FANDOM


Eras-canon2-transp

Eras-legends

30px-Era-old30px-Era-imp30px-Era-reb30px-Era-new30px-Era-njo30px-Era-leg30px-GoodIcon

"Bacta pode curar o corpo, mas a Força pode curar a alma."
―Um Jedi curador[fonte]

Cura da Força, Tratamento da Força, ou Cura era um poder que usava a Força para acelerar o processo natural de cura rapidamente.

ResumoEditar

"Deve relaxar... acompanhar a minha mente... alcançar o interior... através da dor... para tocar a Força! Unir ossos... consertar a carne... renovar!"
Ki-Adi-Mundi[fonte]

Os níveis iniciais requeriam grande concentração e meditação, enquanto uma maior aptidão na técnica garantia uma regeneração rápida. Os níveis mais avançados eram capazes de curar grandes ferimentos, até mesmo danos completos à carne, osso ou órgãos. Porém não parece ser possível refazer matéria com essa habilidade, já que nem Luke Skywalker nem Darth Vader jamais recuperaram seus membros perdidos.

Cilghal egtf

Cilghal, Jedi Curador.

Os Jedi Curadores usavam esse poder para diagnosticar e tratar seus pacientes. Um exemplo notável do uso dessa habilidade foi Cilghal usando a Força para curar Mon Mothma de um veneno molecular que era incurável por meios convencionais, embora propriamente dito, esse método de cura constou na sabedoria e uso da Força de Cilghal para detectar e remover as nanomáquinas que afligiam Mon Mothma e não uma aplicação direta de energia da Força nas células danificadas.

Obi-Wan Kenobi usou esse poder para curar Luke Skywalker após seu confronto com o Povo da Areia em Tatooine em 0 ABY.

Ki-Adi-Mundi também usou esse poder para curar um osso quebrado da clavícula quase que por completo através de meditação após a emboscada de Jabba o Hutt e seus comparsas, durante sua missão para encontrar Sharad Hett.

Todas as Crianças do Planeta Verde podem ter possuído essa técnica.

Os Jedi da Nova Ordem Jedi utilizavam essa habilidade na forma de um transe de cura.

Uso alternativoEditar

Cura da Força

Meetra Surik usando Cura da Força.

Embora alguns acreditassem que usuários malévolos da Força não podiam usar a verdadeira Cura da Força devido a sua natureza maligna, isso mostrou ser um engano. O lado sombrio pode sim usá-lo para curar a si mesmo ou a outros, porém com efeitos distorcidos pela energia da escuridão.

A cura do lado negro é apenas temporária e precisa ser mantida de tempos em tempos com novas aplicações de Força ou com concentração constante para manter-se ativa. Além disso, ela pode se utilizar da dor e agonia dos outros para obter melhores resultados. Um bom exemplo desse efeito colateral vem de Darth Bane. Após ser envenenado pela Irmandade das Trevas, ele recorreu a esse tipo de Cura da Força para se manter vivo tempo o suficiente para encontrar Caleb, um verdadeiro curandeiro da Força. Darth Bane fez isso após matar o filho de um fazendeiro bem diante dos olhos do pai. A dor que a criança sentiu com o ferimento, somada à agonia do pai por presenciar sua morte foi o suficiente para sustentar Bane durante horas.

Darth Vader também experimentou a Cura da Força alimentada pelo lado sombrio, em que a meditação em sua raiva e frustrações da vida e das circunstâncias em que se encontrava permitia que seus pulmões funcionassem sem o auxílio da câmara hiperbárica ou de sua roupa de suporte vital. Ele rapidamente descobriu que o lado negro podia apenas oferecer um lado perverso da cura verdadeira, vendo que seus pulmões só permaneciam funcionando dessa forma enquanto a intensidade de sua raiva mantinha o lado sombrio da Força concentrado nele. Vader só podia manter-se nesse estado por alguns segundos, talvez poucos minutos. A emoção de prazer e satisfação por estar curado envenenava o lado negro e quebrava sua concentração, sabotando o processo de cura. Ainda assim, ele acreditava que um dia, com muita concentração, ele não precisaria mais de seu sistema de suporte de vida.

Force heal SWGTCG

Uma Jedi cura suas próprias feridas no abdômen.

Um exemplo ainda mais terrível do preço da cura pelo lado sombrio é o caso do antigo Lorde Sith Darth Sion, o Lorde da Dor. Sion podia concentrar sua própria dor e agonia e se recuperar até de ferimentos mortais quase que instantaneamente. A capacidade de Sion com essa técnica era quase perfeita. Com o passar do tempo, ele recebeu diversos ferimentos que normalmente seriam fatais, causando-o constante agonia (que lhe era bem-vinda, já que ele usava para abastecer seu lado sombrio interior). Para realizar essa torturante técnica, ele tinha que canalizar a Força constantemente, para literalmente manter seu corpo montado. Aquilo era realmente um processo de preservação quase perfeito: mais dor significava mais poder, mais poder significava mais dano que podia ser recuperado e mais dano significava mais dor. Uma equipe médica ao examinar seu corpo que se mantinha regenerado mesmo quando ele estava inconsciente, constatou que a própria gravidade deveria estar desmontando seu corpo, de tão danificada que estava sua concha física. Sion morreu quando a Jedi Exilada deixou a mente dele em dúvida, convencendo-o que com essa “vida” dependente da Força não valia a pena existir.

É possível que Exar Kun tenha utilizado o lado negro da cura sem saber, ao recuperar seu corpo despedaçado quando ele foi esmagado na tumba de Freedon Nadd; entretanto, também é possível que o espírito do próprio Freedon Nadd tenha feito isso com alguma magia Sith.

Darth Plagueis, o mestre de Palpatine, também experimentou uma variação do lado negro da cura que lhe concedeu a habilidade de criar, manter e salvar vidas manipulando midi-chlorians até certo grau. Plagueis deduziu que uma criança nascida através de poder seria uma incorporação da Força. Apesar de Sidious ter dito a Anakin que Plagueis possuía total controle dessa habilidade, é incerto se ele foi realmente bem-sucedido em desenvolver esse poder completamente. Ainda assim, de acordo com os Lordes Sith, ele utilizou esse poder para criar Anakin Skywalker, mas isso nunca foi verdadeiramente comprovado. Se Plagueis realmente tinha controle dessa habilidade antes de sua morte, também é duvidoso; se Darth Sidious, a quem o conhecimento deveria ter sido passado, chegou a ter acesso a essa técnica também. Seus comentários com seu então recente aprendiz Darth Vader, sugerem que não. Quer pudessem ou não salvar uma pessoa da beira da morte, o fato é que eles não podiam salvar a si mesmos, nem conseguir imortalidade ou a preservação de suas essências após a morte. Esse poder, segundo os Mestres Jedi Qui-Gon Jinn e Yoda, só podia ser adquirido por um Jedi, porque o segredo para isso era o amor.

Transferência das TrevasEditar

Blue Glass Arrow Artigo principal: Transferência das Trevas
CadeHealingLightning-LECG

Cade Skywalker usa a sua forma única de cura da Força.

Existia um poder de Força relacionado possuído por um descendente de Darth Vader chamado Cade Skywalker. Este poder dá a capacidade de trazer outros de volta da beira da morte, curando as feridas mortais. Seu uso coincidia com momentos de sofrimento emocional intenso. Cade acreditava que tinha que invocar o lado escuro, a fim de acessar o talento, mas seu ex-Mestre Jedi Wolf Sazen contestava isso, acreditando que com a formação adequada, o lado luminoso poderia realizar tal façanha, assim, uma posição mais tarde provada correta[1]. O Lorde Sith Darth Krayt, também aprendeu essa habilidade e dominou-a depois de combinar o conhecimento de Karness Muur, Darth Andeddu, e Cade Skywalker, na medida em que ele foi capaz de até mesmo curar a si mesmo da morte.

Nos bastidoresEditar

Em jogos como Star Wars: Knights of the Old Republic e da série Dark Forces, o jogador pode dar esse poder aos protagonistas, para curar-se e os membros de seu grupo de lesões ou até mesmo veneno. Nos jogos, o uso do poder é acompanhada com alguns efeitos, como redemoinhos brilhantes e sons. Estes acredita-se serem mais recursos visuais para o jogador, ao invés de uma representação real do comportamento do poder. Além disso, nestes jogos, o poder de cura é representada por uma cruz que se parece muito com a cruz suíça.

ApariçõesEditar

FontesEditar

Notas e referênciasEditar

O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.