telecinesia[7]: mesmo como um iniciante tardio, ele era muito bom nisso, melhor do que qualquer Padawan de sua idade e a maioria dos Jedi mais velhos também.[19] Ele podia levantar sabres de luz no ar e acioná-los com facilidade, como fez uma vez para assustar um par de padawans que o chamavam de "escravo de suas emoções".[25] Apesar de ter uma conexão excepcionalmente forte com a Força, Skywalker tendia a não usá-la com muita frequência durante duelos com sabres de luz e se concentrava nos aspectos físicos do combate. Essa tendência se manteve mesmo ao enfrentar adversários que fizeram uso desenfreado da Força durante duelos, como o Conde Dookan.[106]

Durante as Guerras Clônicas, o poder e a habilidade de Anakin continuaram a aumentar. Ele se tornou capaz de utilizar a telecinesia para realizar tarefas esotéricas, como criar bolhas de ar ao redor da cabeça de outra pessoa para permitir a respiração debaixo d'água, como mostrado quando salvou a vida de Padmé em Mon Cala.[98] Durante sua missão em Utapau, Anakin foi capaz de sentir ondas cerebrais em um corpo morto,[126] e quando ele conheceu o Grande Almirante Thrawn, ele foi capaz de sentir seus pensamentos, alcançando-o através da Força.[171] Em um ponto durante a guerra, o Escolhido foi capaz de subjugar telecinicamente o Filho e a Filha simultaneamente. No entanto, esse poder foi perdido quando o lado sombrio se tornou poderoso demais e interrompeu o equilíbrio da Força.[85]

Vader usa a Força para impedir um AT-AT de esmagá-lo em Cymoon 1.

Após sua reconstrução cibernética, a conexão de Vader com a Força se fortaleceu consideravelmente, a ponto de seu mestre Sidious uma vez elogiar seus poderes como sendo "incomparáveis".[152][81] Embora seus ferimentos o tivessem prejudicado fisicamente, Vader acreditava que o sofrimento que ele experimentara havia aperfeiçoado seu espírito e o libertado das necessidades da carne, permitindo que ele se concentrasse apenas em seu relacionamento com a Força.[152] Ele demonstrou poder telecinético suficiente para impedir um AT-AT de pisar nele e estava no processo de destruí-lo antes de ser interrompido.[168] Em outra ocasião, ele telecineticamente levantou dois caminhantes AT-DP de si mesmo sem qualquer dificuldade aparente.[172] Ele também demonstrou a capacidade de agarrar um cargueiro Twi'lek danificado e trazê-lo ao chão[152] e esmagar os motores de uma lançadeira de classe Lambda no meio do voo para derrubá-lo.[173] Ele foi capaz de utilizar a Força para dar um empurrão em uma forma de onda que era poderosa o suficiente para explodir numerosos lyleks simultaneamente, apesar do fato de que as carapaças das criaturas eram impermeáveis ​​ao fogo intenso de um blaster.[152] Ele também poderia projetar barreiras da Força para proteger a si e aos outros.[174] Essas barreiras eram poderosas o suficiente para proteger Vader enquanto submerso na lava de Mustafar, embora apenas por um curto período de tempo. Em pelo menos uma ocasião, ele demonstrou que era capaz de manipular telecineticamente os alvos sem a necessidade de gesticular para eles, como praticamente todos os outros adeptos da Força. Isso lhe deu a capacidade de atirar objetos com a Força enquanto estava ativamente envolvido em um duelo.[12] Ele também era capaz de usar a habilidade de Estase da Força e era habilidoso o suficiente em sua execução, que em uma ocasião ele a usou para congelar dois Inquisidores simultaneamente.[175]

Vader também foi capaz de usar suas habilidades telecinéticas para executar tarefas extremamente delicadas, complexas e precisas. Em uma ocasião, ele retornou seus membros cibernéticos gravemente danificados ao perfeito estado de funcionamento, desmontando um dróide quebrado e reparando-o telecineticamente com seus componentes.[176] Ele também demonstrou a capacidade de esmagar órgãos internos com a Força. Em um ponto durante um interrogatório, ele usou a Força para infligir quantidades torturantes de dor a vários prisioneiros insurgentes, a ponto de causar insuficiência cardíaca em um deles.[81]

Anakin desenvolveu uma tendência de usar o estrangulamento da Força ao longo de sua época como Jedi, especialmente quando irritado ou usando-o como um meio de interrogatório quando um indivíduo não cooperava.[60][102][117] Skywalker usaria esse poder com efeito mortal quando assumisse sua personalidade Sith, geralmente usando-o para matar aqueles que o insultaram ou falharam em atender às suas expectativas, além de usá-lo como um meio de incitar medo.[4][12] Ele também usou a técnica para torcer, esmagar ou estalar o pescoço de uma vítima, o que ele demonstrou de maneira notável com o comandante Fox, assim com outros soldados clone e mais tarde stormtroopers.[143][177][168]

Como a maioria dos adeptos da Força, Vader também tinha a capacidade de aumentar muito sua força e velocidade com a Força.[152] Ele também era muito hábil no uso da Força para saltar grandes distâncias.[152] Durante uma missão para investigar Geonosis, o Capitão Rex observou que o Cavaleiro Jedi Kanan Jarrus ainda não havia demonstrado a habilidade de Skywalker com pulos da Força, apesar de ter acabado de pular um abismo com mais de 40 metros de largura.[178][179] Vader demonstrou em inúmeras ocasiões a capacidade de sondar os pensamentos dos outros, incluindo os dos adeptos da Força com poder semelhante ao seu.[162] Devido à sua forte conexão com seu filho, Luke, ele foi capaz de sentir sua presença através da Força com bastante facilidade - ao contrário de seu mestre, que era cético em relação a essa habilidade, e rapidamente se tornou capaz de se comunicar mentalmente com ele ao descobrir que Luke era filho de Vader.[162]

Outras habilidades

Mesmo em tenra idade, Skywalker demonstrou grande aptidão para pilotagem, mecânica e engenharia - ele reconstruiu o droide de protocolo C-3PO, um droide fluente em mais de seis milhões de formas de comunicação, além de um podracer funcional.[6] Embora durante a idade adulta ele raramente usasse seu talento como mecânico, ele continuaria hábil em consertar qualquer forma de tecnologia.[152]

Caça TIE avançado de Darth Vader.

Como piloto, Skywalker mostrou uma habilidade incrível que poucos conseguiram superar, e Kenobi mais tarde o descreveu para seu filho Luke como "o melhor piloto da galáxia".[4] Anakin foi capaz de pilotar um podracer e foi o primeiro e único humano a competir em uma corrida de pod. Ele também foi capaz de sobreviver à Batalha de Naboo e melhorou suas habilidades em combate aéreo e voo. Durante as Guerras Clônicas, Anakin era conhecido por ser o melhor piloto da República e por liderar o ataque em batalhas e sair vivo. Ele era muito hábil em perseguir alvos, desativar bloqueios fora do alvo e manobrar contra muitos oponentes. Seu poder na Força também lhe deu reflexos rápidos, uma habilidade que ajudaria a evitar fogo inimigo e a focar nos alvos. Ele também exibiu uma precognição incrível, pois era capaz de prever os movimentos de seus alvos durante batalhas com grande precisão. Ele uma vez conseguiu pousar a Mão Invisível quando foi ela estava metade destruída e ainda se fragmentado na atmosfera.[8] Depois de se tornar Vader, ele permaneceu um piloto excepcionalmente habilidoso, como mostrado quando ele sozinho quase destruiu o Esquadrão Fênix em um único Caça TIE Avançado x1, escapando facilmente de toda a sua frota e forçando seu comando a abandonar a nave,[172] e quando ele eliminou vários esquadrões da Aliança durante a Batalha de Vrogas Vas.[180] Apesar disso, Skywalker seria ocasionalmente abatido durante sua carreira de piloto de combate.[181] No entanto, esse era um acontecimento muito raro e poucos poderiam ter as habilidades necessárias para realizar tal feito.

Embora ele usasse principalmente sabres de luz, Skywalker era extremamente proficiente no uso de pistolas blaster.[127] Ele também teve algum treinamento no uso de bastões, uma habilidade que uma vez ensinou a uma vila Feluciana para que eles pudessem se defender.[53] Skywalker falava Básico Galáctico[4] e Huttese,[181][182][9] e compreendia a língua Bith.[104] Como Vader, ele aprendeu a antiga língua Sith, e pôde falar junto com seu mestre, Darth Sidious.[152]

Nos bastidores

Darth Vader enfrentando o que seria futuramente Luke Skywalker em uma arte conceitual de Uma Nova Esperança.

Anakin Skywalker, originalmente apresentado como Darth Vader, fez sua primeira aparição como um dos principais antagonistas de Star Wars Episódio IV: Uma Nova Esperança. À medida que o universo de Star Wars continuasse evoluindo, o personagem de Skywalker seria desenvolvido e explorado em detalhes, com George Lucas eventualmente o tornando uma figura central nos seis filmes iniciais de Star Wars. A popularidade e o foco do personagem o tornariam um tipo de mascote da franquia Star Wars.

O personagem de Darth Vader não foi originalmente planejado para ser um ciborgue. Nos roteiros originais de Uma Nova Esperança, o nome "Darth Vader" foi dado a um general imperial normal. O conceito de um Vader cibernético foi criado quando o artista conceitual desenhou a cena de abertura em que Tantive IV estava sendo abordada. Inicialmente, imaginou-se que Darth Vader voaria pelo espaço para entrar na nave, necessitando de um traje e máscara respiratória. Este processo foi posteriormente tornado permanente e incorporado à história. O uso de uniforme preto de Vader, juntamente com sua devoção ao Omperador Palpatine, também pretendia ser uma analogia ao Schutzstaffel (SS) na Alemanha Nazista.

A fim de manter o "grande segredo" de Star Wars Episódio V: O Império Contra-Ataca escondido de potenciais vazamentos, George Lucas realmente usou uma técnica de desvio: o ator David Prowse foi instruído a dizer "Obi-Wan matou seu pai" durante as filmagens para Luke Skywalker. Mais tarde, a voz de James Earl Jones foi dublada, revelando a verdade real da descendência de Vader na famosa frase "Eu sou seu pai". Os únicos que conheceram esse grande segredo foram os escritores, Mark Hamill (que foi contado em segredo apenas momentos antes de filmar a cena) e James Earl Jones.

Houve alegações de que George Lucas tomou o nome "Anakin" de seu amigo e colega diretor de cinema Ken Annakin. No entanto, Lucas negou isso por meio de seu publicitário após a morte de Annakin em 2009.

Tanto na capa original de DVD de A Vingança dos Sith quanto no pôster do filme, Anakin não possui a cicatriz no olho direito.

Anakin possuiu vários temas próprios durante o decorrer da saga, como "Anakin's Theme", "Anakin's Betrayal", "Anakin's Dark Deeds", "Across the Stars" (seu tema de amor junto a Padmé), e "The Imperial March" (como Darth Vader).

Darth Vader como uma figura cultural

A imagem de Darth Vader se tornou associada com o símbolo do mal.

Devido ao seu papel central nos filmes, Vader entrou na consciência pública como o vilão assustador por excelência; a lista dos maiores vilões do cinema do American Film Institute o colocou em terceiro, depois de Hannibal Lecter e Norman Bates.[183] A voz poderosa e profunda de Lord Vader, juntamente com sua respiração pesada e estranha, é facilmente reconhecível pelos espectadores—é simbólico de sua transformação de um homem da luz em um ciborgue do mal.

Vader já foi muitas vezes fonte de inspirações e parodiado por outros personagens de diversas mídias.[184] Ele foi ridicularizado por figuras como "Dark Helmet" de Spaceballs e inúmeras outras paródias de desenhos animados, como "Duck Vader" de Tiny Toon Adventures e "Darth Koopa" da série de TV Super Mario Bros. Outros personagens fictícios seguem o arquétipo de Vader de maneira mais séria. Um exemplo seria "Death's Hand" do videogame Jade Empire—que também fica preso em uma armadura, incluindo um capacete mascarado, embora usasse magia em vez de cibernética. Outro exemplo é o principal antagonista de Final Fantasy IV, Golbez, que Takashi Tokita afirmou ser baseado em Darth Vader. Semelhante a Vader, Golbez havia se transformado no mal por uma influência externa devido a experiências traumáticas, usava armadura escura depois de sua queda e era parente do protagonista principal (seu irmão, neste caso).[185] A encarnação de Bane no filme The Dark Knight Rises também se inspirou em Vader, principalmente devido ao seu tamanho enorme e alto intelecto (retido de outras encarnações do personagem), juntamente com sua máscara única e respiração distinta.[186] No cânone de Star Wars, o personagem de Kylo Ren não é apenas inspirado por Vader, mas aspira a ser como ele no universo e tem uma aparência e personalidade semelhantes a Anakin antes de seus ferimentos.[187]

Vader também foi referenciado no filme de compilação Space: 1999 de 1982, Cosmic Princess, como o Capitão Duro do episódio do Ano Dois "Space Warp" que foi renomeado "Vader, comandante da Frota Interplanetária dos Whills", em referência ao Journal of the Whills, de George Lucas.[188] O livro Star Wars: The Complete Vader explorou o impacto cultural do personagem Vader em detalhes.

Um dos comerciais da Super Bowl com Darth Vader.

Em 2011 e 2012, a empresa de carros Volkswagen exibiu dois comerciais do Super Bowl com o personagem de Darth Vader. O primeiro anúncio foi intitulado "The Force" e apresentava um jovem garoto vestindo uma fantasia da armadura de Darth Vader. O garoto tentou usar a Força para puxar o carro de seus pais, mas fugiu quando o alarme soou, com seus pais observando da janela. O comercial de 2012 foi ao ar após um anúncio diferente da Volkswagen que não apresentava Vader. Outra propaganda mostrava Darth Vader estrangulando o Doutor Cornelius Evazan porque o mesmo havia comentado que o novo comercial era mais emocionante do que do Vader do ano anterior.[189]

A arte de Iain McCaig.

O capacete queimado de Darth Vader apareceu em Star Wars Episódio VII: O Despertar da Força. Anakin aparecendo no filme como um fantasma da Força ou em uma visão da Força foi um tópico de debate entre os cineastas: o artista conceitual Iain McCaig, inspirado na frase "Quando você acende uma vela, também projeta uma sombra", criou um a obra de arte de 2013 que descreve o fantasma de Anakin se transformando entre as duas identidades.[190] No entanto, de acordo com Phil Szostak, McCaig lançou a ideia, mas não foi surpreendido por J.J. Abrams ou qualquer membro da equipe do filme.[191] Até onde Szostak se lembra, a arte fantasma da Força de Anakin não era de um rascunho ou esboço para o filme. Hayden Christensen foi abordado originalmente para fazer novamente o papel, mas a inclusão de Anakin no filme acabou sendo descartada.[192]

Interpretação

"Encontrar a voz certa para Darth Vader era outro desafio difícil. Lucas nunca teve a intenção de usar a interpretação vocal de David Prowse no set."
―Narrador Robert Clotworthy[fonte]

Considerando as mudanças drásticas que ele passa na série Star Wars, Anakin Skywalker foi retratado por muitos atores em diferentes mídias, muitas vezes com vários atores que dão vida ao personagem na mesma parcela (principalmente na trilogia original).

Darth Vader, como ele foi estabelecido inicialmente, foi interpretado no set por David Prowse na trilogia original, enquanto James Earl Jones forneceu a voz icônica de Vader,[4] um papel que ele reprisou em A Vingança dos Sith,[8] Star Wars Rebels,[14] e Rogue One: Uma História Star Wars.[193] Sebastian Shaw interpretou o Anakin velho durante O Retorno de Jedi na cena onde é desmascarado e como Fantasma da Força, sendo substituído mais tarde por Hayden Christensen como Fantasma da Força.[162]

Em Star Wars Episódio I: A Ameaça Fantasma foi apresentado um Anakin criança de nove anos de idade, interpretado por Jake Lloyd[6] escolhido por Robin Gurland dentre mais de trezentos atores.[194] Hayden Christensen interpretou Anakin nas duas sequências da trilogia prequela.[7][8]

No filme e série de TV The Clone Wars, Matt Lanter forneceu a voz para Anakin Skywalker.[10] Em Rogue One: Uma História Star Wars, Vader foi interpretado por Spencer Wilding e Daniel Naprous em diversas cenas diferentes, com a voz de James Earl Jones.[195][196]

Originalmente, David Prowse tinha como objetivo falar com a armadura de Vader, embora o sotaque de Prowse fizesse Vader parecer pouco ameaçador, então sua voz foi rapidamente substituída. James Earl Jones decidiu fazer o trabalho de voz, pois a necessidade de Vader parecer intimidador combinava com sua própria voz.[197] Prowse, no entanto, não sabia que sua voz foi substituída até o lançamento do filme. James Earl Jones não foi creditado até o Episódio V, pois ele sentiu que não merecia o crédito devido apenas ao fornecer sua voz para Vader. Para cenas de luta nos episódios V e VI, o espadachim Bob Anderson usava o traje. Em novas cenas filmadas para a Edição Especial da trilogia original, o ator e ex-artista de efeitos visuais Industrial Light & Magic C. Andrew Nelson interpretou o famoso Lorde Sombrio.

A aparição original do Fantasma da Força de Anakin.

A nova aparição do Fantasma da Força de Anakin.

Na versão original do Episódio VI, a aparição do fantasma da Força redimido de Anakin Skywalker era um homem robusto, de meia-idade a idoso, com cabelos castanhos grisalhos e um rosto gentil, mas após o lançamento do DVD da edição especial de O Retorno de Jedi, Anakin volta como um Fantasma da Força jovem, com sua aparência semelhante pouco antes de cair no lado sombrio. George Lucas afirmou que os Jedi redimidos reverteriam como um Fantasma da Força em sua forma pré-queda, além da diferença física entre os atores Sebastian Shaw e Hayden Christensen deixar inconsistente a aparência do Anakin velho. Essa diferença também fez Lucas alterar a cena onde Luke tira a máscara de Vader, usando de efeitos especiais para deixar Shaw mais parecido com o que poderia ser um Hayden mais velho, adicionando olhos azuis e retirando suas sobrancelhas digitalmente, já que as mesmas foram queimadas em Mustafar no Episódio III.

Em A Vingança dos Sith, Hayden Christensen usava o traje de Darth Vader, que foi projetado especificamente para se ajustar ao seu corpo. Seu substituto para as filmagens no Reino Unido foi Christian J Simpson, que também trabalhou ao lado do jovem Anakin no Episódio I como Bravo Seis, o Tenente Gavyn Sykes. As poucas falas do Vader no filme são de James Earl Jones, mas ao mesmo tempo houve um debate sobre isso. Alguns fãs acreditavam que Jones não participara do filme, já que seu nome não aparece nos créditos de A Vingança dos Sith, e a voz ouvida no primeiro trailer do filme era de Christensen, embora alterada digitalmente. O assunto foi resolvido com a edição de verão de 2005 da Starlog, na qual o produtor Rick McCallum afirmou que eles tiveram James Earl Jones para um dia parcial de trabalho no Episódio III.

No final original de Rogue One, Vader não iria caçar os Rebeldes com os planos da Estrela da Morte, mas sim matar Krennic.[198]

Aparições

O capacete de Anakin durante a corrida de pods no Episódio I.

Aparições não-canônicas

Fontes


Notas e referências

  1. 1,0 1,1 1,2 1,3 StarWars.com Encyclopedia Anakin Skywalker na Encyclopedia
  2. Star Wars: Rogue One: The Ultimate Visual Guide estabelece que Anakin Skywalker nasceu em 41 anos antes da missão para roubar os planos da Estrela da Morte. Já que Star Wars: Galactic Atlas data a missão em 0 ABY, Skywalker nasceu em 41 ABY.
  3. Star Wars: Galactic Atlas
  4. 4,0 4,1 4,2 4,3 4,4 Star Wars Episódio IV: Uma Nova Esperança
  5. StarWars.com Encyclopedia Darth Vader na Encyclopedia
  6. 6,00 6,01 6,02 6,03 6,04 6,05 6,06 6,07 6,08 6,09 6,10 6,11 6,12 6,13 6,14 6,15 6,16 6,17 6,18 6,19 6,20 6,21 6,22 6,23 6,24 6,25 6,26 6,27 6,28 6,29 6,30 Star Wars Episódio I: A Ameaça Fantasma
  7. 7,00 7,01 7,02 7,03 7,04 7,05 7,06 7,07 7,08 7,09 7,10 7,11 7,12 7,13 7,14 7,15 7,16 7,17 7,18 7,19 7,20 7,21 7,22 7,23 7,24 7,25 7,26 Star Wars Episódio II: Ataque dos Clones
  8. 8,00 8,01 8,02 8,03 8,04 8,05 8,06 8,07 8,08 8,09 8,10 8,11 8,12 8,13 8,14 8,15 8,16 8,17 8,18 8,19 8,20 8,21 8,22 8,23 8,24 8,25 8,26 8,27 8,28 8,29 8,30 8,31 8,32 8,33 8,34 8,35 8,36 8,37 8,38 8,39 8,40 8,41 8,42 8,43 8,44 8,45 8,46 Star Wars Episódio III: A Vingança dos Sith
  9. 9,0 9,1 9,2 9,3 Star Wars: Absolutely Everything You Need to Know
  10. 10,0 10,1 10,2 10,3 10,4 Star Wars: The Clone Wars filme
  11. Star Wars 22
  12. 12,00 12,01 12,02 12,03 12,04 12,05 12,06 12,07 12,08 12,09 12,10 12,11 12,12 12,13 12,14 12,15 12,16 12,17 Star Wars Episódio V: O Império Contra-Ataca
  13. Star Wars: Absolutely Everything You Need to Know, Updated and Expanded
  14. 14,0 14,1 Star Wars Rebels: A Fagulha de Uma Rebelião
  15. 15,0 15,1 Vader Immortal: A Star Wars VR Series – Episode I
  16. 16,0 16,1 16,2 StarWars-DatabankII.png Anakin Skywalker Biography Gallery no Databank
  17. Return of the Jedi: Beware the Power of the Dark Side!
  18. IDWStarWarsAdventuresLogoSmaller.png Rose Knows"—Star Wars Adventures 6
  19. 19,0 19,1 19,2 19,3 19,4 Obi-Wan & Anakin, Parte III
  20. 20,0 20,1 20,2 20,3 20,4 Obi-Wan & Anakin, Parte II
  21. 21,0 21,1 Darth Vader: Sith Lord
  22. 22,0 22,1 22,2 22,3 22,4 Age of Republic - Obi-Wan Kenobi 1
  23. 23,0 23,1 23,2 23,3 TCW mini logo.jpg Star Wars: The Clone Wars – "Hostage Crisis"
  24. 24,0 24,1 TCW mini logo.jpg Star Wars: The Clone Wars – "The Big Bang"
  25. 25,0 25,1 25,2 25,3 Obi-Wan & Anakin, Parte I
  26. 26,0 26,1 26,2 Obi-Wan & Anakin, Parte IV
  27. 27,0 27,1 Obi-Wan & Anakin, Parte V
  28. 28,0 28,1 28,2 28,3 TCW mini logo.jpg Star Wars: The Clone Wars – "Darkness on Umbara"
  29. 29,0 29,1 TCW mini logo.jpg Star Wars: The Clone Wars – "Storm Over Ryloth"
  30. "501 Plus One"—Age of Republic Special 1
  31. 31,0 31,1 Age of Republic - Anakin Skywalker 1
  32. 32,0 32,1