Este artigo detalha um assunto sob a marca Legends.

O assunto deste artigo aparece na era da Ascensão do Império.

Katarnbarcrop.jpg Nunca confie num barman com gramática ruim.

Este artigo tem muitos erros de gramática e ortografia.
Por favor, siga o Manual de Estilo e corrija os erros.

Leia holo.jpg Ajude-me Obi-Wan Kenobi. Você é minha única esperança!

Esse artigo ou seção precisa ser limpo para atingir um patamar maior de qualidade.
Por favor siga as instruções no Manual de Estilo e complete este artigo visando maior qualidade escrita. Remova esta mensagem quando terminar.

Kai Hudorra

"Eu estou farto de guerra ... Talvez, se a Ordem ressurgir um dia de suas cinzas, vou tomar de novo o meu sabre de luz. Até então, a galáxia vai ter que passar sem a minha espada."
―Kai Hudorra[fonte]

Kai Hudorra foi um macho Bothan, Mestre Jedi que serviu a Ordem Jedi e a República Galáctica como um general no Grande Exército da República durante as Guerras Clônicas. Sobrevivendo a ordem de contingência 66, que efetivamente dissolveu a Ordem Jedi, Mestre Hudorra abandonou seu sabre de luz e se escondeu.


Kai Hudorra foi um sensível à força e foi treinado em seus caminhos pela Ordem Jedi ; Ele estava familiarizado com os ensinamentos do Mestre Miquéias Giiett , membro do Alto Conselho Jedi durante sua infância e eventualmente alcançou o posto de Mestre Jedi depois de construir um sabre de luz de lâmina verde. Hudorra estava servindo a Ordem quando a República entrou em guerra com a Confederação de Sistemas Independentes. Obedecendo as ordens do Conselho Jedi, Hudorra assumiu o posto de general dentro do Grande Exército da República e liderou tropas de clones nas Guerras Clônicas.

Sobrevivendo até os dias finais da guerra, Mestre Hudorra encontrou-se atribuído ao mundo gelado de Toola, sob o comando de Mestre Simms. Junto com a Padawan Simms Noirah Na, os três montavam motmots quando eles levaram a acusação ao senado contra o Exército Separatista Droide. Durante a luta da República contra o Chanceler Supremo Palpatine - que traiu a Ordem Jedi e emitiu a Ordem de contingência 66 aos comandantes clones leais - os seus próprios generais (soldados clones) atacaram o Jedi assim que a batalha onde encontravam-se terminou. Enquanto Hudorra e sua padawan Na escapavam, Mestre Simms sacrificou a sua vida. Os dois Jedi fugiram até que sua nave ficou sem combustível e, em seguida, continuaram a pé durante muitos dias até encontrar um entreposto. Na foi deixada em um armazém da zona portuária pouco utilizado e Hudorra seguiu o seu caminho para o mercado central para tentar entender por que as forças de clones de repente se voltaram contra eles. Antes de descobrir qualquer coisa a mais, chegou a noticia de que a guerra acabou, Comandante Keller chegou em busca de Hudorra, forçando-o a fugir mais uma vez.

Hudorra e Na acabaram iludindo os clones com seus poderes e conseguirem uma passagem segura para Coruscant. Quando chegaram no mundo da capital, eles seguiram para o Templo Jedi, onde um solitário Jedi tentou, sozinho, enfrentar um esquadrão clone em seus suntuosos pátios. Hudorra, percebendo que o tempo do Jedi acabou ao mesmo tempo em que viu enquanto o homem foi morto; imediatamente descartou o seu sabres de luz, assim como fez com o de NA. Neste ponto, Hudorra friamente falou para Na que ela deveria adotar uma nova vida para além dos Jedi, exortando-a a buscar uma vida de valor e talvez até mesmo uma família.

Testemunha oculta disso foi o seu companheiro Mestre Jedi Dass Jennir, que viajou para Coruscant também. Ao contrário de Hudorra, ele acreditava que o caminho dos Jedi ainda poderia ficar contra o Império Galáctico e voltou para Nova Plympto para combater seus ocupantes imperiais. Quando perguntado o que ele faria com a sua vida, Hudorra respondeu que planejava seguir a sabedoria de Mestre Miquéias Giiett, afirmando que o ex- Jedi iria ter uma boa vida como um jogador.

Aparições

Fontes

O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.