FANDOM


Eras-canon2-transp

Eras-legends

30px-Era-imp30px-GoodIcon

Este artigo é sobre a Guarda Real Mandaloriana. Você pode estar procurando a força policial da Guarda Mandaloriana, a Guarda Real do Imperador, ou a Guarda Real Hapana, ou a Força de Segurança Real de Naboo.
"Como minha guarda pessoal, vocês são os únicos em que eu possa confiar para investigar este assunto."
―Duquesa Satine.[fonte]

A Guarda Real Mandaloriana foi um grupo de Mandalorianos encarregados da proteção da Duquesa Satine Kryze. Eles foram lutadores Mandalorianos treinados para provas de contenção na maioria das situações, mas podiam continuar como uma força de combate formidável.[1] A Guarda Real empunhavam bastões de força capazes de bloquear tiros de blaster e armadura pesada, um gorget, e um capacete elaborado para proteger o corpo. A armadura e uniforme associados a isso representavam as tradições de bravura e disciplina de Mandalore, enquanto simultaneamente, rejeitavam o passado sangrento e violento dos clãs guerreiros.[1]

HistóriaEditar

200px-PadmeSatineInvestigation-Corruptio

Duquesa Satine atarefa para a sua guarda erradicar a corrupção em Mandalore.

Essa unidade de guarda-costas esteve operacional durante as Guerras Clônicas onde serviram ao governo dos Novos Mandalorianos e também como os protetores da Duquesa Satine. Eles estiveram presentes à bordo do Coronet durante um atentado para sequestrar da Duquesa. Com a ajuda do Cavaleiro Jedi Anaki Skywalker ele manusearam-se para derrotar os droides de batalha Separatista que embarcaram na nave. Seguido do incidente, ao menos três membros da guarda estiveram com a Duquesa em Coruscant. Enquanto lá, esses guarda protegeram Satine quando o Olho da Morte sabotaram o sistema de navegação de seu veículo. Os guardas conseguiram pular para fora do do veículo e tomar a Duquesa em segurança quando a embarcação bateu em um prédio.

Em resultado, eles estavam presentes como parte de um destacamento da guarda de honra, onde receberam a Senadora Padmé Amidala que havia chegado em Mandalore para uma reunião com a Duquesa Satine. Mais tarde a Guarda Real estava escoltaram o par em sua entrada à capital Sundari. Quando um número de crianças ao redor de Mandalore começaram a sofrer com envenenamento, todos os sinais apontavam um chá contaminado que entrava no planeta. Após ver o seu governo falhar ao tentar para o surto, Satine juntamente com Amidala chamaou a Guarda Real para ajudar na investigação do assunto, onde descobriram uma operação de mercado negro dirigida por Mooganos que haviam subornado trabalhadores portuários corrompidos para permitir a continuação dos embarques. Quando eles descobriram um armazém guardando o chá envenenado, a Guarda Real ficou sob o fogo de contrabandistas, mas conseguiram derrotá-los com o auxílio da ajuda da Senadora de Naboo.

Alguns da Guarda Real que vigiavam Satine foram assassinados e a Duquesa foi presa sob a acusação de traição do Primeiro-Ministro Almec, que foi depois de seu sobrinho Korkie e seus colegas, que testemunharam ele arranjar negócios no mercado negro com contrabandistas. Depois de Almec ter sido subjugado, Satine chamou a Guarda Real para erradicar Almec e seus membros corruptos do Serviço Secreto de Mandaloriano.

Nos bastidoresEditar

Os guardas de Satine foram baseados num conceito Sith por Iain McCaig para ''Star Wars Episódio I: A Ameaça Fantasma. Satine foi foi propriamente também baseada num conceito de McCaig para a Rainha Amidala.[2]

A Enciclopédia hospedou um fornecimento de uma entrada de informação no StarWars.com para a Guarda Mandaloriana. Estranhamente, a entrada na Enciclopédia erroneamente faz referência tanto para o policiamento Mandaloriano tanto quanto à Guarda Real Mandaloriana, atarefados de proteger a Duquesa Satine, como se fossem intercambiáveis.

ApariçõesEditar

FontesEditar

Notas e referênciasEditar

Em outras línguas
O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.